Lula quer foco maior na economia

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem em entrevista a blogueiros que a economia do Brasil “poderia estar melhor” e que, durante sua campanha à reeleição, a presidente Dilma Rousseff terá que “dizer claramente como a gente vai melhorar a economia brasileira”.
Segundo Lula, o governo do PT gerou emprego com melhoria de salário e inflação dentro da média. “A inflação em 5,9% é muito, queria em 2% [ao ano], mas temos que pensar nela quando era 80% ao mês. Não era ao ano, era ao mês”, explicou.
Pesquisa realizada pelo Datafolha mostra que o medo da inflação é generalizado e atinge pessoas de todos os níveis de escolaridade, em todas as faixas de renda e em todas as regiões do Brasil.
Quanto mais rico e escolarizado o eleitor, maior foi o aumento do medo. Um ano atrás, só 5% das pessoas com ensino superior apostavam em inflação. Agora são 71%. Entre os que têm renda familiar mensal acima de dez salários mínimos, a taxa é parecida: 69% falam em mais inflação. Em fevereiro, eram 55%. Em março de 2013, 38%. No polo oposto (até dois salários mínimos), o pessimismo também é alto: 64% falam em aumento da carestia.
Apesar de reconhecer que os índices econômicos do país estão aquem do que ele e Dilma gostariam, Lula destacou a crise econômica mundial em que Estados Unidos, Europa e China tiveram quedas no crescimento que ainda não foram recuperados. De acordo com o ex-presidente, os países que crescem hoje são os da África e os da América Latina.
“A economia do Brasil não está crescendo 5% como nós gostaríamos, mas qual país está crescendo mais que o Brasil? Pega o G-20, você vai achar a China, que é sempre um pouco suspeita porque não tem sindicato pedindo aumento de salário e tantos obstáculos como os que nós temos aqui. É mais fácil fazer economia na China do que economia em um país democrático”, disse o ex-presidente.
Lula afirmou ainda que Dilma tem “competência e todas as condições políticas e técnicas” que o Brasil precisa para avançar. “Dilma é disparadamente a melhor pessoa para ganhar essas eleições e fazer o Brasil continuar a andar. Eu já cumpri com minha tarefa, já me dou por realizado”, disse.
As intenções de voto de Dilma caíram seis pontos desde o final de fevereiro, segundo pesquisa Datafolha. Contudo, a petista ainda continua com uma taxa suficiente para vencer no primeiro turno, 38%, contra 16% do tucano Aécio Neves (PSDB) e 10% de Eduardo Campos (PSB).
O Datafolha fez 2.637 entrevistas em 162 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. A pesquisa está registrada na Justiça Eleitoral com o código BR 00064/ 2014.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email