Vendas no Dia dos Pais em Manaus superam expectativas

Assim como ocorrido nas duas datas comemorativas imediatamente anteriores, os números de vendas para o Dia dos Pais deste ano superaram as expectativas da CDL-Manaus (Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus). Dados fornecidos pela entidade informam que as vendas cresceram 2,5%, em índice maior do que o projetado inicialmente (+2,1%), na comparação com os números de 2020. O ticket médio também foi melhor do que o esperado pelos comerciantes (R$ 92) e chegou a R$ 100.

Para o presidente da CDL-Manaus, Ralph Assayag, a expansão se deve tanto a fatores emocionais, quanto econômicos, embora o fator pandemia tenha sido fundamental. “Foi muito bom esse resultado positivo superior. Todos estavam com vontade de abraçar, de se falar, já que no ano passado não teve nada disso. Há também o fato de que o consumidor não está viajando, e esse dinheiro acabou sendo canalizado para festividades. O número maior de lojas disponíveis e a consequente melhora na oferta de empregos também ajudaram. A gente diz até que o ano começou em agosto”, comemorou.

Como esperado, o vestuário foi o carro-chefe. Na pesquisa da CDL-Manaus, o segmento aparecia com 29,5% das preferências, seguido de longe por perfumaria (11,70%), relógios (5%), eletrodomésticos (3,90%), artigos esportivos e smartphones (ambos com 2,81%, cada), vinhos e cervejas (2,26%), ou outros produtos não especificados na pesquisa (0,90%). Mas, diferente do ocorrido em anos anteriores, o almoço/jantar com o homenageado do dia – que poderia não ser necessariamente “pai” – foi a segunda opção do consumidor, tomando a dianteira do segmento de calçados, que pontuava 12,25% das intenções de compras

“Neste ano, todos queriam fazer uma refeição especial com o pai ou a pessoa homenageada do dia, e muitos até escolhera fazer um churrasco. Dessa forma, os supermercados também tiveram um crescimento perto de 2%, porque os consumidores compraram carne, cerveja, refrigerante, fizeram macarronada e tudo para estar com a família. No ano passado, ninguém podia fazer isso, até porque os restaurantes estavam fechados nessa época. Desta vez, eles ficaram completamente lotados e tivemos um movimento muito grande nas praças de alimentação”, informou.

“Burocracias e invenções”

Apesar dos resultados acima do esperado, o meio de pagamento preferencial acabou sendo o cartão de crédito, que aparecia com 36,65% das escolhas preliminares do consumidor, conforme a CDL-Manaus. Embora não revele números, a entidade informa que as vendas a vista – que incluíam cartão de débito (29,3%), dinheiro (18,7%) e Pix (6,5%) – foram menos significativas do que o aguardado pelos lojistas.

Vale notar que o mesmo levantamento da CDL-Manaus mostrava que preço (17,2%) ainda era o critério prioritário na hora de escolher o presente, enquanto promoções e descontos (10,4%) também eram levados em conta. Outros fatores foram elencados pelos entrevistados, como qualidade dos produtos (15,3%), atendimento (14,2%), variedade (12,8%), comodidade (7,9%), localização (7,1%), facilidade de pagamento (6,6%), estacionamento (4,6%) e marcas (3,8%). 

Ralph Assayag não informou o local de compra preferencial para o Dia dos Pais deste ano. A pesquisa da CDL-Manaus mostrava predileção por shoppings centers (43%), seguido pelo “comércio formal do Centro” (31%). Em sintonia com o medo da pandemia, o comércio de bairro (4%) aparecia com fatia menor do que as de meios remotos, como internet/e-commerce (11%) e mídias sociais (6%), ficando à frente apenas dos supermercados (2%).

O presidente da CDL-Manaus considera que o desempenho do varejo no Dia dos Pais pode ser interpretado como um termômetro para o setor, no curto prazo, mantidas as atuais condições sanitárias e econômicas. “Como eu disse, temos tudo para dizer que o ano começou em agosto. O primeiro trimestre, que foi muito ruim. O segundo trimestre melhorou, mas ainda ficamos com o primeiro semestre no negativo. Mas, acredito que é possível que a gente consiga reverter tudo isso no segundo semestre, fechando um ano muito bom. Basta não termos burocracias ou invenções dos governos federal, estadual e municipal”, frisou Ralph Assayag. 

Variante delta

O presidente da FCDL-AM (Federação das Câmaras de Dirigentes lojistas do Estado do Amazonas), Ezra Azury, disse à reportagem do Jornal do Commercio que já era possível perceber, na própria antevéspera da data comemorativa, que as vendas ficariam acima das estimativas iniciais. Especialmente nos shoppings e com uma sinalização de ticket médio mais forte do que o registrado no ano passado. O dirigente manifesta dúvidas, contudo, sobre o desempenho das vendas do setor, no curto prazo.

“Pela movimentação daquele final de semana, já havia uma sinalização de que as pessoas queriam presentear no Dia dos Pais, e que teríamos números mais fortes. Quanto às expectativas, setembro é um mês fraco e tudo indica que teremos as mesmas restrições sanitárias do ano passado para promover a Semana do Brasil. As lojas podem até fazer decorações com balões e verde e amarelo, mas dificilmente será liberada a possibilidade de promoções, para evitar a possibilidade de aglomerações. Ainda mais com essa variante delta. O governo estadual não quer correr riscos, e o comércio também não”, finalizou. 

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email