peixes ainda são o principal alimento dos manauaras

A última vez que Manaus passou por uma situação de crise, o mundo também passava, como agora. Foi durante a Segunda Guerra Mundial (1939/1945).

“As pessoas faziam fila para comprar comida, carne, açúcar, sal, trigo. Ainda hoje não produzimos nada disso, mas naquela época foi mil vezes pior porque não havia estradas ou aviões e os barcos e navios, únicos a nos abastecer de alimentos, estavam com o combustível racionado”, lembrou o historiador Antonio Loureiro.

“Quase todo mundo criava galinhas no quintal, porém, ninguém as produzia em grande escala, logo, não se podia contar com esse alimento sempre. O que nos ajudou bastante foram os peixes, naquela época bem mais abundantes”, disse.

E agora novamente os peixes voltam à cena, trazidos de vários rios do Amazonas, além dos que são produzidos em criatórios na Região Metropolitana de Manaus.

Com a aproximação da Semana Santa e a Sexta Feira Santa, dia 10, quando os fiéis católicos buscam o peixe como alimento, peixes não faltarão na mesa dos amazonenses.

Para facilitar o acesso das pessoas aos feirantes e empresas que comercializam pescados, a ADS (Agência de Desenvolvimento Sustentável) disponibilizou em seu site (www.ads.am.gov.br) a lista dos piscicultores participantes das Feiras de Produtos Regionais, que acontecem diariamente na cidade, agora suspensas. Os pedidos são para pronta-entrega e delivery, somente na capital.

Outra medida, executada em conjunto com o Sistema Sepror, é a aquisição de aproximadamente 70 toneladas de pescado regional, entre eles tambaqui, pirarucu e matrinxã, que serão doadas para abrigos, organizações da sociedade civil, hospitais, e instituições cadastradas na Sejusc (Secretaria Estadual de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania), Seas (Secretaria de Estado de Assistência Social) e FPS (Fundo de Promoção Social).

Comemorando boas vendas

O Jornal do Commercio entrou em contato com alguns dos produtores listados e os entrevistados afirmaram que, mesmo em tempo de crise, estão vendendo muito bem. Um deles, inclusive, Adivaldo Menezes, que tem um sítio na AM 010, Manaus/Itacoatiara, e produz tambaqui, matrinxã, pirarucu fresco e curumim, sardinha e pacu, pediu que não divulgássemos seu telefone de contato porque não está dando conta de atender aos pedidos que estão chegando. Outros, com estrutura maior, ao contrário, também estão vendendo bem e aceitando pedidos.

Wanderson da Silva tem seu sítio em Manacapuru e cria somente pirarucus, entregando-os já tratados.

“Atendemos ao cliente do jeito que ele solicitar. Temos filé de pirarucu, filé de pirarucu seco e ventrecha de pirarucu. É só pedir e ir pegar no mercadão (Adolpho Lisboa). Estamos diariamente lá, das 7h às 13h”, informou.

Outros dois entrevistados trazem seus pescados de municípios distintos, Careiro e Novo Airão, mas o ponto de venda é o mesmo, na Torquato Tapajós, onde acontece o Feirão da Sepror e era realizada a Expoagro.

“Trazemos tambaqui e matrinxã lá da comunidade Jatuarana, no Careiro, ‘pescados lá pra dentro’. Entregamos para o cliente os peixes sem espinhas. Estamos todos os dias aqui na feira, das 7h às 13h”, avisou Manoel Gomes.

Alain Pinheiro da Costa tem até camarão e piracuí de bodó. Sua produção vem da fazenda Água Viva, no km 42 da estrada de Novo Airão.

“Nosso pirarucu, tambaqui curumim e matrinxã são de manejo, mas também recebemos tambaqui de Boa Vista e Porto Velho. O camarão vem do Pará. Até a Semana Santa estaremos diariamente aqui no Feirão da Sepror, das 6h às 20h”, garantiu.

Por dentro

A seguir, a lista dos piscicultores com serviços de delivery. Os clientes podem efetuar o pagamento por meio de cartão de crédito, débito, transferência bancária ou dinheiro.

Suzy Pinheiro

Produtos: Tambaqui e matrinxã sem espinhas

Contato: 9 9189-6442

Regional Casa do Peixe (Guth)

Produtos: Filé de pirarucu fresco, ventrecha de pirarucu do tipo convencional e mista, carcaça de pirarucu, pirarucu seco filé, enrolado de pirarucu, miúdo de pirarucu seco, cabeça de pirarucu, filé de pescada, pescada in natura, filé de aruanã, sardinha na bandeja com seis unidades, surubim em posta, pacu na bandeja com três ou quatro unidades e filé de tucunaré

Contato: 9 9147-0109

Frigorífico JB Serpa

Produtos: Sardinha, pacu, picadinho de tambaqui, pirarucu fresco, filé de dourado, filé de surubim, filé de pescada, filé de aruanã e filé de pirarucu, tambaqui e matrinxã sem espinhas

Contato: 9 9262-8470

Wanderson da Silva

Produtos: Filé de pirarucu, filé de pirarucu seco, ventrecha de pirarucu

Contato: 9 9308-3862

Fazenda Bicho do Rio

Produtos: Tambaqui e matrinxã, sem espinhas, tartaruga e tambaqui curumim tratados

Contato: 9 84265497 / 9 9173-8580 (whatsapp) 

Manoel Gomes

Produtos: Tambaqui e matrinxã sem espinhas

Contatos: 9 9330-3042 / 9 93123278

Alain Pinheiro da Costa

Produtos: Pirarucu fresco, pirarucu seco, tambaqui sem espinhas, tambaqui curumim, matrinxã sem espinhas, camarão regional médio e piracuí de bodó

Contato: 9 9325-1270 / 9 9237 5880

Sítio São Sebastião

Produtos: Tambaqui e matrinxã sem espinhas, tambaqui curumim tratado, filé de pirarucu fresco e ventrecha de pirarucu fresco

Contato: 9 82582244

Manaus Peixe

Produtos: Tambaqui sem espinhas, picadinho de tambaqui, costela e lombo sem espinhas, lombo de pirarucu, pirarucu em cubos, picadinho de pirarucu, pirarucu salgado, filé de aruanã, tucunaré em posta, filé de tucunaré

Contato: 9 9218-9699 / 3213-9946 / 9 9445-1300 (whatsapp)

Companhia do Peixe

Produtos: Tambaqui de rio sem espinhas, pirarucu fresco, pirarucu seco, matrinxã sem espinhas, tucunaré e pescada

Contato: 9 9107-7602 / 9 9107-3339

Fonte: Evaldo Ferreira

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email