10 de abril de 2021

Pedidos de falência para micro e pequenas empresas recuam 26,8% em abril

O Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações registrou queda de 26,8% nas falências requeridas para micro e pequenas empresas, de 123 (março) para 90 (abril)

O Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações registrou queda de 26,8% nas falências requeridas para micro e pequenas empresas, de 123 (março) para 90 (abril). O recuo também foi observado entre as médias empresas (9,1%, de 44 para 40) e nas grandes (42,8%, de 28 para 16). No total, houve redução de 25,1% nos requerimentos de falência, de 195 registros em março para 146 em abril.
Em relação às falências decretadas, a comparação mensal entre abril e março de 2010 mostra alta de 7,1% concentrada entre as pequenas empresas, já que as médias e grandes mantiveram os patamares de março.
Quando se comparam os quadrimestres com o mesmo período do ano passado, o número de falências requeridas cai 8,7%. As médias empresas se destacam, com 14,4% de queda no período.
O número de falências decretadas, na comparação quadrimestral, caiu 1,9%, com queda de 3,8% entre micro e pequenas, (de 235 para 226), e de 66,7% entre as grandes, (de 9 para 3). As médias empresas tiveram alta de 66,7% neste primeiro quadrimestre (de 15 para 25 registros).
Com algumas exceções, decorrentes das dificuldades das empresas exportadoras, os indicadores de insolvência das empresas apresentam quedas, tanto na comparação mensal quanto na quadrimestral.
Na análise dos economistas da Serasa Experian, as variações mensais foram influenciadas pela evolução da atividade econômica e pelo menor número de dias úteis, 20 em abril e 23 em março. “O crescimento das receitas tem facilitado a administração do fluxo de caixa das empresas, mesmo em um ambiente de crédito ainda não normalizado para os negócios”, avaliou a organização, por meio de texto distribuído por sua assessoria de imprensa.
Na comparação do primeiro quadrimestre 2010/2009, os recuos são justificados, prosseguem os economistas, por duas conjunturas econômicas distintas. Nos primeiros quatro meses de 2010, o país registra altas taxas de crescimento, enquanto no mesmo período de 2009, havia recessão, com baixa oferta de crédito e elevada inadimplência das empresas.

Condições financeiras

A perspectiva, segundo a Serasa, é que os indicadores de falências e recuperações continuem em queda, por conta das melhores condições financeiras das empresas e pela recuperação, mesmo que lenta, do crédito à iniciativa privada.
“Com a elevação da Selic, definida no final de abril, e a perspectiva de novas altas, inicia-se um ciclo de aperto monetário, o qual colocará a economia num ritmo de crescimento anual de 5%, o que é ainda favorável. Assim, tal ciclo não deverá incrementar os indicadores de insolvência corporativa”, finalizou.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email