Motoristas levam dois meses para receber CNH

A expedição de CNH (Carteira Nacional de Habilitação) demora hoje pelo menos 60 dias no Amazonas. Mesmo considerados aptos em todos os exames, alguns usuários reclamam que só vão receber o documento daqui a dois meses, a partir de setembro. Uma espera tão longa que exige muita paciência de quem tem necessidade de se habilitar pela primeira vez ou renovar a documentação.

O tempo que se leva hoje para ter CNH pegou muitas pessoas de surpresa no Estado. A culpa é da pandemia? Este é o principal questionamento. Antes da crise na saúde, o Detran-AM (Departamento de Trânsito do Amazonas) era visto por parte da população como um ‘modelo’ de atendimento online que tornava mais céleres os serviços. 

O agendamento eletrônico eliminou filas, evitando o congestionamento do sistema. O trabalho fluía praticamente sem problemas. A inovação tecnológica melhorou o atendimento. Mais organizado, o órgão não tinha tantos motivos para ser alvo de reclamações por parte do público. 

Agora, o cenário mudou. Na avaliação de especialistas, a pandemia do novo coronavírus demonstra o quanto a rede de serviços essenciais no Amazonas ainda é desprovida de uma infraestrutura digital que atenda satisfatoriamente às necessidades da população. Principalmente nesta época atípica, quando a principal demanda é a adoção de medidas preventivas contra a Covid-19. E evitar aglomerações tornou-se uma necessidade imperiosa. 

“Mostra o ponto nevrálgico de um sistema online que não tem as mínimas condições de atender a uma demanda tão grande como agora. A pandemia trouxe à tona toda essa precariedade na rede digital do Amazonas. É muito frágil e falha”, ressalta o economista e consultor Ailson Rezende.

Em geral, a fragilidade, a inoperância, estão praticamente em todos os setores. As concessionárias Amazonas Energia, Águas de Manaus e até o próprio Procon-AM (Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Consumidor no Amazonas) enfrentam o mesmo problema. E são alvo constantes de reclamações. E agora, mais recentemente, o Detran-AM, que passa a engrossar a lista de “maus serviços” – que é o bordão usado por clientes insatisfeitos com a precariedade nos atendimentos.

“Um absurdo. Você paga as taxas, passa em todos os exames. Está apto. E depois o sistema informa que a nova carteira só virá daqui a 60 dias, dois meses”, protesta o advogado Alfredo Andrade, 75, que fez a renovação da CNH pelo atendimento online do Detran-AM.  

Para o advogado, o órgão deveria pelo menos informar ao público sobre o que está acontecendo com o sistema. Já que antes o atendimento eletrônico era rápido, não havia filas. E chegou a eliminar, inclusive, a velha e ‘irritante’ burocracia brasileira nos serviços prestados à população. 

“A gente fica no vácuo, sem saber o que fazer. Não demora e vamos precisar de quatro meses para receber a CNH”, acrescenta o advogado. “Não se tem contato verbal. Ficamos refém de um sistema inoperante. É um despautério”, afirma.

Segundo a assessoria de imprensa do Detran-AM, “o órgão teve uma redução de aproximadamente 50% na sua capacidade de atendimento” por conta das medidas de prevenção à Covid-19, o que reflete hoje na longa espera observada na entrega de documentos, “seja de CNH, de veículos, e de todos os serviços”.

Ainda segundo a assessoria, o Detran-AM contabilizou mais de 55 mil downloads do CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento Veicular) digital em junho. Em comparação ao mês de maio, foi registrado um aumento de 41% na demanda pelo documento impresso em papel comum, “um indicativo de que cada vez mais as pessoas estão migrando para o serviço digital”.

O diretor-presidente do Detran-AM, Rodrigo de Sá Barbosa, ressalta a facilidade proporcionada pelo atendimento digital. “Muitas pessoas já perceberam a comodidade de fazer uso desses serviços digitais disponibilizados pelo Detran. E, nesse momento em que nossas vagas de agendamento estão reduzidas por conta do distanciamento necessário entre os atendimentos presenciais, é fundamental que as pessoas que precisam apenas licenciar seu veículo ou mesmo necessitam de uma segunda via do CRLV, o antigo DUAL, lance mão dos nossos portais de serviço Pessoa Física e Pessoa Jurídica”, disse ele.

Só de fevereiro a junho deste ano, a Amazonas Energia acumulou quase 700 denúncias de usuários por irregularidades. E lidera o ranking. A Águas de Manaus, que ainda mantém suspenso o atendimento presencial, adotou o atendimento ‘porta a porta’. Os funcionários vão de casa em casa renegociar dívidas e fazer outras demandas. 

Durante a pandemia, o Procon-AM registrou pelo menos 1.500 denúncias por semana de usuários insatisfeitos com serviços, a maioria contra a Amazonas Energia e a Águas de Manaus. Mas há quatro dias teve que suspender o atendimento pelo telefone por furto de cabos do sistema.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email