Expectativa de empregos em alta na construção civil neste ano

A confiança do empresário para novos investimentos e a inflação controlada na economia trazem expectativas de novos postos de trabalho no setor da construção civil do Amazonas. Para representantes de classe no estado, a previsão é que em 2020 ocorra a geração de 6 mil novos postos de trabalho. Após um 2019 de retomada positiva e um crescimento de 2% em relação ao ano anterior, para este ano a previsão é que o setor cresça 3%. Os dados são do CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção).

De acordo com CBIC, o otimismo também é reflexo do aumento da confiança do consumidor com o desempenho da economia e os juros baixos. Para o presidente do Sinduscon-AM (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas), Frank Souza, a expectativa de expansão da atividade a nível nacional traz ares positivos para um bom desempenho de novas contratações do setor no estado.

“Há uma expectativa com os dados nacionais, que aqui no Amazonas os números dos formais cheguem a 6 mil empregos entre admissões e demissões. Até o final de 2020, a previsão é que esses números dobrem por conta de todos os investimento que devem haver pelas obras imobiliárias e pelas obras públicas”, destacou.

Frank citou também, a agilidade da atual gestão da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus) na contratação de novos projetos e aprovação de PPBs (Processos Produtivos Básicos)  como um fator positivo para o bom desempenho do setor. A atuação da autarquia em desburocratizar de forma rápida os processos para atividade fabril, tem atraído e estimulado empresas a investirem em novas instalações no PIM (Polo Industrial de Manaus). 

"Esse bom momento exige contratações de novos projetos para instalações dessas indústrias, e a expectativa é a geração de novos negócios no polo industrial de Manaus. Só em 2019, o setor imobiliário aumentou em até 50% os lançamentos em relação a 2018. E se nós tivermos em 2020, o dobro do ano passado, isso vai implicar um crescimento a mais para o setor da construção civil. A Suframa tem se mostrado um bom aliado em relação a isso. Além disso, com os financiamentos mais barato cria-se um cenário para a geração de mais empregos", disse.

Em relação a geração de emprego no ano de 2019, Frank destacou que no emprego formal, foram 3.300 contratações no saldo final, entre admissões e demissões. “Pelos dados do Ibge (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nós tivemos 90 mil contratado pela indústria da construção, sendo os trabalhadores informais. inclusive mão de obra de menor aprendiz e tudo o que está dentro da cadeia da construção civil”, ressaltou. Para o presidente do CBIC, José Carlos Martins, os números de vagas podem até aumentar, caso o mercado imobiliário continue surpreendendo com novos lançamentos.

Desempenho em 2019

Ano passado especialistas previam que o setor seria um motor de crescimento para a economia em 2020. Segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), o setor foi responsável pela geração de 10% dos novos postos de trabalho com carteira assinada. Foram 948 mil empregos ano passado. Os dados de 2019 da Cbic, destacaram que o setor criou cerca de 117 mil novos postos de trabalho.

Outro fator que contribuiu com a boa recuperação do setor foi o menor patamar histórico da Selic (taxa básica de juros). Segundo a Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras  Imobiliárias), a queda dos juros permitiu a inclusão de milhares de pessoas no sistema de crédito.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email