6 de dezembro de 2021

Famosas áreas de convivência da Zona Sul de Manaus

Na zona Sul de Manaus, a população conta com diversos espaços públicos, entre praças, parques, campos e quadras. Alguns são bastante populares e atraem muitas pessoas para passeios com a família e para práticas esportivas, principalmente, nos finais de semana. 

Entre as mais procuradas para o lazer estão as praças tradicionais localizadas no Centro de Manaus: Parque Jefferson Péres, na avenida Lourenço Braga; Praça 5 de Setembro (Saudade); Praça Heliodoro Balbi (Polícia); e o mais popular, o Largo de São Sebastião. 

O Teatro Amazonas e a Casa das Artes, ambos situados no Largo de São Sebastião, reabriram para visitação do público, dando aos amazonenses e aos turistas uma bela oportunidade de conhecer um pouco da cultura e da história da região Amazônica. 

Teatro, no Largo de São Sebastião, reabriu para visitação do público – Foto: Divulgação

A Casa das Artes está ainda mais especial. O espaço ganhou um mural em homenagem a Zezinho Corrêa, ícone da música amazonense, falecido vítima de Covid-19 no início deste ano. O público pode visitar o local de terça a domingo, das 15h às 20h.  

“Temos desde uma do fotógrafo Michael Dantas, sobre as apresentações dos Corpos Artísticos do Estado em apresentações no Teatro Amazonas, até o grafiteiro ‘Tial’ apresentando um personagem que está nos muros de Manaus, mantendo, como sempre, linguagens diversas para o público visitar no espaço”, revelou o secretário de Cultura do Amazonas, Marcos Apolo. 

Lazer nos Bairros 

Fora do Centro Histórico de Manaus, a população também pode usufruir de espaços dedicados ao esporte e ao lazer de forma gratuita. A prefeitura mantém praças e parques abertos aos comunitários. Muitos desses espaços são administrados e preservados por iniciativas da própria comunidade. 

No bairro Petrópolis, a Praça Raimundo Vinhote, situada no cruzamento das ruas Náutico e Anderson de Menezes, faz a alegria das crianças da comunidade e de seus pais, que conseguem distrair os pequenos em brinquedos infláveis a preços populares. Os empreendimentos mantidos no local são dos próprios moradores que utilizam o espaço para ter uma renda.  

A praça também é o lugar certo para quem gosta de praticar zumba e caminhada. Um grupo de moradores conduz os ‘aulões’ de aeróbica e ritmos, que são praticados pelo menos quatro vezes na semana. As aulas atraem um público fiel que busca qualidade de vida. 

Já os moradores do bairro Santa Luzia destacaram que a localidade é bem servida de espaços de lazer e esporte, que também recebem frequentadores das áreas adjacentes como bairros Educandos, Morro da Liberdade, Educandos, Colônia Oliveira Machado e Betânia. 

Apesar da quantidade de ambientes destinados ao lazer da população manauara, uma reclamação frequente entre os moradores é o abandono. A falta de projetos sociais e esportivos para atrair a população e ocupar os espaços com atividades saudáveis acaba permitindo que esses lugares sejam tomados por grupos de pessoas mal-intencionadas.  

Caso semelhante é da quadra do CDC de Santa Luzia.  Sem uso dos moradores e do Poder Público, o espaço virou abrigo de usuários de drogas. A situação de abandono só mudou quando um projeto de funcional ocupou o espaço. O esporte deu uma nova cara para a quadra e hoje proporciona qualidade de vida para muitas pessoas.  

Bem-estar é no CDC de Santa Luzia – Foto: Divulgação

A falta de atividades coordenadas pelo poder público dentro dos bairros é uma reclamação frequente em toda zona Sul. Coordenador de um projeto social em Petrópolis, Sámeq Protetor, 26, reforça a ideia de que a prefeitura precisa dar assistência aos comunitários que têm ou que desejam realizar projetos sociais. 

“Precisamos de mais projetos sociais, pois o nosso bairro está esquecido pelo  poder público. Temos a praça de Petrópolis, um espaço muito bom para planejarmos diversas atividades, porém é um espaço esquecido. Também temos alguns campos de futebol que precisam de mais práticas esportivas. Precisamos dos nossos jovens no esporte”, ressaltou. 

Quando não se tem atividades dentro da própria comunidade, os moradores precisam buscar qualidade de vida fora de seus bairros. É o caso da Maria Lira Ribeiro, 56, moradora do bairro Ouro Verde, na zona Leste, que frequenta o Centro de Convivência do Idoso da Aparecida. O Ceci Aparecida é aberto para toda população de Manaus.

Maria Lira Ribeiro, 56, moradora do bairro Ouro Verde, na zona Leste – Foto: Divulgação

Ela relata que o período de pandemia foi muito difícil para ela, que é acostumada a ter uma vida bastante ativa, e agradece por ter um Centro dedicado a melhor idade. Ela frequenta o espaço há 6 anos.  

“Aqui é nossa segunda casa. Eu já fiz várias atividades, hoje só podemos escolher duas por causa da crise que estamos vivendo, mas eu fiz violão, dança de salão, hidroginástica e hoje estou no artesanato e dança livre, pela Funati, e faço pilates pela Seas. Eu me sinto muito bem, acordo cedo, faço minha marmita, trago meu cafezinho, um biscoitinho e venho com maior prazer”, disse.  

Foto/Destaque: Divulgação
Reportagem de Rita Ferreira

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email