4 de dezembro de 2021

Profissões tradicionais necessitam de renovação

Reduzir custos e enxugar o quadro de funcionários foram estratégias usadas por empresas de todos os portes em 2016. A crise, causadora do fenômeno, também impulsionou a criação de profissões por demanda e o ‘fazer mais com menos’ tornou-se comum, com isso, profissionais versáteis estiveram entre os mais procurados pelos recrutadores. Em contrapartida, as tradicionais, como as ligadas a construção civil e ofícios manuais vêm apresentando sinais de escassez, assim como as que um dia tiveram status de emergentes no Amazonas, como óleo e gás, tornando difícil o preenchimento dessas vagas.

Tradicionais ainda renovando
Segundo o economista da Fecomércio-Am (Federação de Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas), José Fernando Pereira, existe uma escassez de profissionais qualificados nestas áreas mais tradicionais, principalmente no setor de serviços. “Excetuando áreas como a de educação, saúde e hotelaria, por exemplo, poucas têm se renovado e reciclado, o que dificulta novas contratações já que as empresas estão cada vez mais buscando profissionais versáteis”, conclui.

O setor de serviços, um dos que mais contribuía para a geração de empregos no Amazonas, em julho teve uma redução de 1.149 postos de trabalho (segundo o Caged -Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). De acordo com José Fernando Pereira, este é um dos setores que mais demora a se recuperar, devido a dependência de outros setores. “Fatores macroeconômicos afetam diretamente o setor, causando demissões entre profissionais de limpeza, da construção civil e hotelaria”, afirma.

Em Manaus, a Semtrad (Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Desenvolvimento), que conta com 71 empresas parceiras do setor de serviços, já corre para mitigar os danos, comenta a titular da secretaria, Ananda Carvalho. “A Semtrad está realizando ações para reduzir os impactos da crise econômica nacional, que gerou também o desemprego local desde o ano passado. Nossos esforços têm se voltado para o aumento da conversão dos trabalhadores cadastrados no Sine Manaus (Sistema Nacional de Emprego), ao mercado com ações de qualificação em parceria com Sistema ‘S’ e aumento da captação de vagas no setor privado, numa parceria público-privada”, disse a secretária.

Formação para novos
A formação do capital de base tecnológica no INDT (Instituto de Desenvolvimento Tecnológico) vem garantindo a contratação de egressos do instituto, afirma a gerente de RH, Vanessa Milon. “Ao longo de toda sua existência o INDT, fez um investimento grande na formação de seus funcionários efetivos, bem como desenvolveu programas que possibilitassem a formação de capital intelectual local o que proporcionou a preparação da mão de obra da região”, disse a gerente.

Outra iniciativa que merece destaque é o Programa de Estágio do INDT, que formou mais de 250 jovens. “Estes se tornaram profissionais muito bem colocados no mercado de trabalho. São profissionais valorizados, com possibilidades de disputarem vagas de trabalho em qualquer região do Brasil, bem como são assediados por empresas do exterior”, afirma a gerente.

Carreiras em crescimento
Ser trainee é uma das novas modalidades que melhor paga, mas que exige melhor preparação, conta o executivo e conferencista Max Gehringer. “Ser trainee é como ser um funcionário, é ser mais que estagiário e te dá a oportunidade de ser remunerado e passar por vários setores da empresa, mostrando que merece a confiança depositada. Mas não é o fim, é necessário aprimoramento, a escada da hierarquia tem degraus muito largos,” afirma Gehringer. Para um trainee, a remuneração mensal pode chegar a R$ 8.000 mil, sendo a média salarial de um trainee no Brasil, R$3,2 mil, de acordo com a comunidade de carreiras Love Mondays.

Carreiras que estarão em alta até 2020

Uma pesquisa da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) ouviu mais de 400 empresas, representando mais de 2,2 milhões de empregados, entrevistando profissionais de Recursos Humanos e do setor operacional para saber quais profissionais continuarão a ser contratados nos próximos anos. A pesquisa foi dividida nas áreas de Gestão e de Produção.

As profissões listadas foram: Supervisores de Produção em Indústrias de transformação de plástico; Engenheiros de Petróleo; Técnicos em Sistemas de Informação; Trabalhadores de tratamento de superfícies de metais e de compósitos; Engenheiros de mobilidade; Técnicos em mecatrônica; Biotecnologistas; Engenheiros ambientais e sanitários e Desenhistas técnicos em eletricidade, eletrônica e eletromecânica.

Dentre as melhores profissões constatou-se que cinco delas são de nível superior (Engenheiros de Petróleo, Técnicos em Sistemas de Informação, Engenheiros de mobilidade, Biotecnologistas, Engenheiros ambientais e Sanitários), duas delas são de nível médio/técnico (Técnicos em Mecatrônica e Desenhistas Técnicos em Eletricidade, Eletrônica e Eletromecânica) e duas delas são para profissionais com nível básico (Supervisores de Produção em Indústrias de transformação de plástico, Trabalhadores de tratamento de superfícies de metais e de compósitos).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email