Fiocruz investiga variante de Covid-19 que atinge ‘veneza peruana’

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) Amazônia investiga a variante do coronavírus que atinge a cidade de Islândia, a ‘veneza peruana’, na região da tríplice fronteira, no Alto Solimões (Amazonas). Pelo menos 82 casos já foram registrados na cidade, ameaçando a população dos municípios vizinhos de Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte, no lado brasileiro da divisa, e ainda Letícia, na Colômbia.

As cidades que fazem fronteira estão distantes mais de 1.100 quilômetros de Manaus. Lá, as condições de saúde são precárias, mas agentes da SES-AM (Secretaria de Estado de Saúde) e da FGVS-AM (Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas) foram deslocados para a região, onde dão suporte à campanha de vacinação contra a Covid-19 e ainda no atendimento aos doentes.

Segundo a diretora da Fiocruz Amazônia, Adele Benzaken, técnicos coletam informações para pesquisa de variantes no Alto Solimões. “Temos essa ameaça do surto, então sabemos que se tem essa ameaça, essa variante pode entrar pela fronteira e, por isso, é importante esse trabalho de prevenção”, disse a pesquisadora.

Temendo a disseminação do surto em Islândia, as prefeituras de Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte fizeram uma barreira sanitária na região. Qualquer visitante estrangeiro e até mesmo brasileiro que venha de outra localidade só entra depois de ser submetido a testes para diagnóstico de Covid-19.

De acordo com o prefeito de Tabatinga, Plínio Cruz (Republicanos), os trabalhos da Fiocruz desenvolvidos no município serão de suma importância para proteger a população de um possível novo surto.

“Estamos trabalhando na prevenção. A chegada da equipe da Fiocruz veio em um momento muito oportuno para saber se há variantes circulando no nosso município e quais são essas variantes. Só assim vamos proteger nossa população e traçar novas estratégias para combater essas infecções”, disse ele.

Serão coletados, ainda, exames de todas as pessoas que desejarem ser testadas, sejam brasileiros, peruanos ou colombianos. Caso um brasileiro teste positivo, ele será encaminhado para UPA em Tabatinga e o tratamento será feito pela FVS, sob orientação da Fiocruz Amazônia.

Disseminação

Na sexta-feira (13), o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse que o Estado ainda não registrou nenhum caso da variante Lambda, originária do Peru e que vem preocupando as autoridades sanitárias de Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte.

No início do mês, o governo chegou a mandar uma equipe de profissionais da saúde para a região para realizar ações de prevenção contra a Covid-19. A medida ocorre depois que o Estado peruano de Loreto emitiu alerta de uma possível terceira onda da doença, com a circulação de novas variantes.

“Temos uma situação que a gente está atento, que é o episódio que ocorreu no Peru, mas ainda não temos nenhum caso registrado no lado daqui, seja em Tabatinga, Atalaia do Norte ou Benjamim Constant. É uma situação que está sob controle. É claro que estamos preocupados, mas atentos”, afirmou.

Ainda em julho, a própria FVS-AM emitiu um alerta de risco para a Covid, após receber a notificação de um surto de infecções em Islândia, no Peru, que fica na região de fronteira do Alto Solimões, com o município de Benjamin Constant.

Wilson Lima também falou que estuda medidas para estimular a segunda dose de vacina contra a Covid-19 no Estado. Dados do Consórcio de Imprensa, que monitora a vacinação em todo o País, mostram que o Amazonas tem apenas 18% da população totalmente imunizada contra o coronavírus.

“A gente ainda tem uma resistência por parte de algumas pessoas de irem tomar a segunda dose. Mas é algo que a gente tem estudado, quais estratégias que vamos adotar para incentivar essas pessoas a voltar para concluir a vacinação. Eu não tenho a menor dúvida que a vacina é a nossa melhor arma contra a Covid e a queda nas internações já é um resultado disso”, comentou o governador.

Ele fez um apelo para que as pessoas que tomaram a primeira dose e estão no prazo de receber a segunda, procurem o serviço imediatamente. “Eu faço um apelo para as pessoas irem aos postos de vacinação e tomar a segunda dose”, pediu Wilson Lima.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email