Não é difícil compreender o que está por trás das festas juninas. Aliás, o espírito da festa está no DNA do povo e quanto mais simples e ainda mantiver o jeito de viver comunitário, mais gosta de festa, de toda e qualquer festa.

A realidade social e política do nosso país não nos convida à festa. Ao contrário, as perspectivas são cada dia mais difíceis. 

Como expressa um dos mais belos e antigos cânticos litúrgicos da Páscoa: “A vida e a morte se batem em um duelo estranho. O rei da vida, morto, reina vivo”.

O cântico pascal dizia isso de Jesus ressuscitado na clássica canção Pesadelo, Maurício Tapajós e Paulo César Pinheiro zombavam dos torturadores, cantando: “Você me prende vivo, eu escapo morto. De repente, olha eu de novo”.

Toda festa, qualquer uma, tem esse sabor de ressurreição. O espírito de festa do povo se mantém, resiste e quase sempre acaba se sobrepondo.

E tem de ser assim porque originalmente na natureza, essas festas juninas são marcadas pelo solstício do inverno (o sol que ressuscita e recomeça a nos dar dias mais longos e luminosos).

E no Cristianismo, o nascimento de São João Batista significa um solstício dentro do coração da gente: ele anuncia o nascimento do Sol da Justiça que é o Cristo.

Quando anunciou ao pai Zacarias o nascimento do seu filho (João), o anjo previu: “Por seu nascimento, muitos haverão de se alegrar”.

É a alegria messiânica, uma alegria meio louca e radical, mesmo no meio das dores da vida, a alegria que antecipa a vitória da salvação, ou seja, da libertação definitiva e revolucionária da vida e do universo.

Essa subversão divina é profetizada por dois sinais familiares que parecem milagres e o são em um mundo onde nada é gratuito.

Deus faz a mulher estéril dar à luz e assim iniciar o tempo novo da salvação. Deus faz o mudo falar e profetizar o novo tempo que surge com esse nascimento. Ao dar a luz a João (o nome significa Deus acha graça na gente e nos dá a sua graça), Isabel abre o mundo ao Novo Testamento.

Que Deus abra o útero envelhecido, meio endurecido de nossos corações quando parecemos estéreis e nos faça parir o mundo novo do qual tanto precisamos. Solte nossa língua presa a tantas convenções para dizer: o novo chegou. Somos todos e todas, profetas e profetizas dessa alegria messiânica.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email