Valorizando doadores de vida pelo sangue

Hoje se comemora o Dia Nacional do Doador de Sangue. O final do mês de novembro foi escolhido por preceder um período de estoques baixos nos bancos de sangue. A proximidade das férias, de datas comemorativas de fim de ano, Carnaval e outros períodos de feriados prolongados torna esse dia especialmente importante para promover o ato solidário e regular da doação de sangue. A data tem como objetivo agradecer aos doadores pela ação de doar e busca sensibilizar a população para a importância desse ato.

Em entrevista ao Jornal do Commercio, a médica hematologista pediatra, Socorro Sampaio, diretora-presidente do Hemoam (Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas), falou sobre a data, a atuação do Hemoam no Estado e a breve inauguração do Hospital do Sangue, em Manaus.

Socorro Sampaio é médica hematologista pediatra

Jornal do Commercio: Por que 25 de novembro é o Dia Nacional do Doador de Sangue?

Socorro Sampaio: O Dia Nacional do Doador foi instituído pelo Ministério da Saúde para chamar a atenção sobre esse ato solidário. Segundo o Ministério, apenas 1,8% da população brasileira doa sangue de forma regular. Esse número fica um pouco abaixo dos 2% ideais definidos pela OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde), mas bem atrás dos 5% registrados em países da Europa. 

JC: Como a data será comemorada em Manaus? 

SS: Com a campanha ‘Somos todos do mesmo sangue’, hemocentros de todo país se uniram com objetivo de comemorar a data. A ação é inédita e tem como objetivo destacar a importância desse gesto, sobretudo durante a pandemia, período onde houve queda de até 50% no número de doações em algumas regiões do país. No Amazonas, o Hemoam homenageará os doadores de sangue na categoria ouro, prata e diamante, que doaram assiduamente no período de janeiro a outubro de 2020. Além disso, o hemocentro vai oferecer um lanche especial e brindes para quem fizer uma doação hoje.

JC: Atualmente Manaus possui quantos doadores de sangue e quantos seriam necessários para manter o estoque sempre abastecido?

SS: O Hemoam tem cadastrados em torno de 500 mil doadores, no entanto, somente cerca de 100 mil fazem doações regularmente. Para que os estoques de sangue ficassem estáveis durante todo o ano seria ideal que pelo menos o dobro disso fizesse essas doações regulares.  

JC: O Hemoam abastece quantos hospitais e unidades de saúde de Manaus e quantos litros diários são necessários para não faltar sangue nesses lugares?

SS: O Hemoam (com sede na av. Constantino Nery) abastece 27 unidades de saúde pública e privada na capital e 43 cidades do interior do Amazonas. Somente o Hemoam tem autorização para coletar, processar e distribuir sangue no Estado. Para atender a demanda diária é necessário coletar no mínimo 136 bolsas de sangue/dia.

JC: Quer dizer que, além de Manaus, o Hemoam ainda abastece 43 municípios do interior?

SS: Sim. O Hemoam distribui sangue para 43 municípios que não possuem unidade de coleta. Esse sangue é enviado por meio de aeronaves para as cidades mais distantes. Já Itacoatiara, Manacapuru, Parintins, Coari, Humaitá, São Gabriel da Cachoeira, Tefé e Tabatinga possuem infraestrutura para coletar e distribuir sangue, sob supervisão do Hemoam. 

JC: Como a pandemia do coronavirus afetou a coleta e o abastecimento de sangue dos hospitais e unidades de saúde do Amazonas?

SS: Apesar de a pandemia ter afetado o abastecimento dos hemocentros de todo o país, chegando a registrar baixa de 40% no nosso estoque do Hemoam, felizmente não faltou sangue em nenhum momento dessa crise pela qual passamos.

O Hospital do Sangue 

O Hospital do Sangue está com mais de 70% de suas obras concluídas. Neste momento está na fase de acabamentos e instalações hidrosanitárias. O Hospital do Sangue é um projeto fundamental para o atendimento hematológico e oncohematológico do Amazonas. O projeto foi motivado a partir do progresso anual da demanda hematológica no Estado e pela sobrecarga da infraestrutura disponível atualmente no Hemoam. A instituição conta hoje com 26 leitos de internação e atende uma média anual de mais de 900 pacientes.

Com 15 mil metros quadrados, o Hospital do Sangue vai aumentar em até seis vezes a capacidade atual de assistência hematológica e oncohematológica do Amazonas. Será referência para diagnóstico e tratamento de câncer infantojuvenil e doenças hematológicas, principalmente as leucemias. Uma estrutura equipada com 157 leitos, central de imagens, UTI’s adulto e infantil, central de transplante de medula e toda estrutura para atendimento integral dos pacientes, o que dá uma projeção de ampliar a capacidade de internação para mais de cinco mil pacientes/ano.

Atualmente, os pacientes indicados para o transplante de medula óssea, que é uma das alternativas para a cura da leucemia, precisam ser deslocados para Jaú/SP. Com o Hospital do Sangue esse deslocamento não será mais necessário. A infraestrutura do novo hospital contempla esse procedimento. Além de reduzir custos financeiros, entendemos que o deslocamento não é bom para os pacientes que precisam mais do que nunca do seio familiar.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email