11 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Os bailes da Blue Birds no carnaval manauara

Quando a banda Blue Birds surgiu, em 17 de junho de 1967, era formada por jovens roqueiros, empolgados com as músicas dos Beatles e outras bandas de rock, principalmente inglesas, que eram ouvidas em Manaus através das rádios Baré, Difusora e Rio Mar.

“Na época eu cheguei a listar 35 bandas em Manaus, todas com jovens integrantes empolgados com o novo ritmo musical”, lembrou Roberto Sá Gomes, o Beto, proprietário da Blue Birds.

Passaram-se os anos e eis que o poder do dinheiro falou mais alto fazendo com que os roqueiros da Blue Birds se rendessem ao Carnaval.

“Em 1972 fomos contratados para tocar no Cheik Club, espaço até hoje existente na Getúlio Vargas com Ramos Ferreira, há muito não mais como clube de festas. Lembro que alguns integrantes da Blue Birds não gostaram nem um pouco da idéia, mas o cachê era irrecusável. Aumentamos a banda, incluindo os sopros, imprescindíveis numa banda de Carnaval e estreamos no nosso primeiro baile carnavalesco”, contou.

Passados 48 anos deste baile, a Blue Birds nunca mais ficou de fora de fora de eventos de Carnaval que, lamenta Beto, não são mais como no passado.

“A Blue Birds é cria do Ideal Clube. Nascemos lá dentro e nossas apresentações sempre foram lá, inclusive no Carnaval. Os bailes de Carnaval do Ideal e do Rio Negro eram tão chiques, que cada um tinha seu baile de gala, o Ideal no sábado, e o Rio Negro na segunda-feira com todos os brincantes, inclusive nós, da banda, vestindo smokings. Mas eram bailes da elite. Todo mundo ia sem reclamar”, revelou.

No Centro e nos bairros

Mas, elite, elite, negócios à parte. A Blue Birds se apresentava onde o cachê compensasse o trabalho dos músicos.

“Só para se ter idéia de como era nossa maratona, tocávamos a semana inteira, e cada apresentação demorava seis horas de marchinhas, frevos, e marchas ranchos”, disse.

Naquela época, ainda na década de 1970, o Carnaval em Manaus se resumia ao desfile de blocos de sujos, carros alegóricos, e incipientes escolas de samba na avenida Eduardo Ribeiro e aos bailes nos clubes. Estes aconteciam por toda a cidade e a frequência era altíssima.

“Tocávamos em todos os clubes: no Nacional, quando ainda estava localizado na Saldanha Marinho e mesmo depois que a sede mudou para a Vila Municipal; União Esportiva Portuguesa, na Joaquim Nabuco, onde hoje está um dos prédios da Uninorte”, contou.

“E nos bairros: São Raimundo e Sulamérica, ambos no mesmo bairro. Parece que o São Raimundo ainda funciona, mas o Sulamérica há muito está fechado; no Ypiranga, na Cachoeirinha, no terreno ao lado do cinema; e no União Atlética de Constantinopla, no Educandos, estes também sem saber o que é um baile de Carnaval há muito tempo”, completou.

Os únicos clubes que ainda resistem realizando bailes carnavalescos, segundo Beto, são o Municipal, na Torquato Tapajós, e o Cassam, no São Lázaro, nos quais ele um dia toucou, mas que não contratam mais a Blue Birds porque o cachê não é o mesmo de outros carnavais.

A primeira banda de rua surgida em Manaus foi a banda do Mandy’s Bar, em 1982. Começava a se delinear ali o fim dos grandes e bem frequentados bailes nos clubes. Ainda em 1980, Elba Ramalho se apresentara na primeira Festa do Guaraná, em Maués, onde também estivera a Blue Birds. Em conversa com Beto, Elba perguntou por que ele não incluía músicas nordestinas no repertório da banda.

“No Carnaval de 1981, no Tropical Hotel, incluímos o frevo de Elba Ramalho, Alceu Valença e o axé da Bahia, uma novidade em Manaus”, afirmou.

Décadas no Tropical

Os bailes de Carnaval do Tropical Hotel fizeram história na cidade.

“Só a Blue Birds tocava lá. Foram 35 anos ininterruptos, de 1976, quando a hotel foi inaugurado, até 2011. Mesmo quando o prédio ainda estava sendo construído, já fazíamos apresentações para os funcionários no Natal, Réveillon e Carnaval”, informou.

A partir de 1990, com o surgimento de mais bandas de rua, os bailes de Carnaval em clubes foram rareando. As marchinhas e os frevos, vários seculares, que até hoje animam foliões, passaram a ganhar a companhia do axé, do boi, do forró, do sertanejo, do funk.

“Os estilos musicais mudaram a cara do Carnaval. Em parte ficou legal porque têm muitas músicas boas, mas junto veio muita coisa ruim, que o público pede para tocarmos, e nem sempre atendemos. Nem vou citar aqui o que nos pedem”, falou.

“Mas uma coisa é certa. De 1972 até este ano, a Blue Birds nunca deixou de tocar num baile de Carnaval, porém, eles são cada vez mais raros, os músicos tocam, em média, duas horas, e o cachê é baixo. Não sei até quando vão existir”, alertou.

“Este ano conseguimos fechar duas apresentações nas quais vamos tocar só as músicas tradicionais, aquelas que tocamos até 1980: marchas, frevos e marchas ranchos, mas serão na rua. Cada show terá duas horas de duração e levaremos dez músicos para o palco. Nos bons tempos do Tropical chegava a montar uma banda com 16 músicos”, afirmou.

Para quem quiser saber o que se tocava nos bailes de Carnaval, em Manaus, antes da invasão de ritmos, a Blue Birds se apresentará dia 22, sábado, às 20h, na Banda de Educandos (ambas as bandas Patrimônios Imateriais da Cidade); e dia 25, terça-feira, às 20h, na Banda do Cinco Estrelas, na Getúlio Vargas.

E a Blue Birds ainda aceita solicitações de shows. É só ligar para o Beto: 9 9966-2019.  

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email