7 de maio de 2021

Obras de infraestrutura impactam trânsito de Manaus

Se já era difícil enfrentar o trânsito de Manaus, agora virou realmente um tormento. As obras de infraestrutura para melhorar o tráfego da capital estão impactando diretamente na vida da população, que muitas vezes passa mais de uma hora esperando por uma maior fluidez na circulação dos veículos.

Na manhã dessa quarta-feira (10), a situação ficou ainda mais caótica com uma manifestação de motoristas de táxi e de aplicativos cobrando uma posição do governo do Amazonas contra o aumento abusivo dos combustíveis – aliás, uma política adotada pela Petrobras que acompanha a oscilação dos preços do petróleo no mercado internacional e o câmbio do dólar.

O preço da gasolina já passou dos R$ 5, inviabilizando a sobrevivência de quem vive diariamente dos aplicativos e dos táxis.  Os manifestantes fecharam a avenida Djalma Batista, próximo à entrada do Conjunto Eldorado, no Parque 10, zona centro-sul de Manaus, causando um grande congestionamento na área.

A chuva torrencial de ontem também acirrou os ânimos, exigindo mais paciência de motoristas. “Passei mais de uma hora no trânsito. Até para ir a um supermercado foi um sufoco”, protestou um motorista que preferiu não revelar o nome. “Acho que a prefeitura deveria ter se planejado melhor para realizar essas obras”, acrescentou ele.

Questão sempre em pauta em Manaus, a mobilidade urbana está longe de atingir as expectativas da população, segundo avaliam expertises que lidam com o assunto.

Com quase dois meses à frente da prefeitura, o prefeito David Almeida (Avante) promete, porém, mudar essa realidade. Ele mantém hoje várias frentes de trabalho na cidade, revitalizando áreas, retomando obras paradas, beneficiando pelo menos 30 bairros, segundo a Seminf (Secretaria Municipal de Infraestrutura).

Os serviços mobilizam aproximadamente 40 equipes dos 16 Distritos de Obras da prefeitura de Manaus, tanto em vias estratégicas como em áreas periféricas da cidade.

“Neste primeiro momento, buscamos ações assertivas, afinal a população quer exatamente essa resposta rápida de nós. E aos poucos estamos ampliando as ações. A pandemia tem mudado bastante a rotina de obras por ter comprometido grande parte das equipes, mas vamos avançando”, explicou o vice-prefeito e secretário da Seminf, Marcos Rotta.

São estimados investimentos de quase R$ 1 bilhão nas novas obras de infraestrutura na capital.  As equipes da Seminf estão nos bairros Petrópolis, Japiim, Morro, Crespo, Cachoeirinha, Compensa, Puraquequara, Coroado, Da Paz, Parque Dez, Nossa Senhora das Graças, Cidade Nova, Coroado, Tarumã e Novo Israel, onde são realizados serviços de tapa-buracos.

Horários de pico

O congestionamento em vias de grande circulação acontece principalmente nos horários de pico em Manaus. O acesso pela avenida das Torres ao Complexo Viário Gilberto Mestrinho, mais conhecido comoBola do Coroado, é um hoje um dos principais gargalos no trânsito da cidade.

Em 2019, um levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa  Econômica Aplicada) apontava que o tempo médio  de deslocamento do manauara entre casa e trabalho era de 41 minutos. 

Em termos de mobilidade, a capital do Amazonas ocupa a 14ª posição entre as 20 maiores cidades brasileira que foram objetos do estudo.

O engenheiro Manoel Paiva, ex-diretor do IMMU (Instituto Municipal de Mobilidade Urbana de Manaus), avalia que a cidade deve priorizar o transporte coletivo, modal, usado por 55% da população, para dar maior fluidez ao trânsito.

Segundo ele, nos últimos anos, a capital priorizou os automóveis, e não as pessoas, o que causou problemas no trânsito em vias de grande circulação. 

“Infelizmente, é por isso que a gente vive esse conflito no trânsito. Os investimentos não foram para as pessoas que andam a pé, que utilizam o transporte público”, ressalta. “As pessoas que moram mais distantes dos centros comerciais, de lazer e do trabalho precisam desse tipo de transporte. Se você for analisar os viadutos, não tem vez para quem anda a pé. Se você for caminhar por lá, não consegue atravessar com segurança”, acrescenta Paiva.

Desde o último dia 4, o tráfego de veículos na avenida Oitis, zona leste de Manaus, está interditado nos dois sentidos para execução de obras no trecho que passa sob o viaduto na alameda Cosme Ferreira, antiga estrada do Aleixo, no Distrito Industrial 2.

Os trabalhos deverão ser concluídos em 120 dias, segundo a Seminf, um prazo que resultará em mais transtornos no tráfego de veículos e de pessoas que utilizam diariamente aquela área.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email