7 de dezembro de 2021

‘Corpo humano foi feito para rodar’ diz Paulo Laredo, cirurgião vascular

O cirurgião vascular Paulo Laredo avalia como ignorância, falta de conhecimento, pensar que a vacina contra a Covid-19 causa trombose. Segundo ele, o maior risco para essas complicações é o próprio novo coronavírus que já matou pelo menos 600 mil pessoas no Brasil.

Especialistas em varizes, o médico diz que é costume do brasileiro se impressionar por certas informações veiculadas pela mídia, muitas vezes divulgadas sem nenhum referencial teórico e científico, levando a população ao pânico.

Algo que influenciou muita gente a deixar de tomar os imunizantes contra a doença, dificultando as medidas de enfrentamento à pandemia no País. Laredo admite, porém, que as vacinas podem representar um risco, mas esse perigo é tão baixo, tão ínfimo, quanto viajar de avião e ele cair.

“Chega a 0,00004% o risco de uma pessoa ter trombose após tomar a vacina contra a Covid-19”, explica o médico. Paulo Laredo também desmistifica certas crenças sobre as varizes. Ele orienta que só um especialista tem habilidade para cuidar de um problema que, à primeira vista, parece ser tão simples. Mas não é.

Hoje, proliferam clínicas estéticas que prometem corrigir o problema rapidamente, sem nenhum respaldo médico, alerta o especialista. É aí que mora o perigo para muitas pessoas que recorrem a esses novos métodos.

“Pequenas varizes que aparecem superficialmente na pele podem esconder todo um transtorno na circulação do sangue nos vasos, com chances de evoluir para embolias e vários outros tipos de doenças vasculares”, ressalta o médico.

Segundo Paulo Laredo, as varizes são doenças e não um problema estético, como muitos pensam. E, como tais, devem ser tratadas só por especialistas. As principais causas são os fatores genéticos (chegam a 95%), mas a falta de atividades físicas, maus hábitos alimentares, fumar, diabetes, hipertensão não  tratada, estresse, ansiedade, vida sedentária, obesidade, podem predispor o aparecimento de um distúrbio que começa a aparecer até em pessoas mais jovens.

“O corpo humano foi feito pra rodar. Quanto mais a máquina de Deus se movimenta, mais ela fica melhor”, salienta Paulo Laredo.

Ele falou exclusivamente ao Jornal do Commercio.

Jornal do Commercio – Para tirar a dúvida, de que cuida exatamente o cirurgião vascular?

Paulo Laredo – Muita gente tem essa dúvida. O cirurgião vascular é o médico especialista em veias. Pode ser especializado em vários procedimentos dentro da mesma área. Não mexe mais nada que não seja veia. No meu caso, sou especialista em varizes.

JC – Por falar em varizes, muita gente tem se preocupado com relatos de que a vacina contra a Covid-19 causa trombose. Como avalia essa questão?

PL– Vejo ainda que o principal problema do nosso Brasil é a ignorância, a falta de conhecimento. Temos ainda 12% de analfabetos, incluindo os analfabetos funcionais. Em países desenvolvidos é menos de 1%.

Muitos me ligam ou chegam ao meu consultório dizendo ‘dr.. não tomei a vacina porque fiquei com medo. Ouvi algo no jornal que dava trombose’.

Muitas vezes essas notícias mostram só o lado ruim. As varizes são os casos mais comuns de trombose. Existe o risco de a vacina causar trombose? Sim, existe, mas é muito baixa essa possibilidade. Hoje, a gente sabe que esse risco é menor que 0,0004%.

Por exemplo, existe risco de viajar de avião e ele cair? Sim, existe, só que esse risco também é muito baixo. Então, hoje quem mais causa trombose é o próprio coronavírus que transmite a Covid-19.

Uma paciente minha estava gestante e se recusou a tomar vacina, pegou Covid no oitavo mês de gestação. Internou em estado grave com embolia pulmonar, morreu e conseguiram tirar o bebê. Quer dizer, destruiu toda uma família.  Por causa, às vezes, de uma informação errada.

JC – Com certeza, vamos ouvir muitos relatos….

PL – Certamente, e vários…São muitos os relatos sem qualquer base científica,

JC – Como podemos identificar se as varizes são um problema estético ou algo mais que vai gerar algum problema, pondo em risco a vida das pessoas?

PL– Não existem varizes estéticas.  Elas são uma doença. Conhece algum problema estético que pode dar embolia e morte? Há casos na literatura que falam sobre isso.

Uma senhora estava dormindo no sofá, provavelmente ela coçou a perna que já fica mais ressecada. E estouraram varizes. Encontraram ela morta ao lado de uma poça de sangue. Outro relato é de uma paciente no interior do Texas, nos Estados Unidos, que tinha várias varizes no pé. O galo dela beliscou uma das varizes, estourou, não deu tempo de chegar ao hospital, ela morreu.

Também existem relatos no Brasil. Hoje, já me chamaram pra avaliar uma paciente de 19 anos no hospital, em urgência, com estado gravíssimo, entre a vida e a morte com embolia pulmonar. Ela tomou anticoncepcional, fez uma viagem entre São Paulo e Nova York, depois voltou com embolia pulmonar.

Então, existe alguma doença com alteração estética que possa causar isso tudo? Não, pelo amor de Deus. Varizes são doenças que, se não tratadas, podem levar à morte. Ou a complicações, flebites (inflamações nas veias). Varizes não cuidadas são a principal causa de perda de trabalho. 

A pessoa fica com a perna inchada e não consegue ficar 15 minutos em pé. Dói, causa úlcera, a pessoa não consegue nem tomar banho, perde a dignidade, a autoestima vai lá pra baixo. Mesmo pequenininhas, as varizes são uma doença. É mais fácil tratar uma doença pequenininha que uma doença grandona.

JC – Tem vários estágios….?

PL – Sim, há vários estágios. Só o que é engraçado….não dá pra gente confiar no nosso olho. Em minhas aulas de medicina, falo que o diagnóstico de varizes é mais fácil, qualquer bêbado da esquina identifica. Mas só que o nosso olho não é suficiente pra ver o grau do problema.

Muitos dizem  ‘tenho dois vasinhos’. Uma ultrassonografia mostra que por dentro está tudo danificado. Quer dizer, a circulação é 100%, mas ela está ali sobrevivendo em 20%. Só que Deus fez o nosso projeto das pernas para o sangue circular.

O sangue desce pela gravidade, agora pra ele subir ele tem que vir contra a gravidade. E é aí que se precisa de uma veia boa, funcionante. Resumo da ópera – não existem varizes estéticas. Como vou saber a graduação, se é leve, moderada ou alta? Indo a um especialista. Outra coisa, hoje tem clínica de estética fazendo procedimentos na área….

JC – Pois é, observa-se clínicas de estética anunciando que fazem esse procedimento….

PL – Houve aquela época de muitas complicações com lipoaspiração…furavam fígado. Sempre digo, para acontecer um desastre na medicina, precisa de dois doidos. Não pode ter só um.

Esse caso apareceu até no Fantástico…a moça tinha 18 anos, vou fazer lipo e colocar uma mama. O cara era ortopedista, viram no CRM dele, e ele fazia na casa dele. Sempre precisa de duas pessoas sem noção pra fazer uma loucura.

Você vai tratar a veia, pensa que é uma coisa simples, qualquer um trata? Mas não é simples. Eu pra tratar de veias, tive que fazer seis anos de medicina e mais seis de especialização – são 12 anos pra tocar na veia.

Muitos pacientes vêm comigo com relatos de trombose, de úlceras, de manchas. Tenho um álbum só de desastres. Só que muitos vêm já tarde, com as complicações, aí é mais difícil tratar.

JC – Algumas esteticistas garantem vou tirar as varizes, elas vão sumir….

PL– Na verdade, isso é o famoso ‘varizes-volta’. Já ouviu falar varrer a sujeira pra debaixo do tapete? O vasinho que está na pele não é o problema. Ele reflete que embaixo da pele o encanamento não está funcionando.

Só que no Brasil, os profissionais só querem agir nos sintomas, não querem agir na causa. Porque a causa é mais cara.

Falo o seguinte – gente tenham consciência, nenhum médico que não seja um especialista não tem coragem de mexer em veia porque é muito específico.

Porque sem conhecimento, sem tecnologia, sem conhecimento anatômico, pode mexer num nervosinho e dar problema.

Há relatos em jornais clínicos de necrose nesses procedimentos não especializados. Depois da pandemia, percebemos que hoje o bem mais precioso, valioso, é a saúde. Sem saúde, pode ter dinheiro, jatinhos, milhões de empresas, não se faz nada.

JC – Há fatores agravantes, como hereditários, e outros para se desenvolver o problema e ainda tem como prevenir?

PL – Existem, sim. Costumo falar que varizes é um campo cheio de mitos e lendas, mas 95% se originam de tendência genética. Antigamente se achava que  usar salto alto aumentava as varizes, também orientavam não cruzar as pernas. Tudo isso é um mito.

Diziam que atividades físicas e longas caminhadas também causavam. Nada disso. Na verdade, as atividades físicas previnem a doença. Geralmente, a mulher puxa mais na tendência genética.

Se nasceu com tendência genética vai ter varizes. Outros fatores, os 5%, têm relação com o hábito de ficar por mais de seis horas numa posição, ficar sentado. O ideal é estar sempre se movimentando.

Também os anticoncepcionais, implante, gel, hormônio, adesivos, são fermentos para os vasinhos. E ainda gestações.

Mas Idade, peso, calor, roupa apertada, tudo isso é mito. A atividade física diminui a progressão da doença. Mas é engraçado, as pessoas acham o contrário.

JC – Trombose causa hemorragia….?

PL – Imagina a veia como um cano. O nosso sangue tem que ser bem líquido pra passar nos microvasos. É líquido, mas se vira sólido causa trombose.

Quer dizer, se o sangue coagula dentro da veia é uma trombose. Se for no coração é infarto, no cérebro, AVC, se for no rim, perde o rim. O principal tratamento da trombose é evitar trombose.

Hoje, falo que 95% das doenças vasculares se originam dos maus hábitos. Os principais fatores de risco são obesidade, sedentarismo, diabetes, hipertensão não tratada.

O problema é que a maioria das pessoas não se cuida – não cuidam dos dentes, não cuidam do cabelo, não tomam banho direito. O ser humano é uma máquina – tem que ter manutenção, tem que ter um check-up periódico.

JC – Exames anuais são coisas necessárias….

PL– São coisas necessárias. O brasileiro acha que se cuidar é tomar remédios e fazer exames. Não é. Isso é um mito. Se cuidar é se alimentar bem, fazer atividades físicas, manter o peso, a higiene, a saúde bucal.

A mulher vai ao ginecologista uma vez ao ano, faz aquele exame, o check-up geral. Se cuidar vai mais além, é a prevenção mesmo.

Pra  que se tiver uma tendência genética não desenvolver as doenças. Agora comer fast food toda hora é complicado, um atrativo para as doenças.

Um dos principais fatores pra  desenvolver diabetes no Amazonas é aquele cafezinho. É um melzinho que o cara passa o dia inteiro bicando, é mel na boca o dia inteiro. E destrói o pâncreas.

JC – Hoje, os jovens são acometidos por várias doenças, envolvendo até problemas que antes eram direcionados para um público de uma certa idade. Em relação aos distúrbios vasculares, isso também vem acontecendo em pessoas mais novas?

PL – É um ponto chave. No início do ano, atendi um rapaz de 35 anos com uma trombose grave na perna. E vemos também, hoje, casos de infarto aos 35 anos.

O infarto não existia antes da década de 60. O eletrocardiograma foi inventado por um holandês. E médicos nos Estados Unidos procuravam quem tivesse infarto e não achavam. Era raríssimo.

Então, depois da Revolução Industrial, principalmente com a comida industrializada, da gordura hidrogenada, que é a gordura trans, das margarinas, apareceram os casos.

Aí é que veio a começar uma epidemia de infartos. E cada vez mais aparece nos mais jovens. Há dez e 15 anos, era difícil trabalhar atrás de um computador. As pessoas trabalhavam se movimentando mais.

Hoje, praticamente 100% trabalham sentados, atrás do computador. E não sai pra lugar nenhum. E agora com a pandemia, home office, a nossa tendência é ficar parado o dia inteiro.

JC – Mais parado complica a situação….

PL– Complica, o sangue não circula, aí não se alimenta bem, não tem tempo, come fast food, come em hora totalmente inadequada, aí vem estresse, o fumo….Hoje, a principal doença do ser humano são o estresse, a ansiedade, a má alimentação.

Muitas vezes, as pessoas descontam o estresse, a ansiedade e a culpa na alimentação.

JC – Quais são os mais afetados – os homens ou as mulheres?

PL – Infelizmente, a mulher é acometida quatro vezes mais que o homem.

Só por terem nascido mulheres têm quatro vezes mais chances de terem varizes. E se já nasceu mulher com varizes tem oito vezes mais chances de ter trombose. E se nasceu mulher com varizes e toma hormônios tem 16 vezes mais chances de ter trombose.

Quando vejo mulheres com varizes que tomam hormônios, anticoncepcionais em  gel, adesivos, falo – se a trombose fosse um bolo,  ela tem todos os ingredientes, falta só colocar no forno.

JC – Deve-se preocupar com episódios de dores debaixo da perna, mas que somem após atividades físicas?

PL – Isso não é preocupante pra mim, pois tem a ver com o sedentarismo – 75% desses casos resultam de falta de atividades físicas. O corpo humano é uma máquina que foi feita pra rodar.

Deixei minha lancha seis meses sem ligar durante a pandemia, fui dar na chave e ela não ligava. Tem até um tipo de ave que foi feita pra correr – se deixar ela parada tem problema de joelho.

Essas dores somem com pelo 120 minutos de atividades físicas aeróbicas. O corpo humano é uma máquina. Só que a máquina de Deus é diferente da máquina do homem – quanto mais funciona, ela fica melhor. E quanto mais para, começa a dar problemas

JC – E com relação às cãibras?

PL – O sangue acumula muito potássio, deixando as células super excitadas, mas também tem outras causas

JC – E a dormência nos braços?

PL – Está mais relacionada com patologia cervical (nas vértebras cervicais), hérnia de disco….

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email