27 de maio de 2022

Princesa Isabel assinou a Lei Áurea

Comemora-se mais um 13 de maio. Libertação dos escravos. Isabel, a redentora, tem gerado debates acalorados entre os historiadores. Alguns acusam a princesa por não ter sido mais incisiva e enérgica contra a escravidão. Para a historiadora Mary del Priore, Isabel era “uma aristocrata sem interesse na política e desconectada da causa abolicionista.” Pessoalmente não concordo. Foi ela a responsável por assinar as leis do Ventre Livre e a Lei  Áurea, em 1871 e 1888,  respectivamente.

 Primeira senadora brasileira e primeira mulher a assumir uma Chefia de Estado no nosso país. Penso que de fato, era abolicionista. Há registros de que financiava com dinheiro próprio não só a alforria de dezenas de escravos, mas também o Quilombo do Leblon, que cultivava camélias brancas – a flor-símbolo da abolição.

É claro que a abolição não foi só um ato consciente da princesa. Houve pressão internacional, principalmente da Inglaterra. Nisso todos os historiadores concordam. É também inquestionável que o regime escravocrata era a base da economia nos tempos do Império. E seu fim foi uma das causas da Proclamação da República. O Brasil recebia mão-de-obra da Europa e um novo sistema capitalista estava em implantação. Esse processo de emancipação dos escravos, segundo a unanimidade de historiadores, já vinha ocorrendo desde 1850.

O fato é que o 13 de maio já  foi mais efusivamente comemorado.  Contudo, sofreu mudanças naquilo que a data simboliza. Afinal a libertação ocorreu pela caneta, digo pena, de uma princesa, branca e aristocrata. O que parece não ser motivo de muito orgulho por parte de muitos dos cidadãos brasileiros negros.

Um maitre  de um restaurante cinco estrelas paulista relatou nas redes sociais que poucos negros frequentam o local.  O certo é que não há atualmente nenhum ministro do Supremo negro. Somente um dos generais de 4 estrelas é negro. Apenas  quatro senadores homens  se autodeclararam negros. No atual ministério também não há negros.  

Nenhum arcebispo. No Brasil 56% da população se declara negra, segundo o IBGE. A CNBB estima que apenas 3% dos padres sejam negros. Conheci um padre negro. Ele me disse que Redentor foi Jesus Cristo, que redimiu a humanidade. Isabel não deveria ser chamada de redentora. Os negros do Brasil padecem  de um racismo estrutural e injusto. O padre me disse que os negros ainda esperam pela sua efetiva redenção. E reza por isso. Para ele, Isabel fez a sua parte como Princesa Regente: assinou a Lei Áurea. E só.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email