1 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Caderno: Visão JCAM

Mineração em terras indígenas

Participei no último dia 10 de junho do GEODEBATES 63 Mineração em Terras Indígenas: aspectos legais e desafios futuros, promovido pela Federação Brasileira de Geólogos – FEBRAGEO.  Claudio Scliar (ex-secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do MME, nos anos de 2005 a 2012) e Márcio Santilli (sócio fundador do Instituto Socioambiental – ISA) construíram comigo uma análise crítica sobre tema. Entre divergências e convergências, todos reconheceram que o Legislativo brasileiro tem uma dívida de mais de três décadas com as populações indígenas: a falta de regulamentação de atividades produtivas em Terras Indígenas, entre elas, a de mineração (prevista nos

Economia sustentável e participação indígena na Amazônia (Parte final)

As fórmulas econômicas vigentes não conseguem aprisionar o protagonismo indígena.  Falta-lhes um preço justo aos seus territórios, saberes e coletividade. O caso do guaraná relatado no Programa Visão JCAM pela representante Samela da Associação de Mulheres Indígenas Sateré-Mawé é significativo. “A França tem um contrato com a Associação pagando preço justo”, mas, a maior parte da produção regional em Maués é comprada por atravessadores em atenção às multinacionais de refrigerantes. Faço uma correção a pedido da Geóloga Cisnea na parte 1 deste artigo. O Programa Municipal de Aproveitamento Mineral do Alto Rio Negro de São Gabriel da Cachoeira (PARMARN) nasceu

FEI discute construção de centro cultural com lideranças indígenas

O Governo do Amazonas, por meio da Fundação Estadual do Índio (FEI), está trabalhando em um projeto para a construção de um Centro Cultural Indígena. Na quinta-feira (06/05), representantes da Fundação estiveram reunidos com lideranças da Associação dos Artesãos e Agricultores Indígenas Urbanos e Rurais do Amazonas (Aaaiuram) para discutir a iniciativa. O centro cultural indígena visa a exposição e a venda de artesanatos indígenas, além de apresentações e eventos voltados para o turismo. Os indígenas envolvidos na ação para a construção da propriedade buscam primeiramente um espaço, que esteja também em harmonia com a natureza. O diretor-presidente da FEI,

Economia sustentável e participação indígena na Amazônia (Parte 1)

O programa VISÃO JCAM – UM OLHAR AMAZÔNIDA, realizado pelas redes sociais do Jornal do Commercio do Amazonas na tarde do dia 29 de abril, foi uma aula àqueles que militam no tema Economia e o Protagonismo Indígena. Se Adam Smith e Karl Marx tivessem a oportunidade de assistir a live, certamente voltariam aos seus gabinetes para repensar os papéis do Mercado e do Estado à sustentabilidade econômica contemporânea. Um dos convidados, o professor indígena da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), antropólogo e doutor em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Carlos Augusto da Silva, descreveu-nos que há uma

Biatuwi traz culinária indígena

União do alto rio Negro, através do povo tukano; com o baixo Amazonas, com os sateré mawé. Esse é o cardápio do mais novo restaurante de comida indígena de Manaus, o Biatuwi – casa de quinhapira, indicado para quem aprecia comidas exóticas e pra lá de apimentadas. A pimenta já aparece desde o nome do restaurante: Bia (pimenta) + tu (casa) + wi (panela), em idioma sateré mawé. Quinhapira é um prato típico dos povos do alto rio Negro. Trata-se de uma sopa de peixes repleta de pimentas mais tucupi preto. Tradicionalmente acompanham beijus de goma. O Biatuwi é administrado

Saúde e retomada econômica dominam debate do Visão JCAM

O aumento da cobertura vacinal no Amazonas e a necessidade de manutenção das medidas sanitárias contra a disseminação da Covid-19 dominaram os debates do primeiro Visão JCAM deste ano, a quinta edição do programa, transmitido nessa segunda-feira (22) diretamente dos estúdios centenários do Jornal do Commercio. Por unanimidade, houve o consenso de que a vacina e a prevenção foram apontadas como de extrema importância para a retomada das atividades econômicas no Amazonas, assolado pela pandemia do novo coronavírus que já causou quase 12 mil mortes e infectou 335.394 pessoas, isso só até a última sexta-feira (19), segundo os dados oficiais.

Governo do AM assina contrato para aquisição de 1 milhão de vacinas Sputnik V

O governador Wilson Lima anunciou, neste sábado (20/03), a assinatura de contrato para a compra de 1 milhão de doses da vacina russa Sputnik V para o estado do Amazonas. Em pronunciamento em live nas redes sociais oficias do Estado, o governador afirmou que o acordo será firmado na próxima segunda-feira (22/03), de forma virtual, reunindo governadores dos estados que integram o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal e autoridades russas. As tratativas para a compra dos imunizantes contra a Covid-19 ocorreram de forma conjunta com os governadores do Acre, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e

2 mil servidores da Semed serão vacinados, informa David Almeida

O prefeito de Manaus, David Almeida, anunciou na manhã desta sexta-feira, 19/3, a expansão do programa “CovacManaus“, com o objetivo de antecipar a vacinação contra a Covid-19 para mais de 2,2 mil servidores da Secretaria Municipal de Educação (Semed), com idade entre 18 e 49 anos e que possuam alguma comorbidade. O posto de vacinação será na Escola Normal Superior (ENS) da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), que estará recebendo os servidores das 9h às 16h, a partir deste sábado, 20/3. Para David Almeida, o momento é de grande importância, por Manaus mostrar celeridade na vacinação da população e preocupação

Estudo ‘CovacManaus’ aplica vacinas em servidores de segurança e educação

O Governo do Amazonas lançou, nesta quinta-feira (18/03), o estudo relacionado à antecipação da vacinação contra a Covid-19 para servidores de 18 a 49 anos das áreas de educação e segurança. A pesquisa, batizada de CovacManaus, visa identificar se a aplicação da CoronaVac em pessoas com comorbidades terá impacto na prevenção de formas mais graves da doença, em Manaus, onde predomina a variante P.1 do vírus. Ao todo, 10 mil trabalhadores da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), da Secretaria de Educação e Desporto e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) efetivos em Manaus participarão do estudo, que terá duração