7 de maio de 2021

De acordo com a Organização Mundial do Turismo, até 2019 o turismo rural crescia a uma taxa de 6% ao ano, o que pode aumentar ainda mais a partir de 2020, como resultado da pandemia, pois no turismo rural as pessoas ficam um tempo maior ao ar livre, em contato direto com a natureza. Foi de olho nesse crescimento que o casal de empresários Edney e Jordana Ricardo resolveu ampliar os investimentos no seu empreendimento, a Fazenda Santa Rosa, localizada no ramal do Caldeirão, em Iranduba, a 18 km de Manaus.

Com um terreno de 117 hectares, a fazenda é referência regional na produção de cítricos, destaque para o laranjal, a maior área plantada (30 hectares), além dos limões, tangerinas, goiabas, acerolas, abacaxis, cocos, mamões, entre outros frutos, e a criação de peixes, que abastecem feiras, mercados, supermercados e hotéis de Manaus. Agregando valor ao empreendimento, desde 2018 a Santa Rosa expandiu os negócios para o turismo rural e a educação agroecológica, neste caso, recebendo a visita de alunos de várias escolas de Iranduba, Manaus, e até de outros municípios, num verdadeiro dia de campo, quando os visitantes, em passeio pela fazenda, mantém contato direto com os animais e as plantações.

Com um terreno de 117 hectares, a fazenda é referência regional na produção de cítricos

Na sexta-feira, 18, o casal inaugurou o restaurante do empreendimento, um amplo espaço com ar condicionado e capacidade para 600 pessoas sentadas. Com cardápio regional, a matéria prima dos pratos é praticamente toda produzida na fazenda, bem como os sucos preparados com frutos colhidos no dia.

Frutos da fazenda fazem parte do cardápio do restaurante

“Trata-se de um ganho para o turismo amazônico e o município de Iranduba, sem falar que estamos abrindo as portas para as pessoas verem de onde vem a comida que consomem”, falou Jordana.

“E tudo isso foi conquistado com muito trabalho e suor e será um legado nosso para Iranduba e o Amazonas”, completou Edney.

Visita internacional

No dia 5 de novembro, a Fazenda Santa Rosa ganhou projeção internacional quando recebeu a visita de embaixadores e diplomatas de dez países, acompanhando o vice-presidente Hamilton Mourão, presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, e a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, em missão de conhecimento da região amazônica. Fizeram parte da comitiva, embaixadores e diplomatas da África do Sul, Espanha, Peru, Colômbia, Canadá, Suécia, Alemanha, União Europeia, Reino Unido, França e Portugal, além da OTCA (Organização do Tratado de Cooperação Amazônica). Na ocasião os participantes fizeram um plantio simbólico de árvores, que ficaram identificadas para a posteridade.

A fazenda Santa Rosa faz parte do PIC (Projeto Integrado de Colonização) Bela Vista, coordenado pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), que abriga famílias assentadas em uma área de aproximadamente 785 mil hectares, ocupada desde 1971. Dos 1.311 lotes georreferenciados, 446 já receberam o título definitivo, sendo 97% constituídos por pequenas propriedades (inferiores a 400 hectares).

Atualmente a Santa Rosa abriga cerca de 20 espécies de animais, entre cavalos, éguas, pôneis, bois, vacas, bodes, cabras, carneiros, ovelhas, coelhos, jumentos, burros e mulas, alguns em miniatura, e uma infinidade de aves, todos típicos de uma fazenda e as grandes atrações do espaço, principalmente para as crianças. E ainda possui um apiário com abelhas sem ferrão.

Durante o passeio no trenzinho puxado por um trator pelas vias e plantações da fazenda, dá para se ter uma ideia de sua grandiosidade. Uma atração à parte no passeio é o surgimento do Curupira, do Saci e da Iara, que aparecem da mata e interagem com os visitantes dando mensagens de proteção à natureza. Depois, passeios a cavalo e em charretes puxadas por pôneis. Em seguida, visita às baias onde ficam os equinos e acompanhamento da ordenha de vacas.

Passeios a charrete puxada por pôneis são atração para as crianças

A fazenda ainda abriga o Recanto Shalon Adonai (local para eventos e retiros), com espaço para acampamentos e um dormitório com beliche e redário e capacidade para 250 homens e 250 mulheres.

Pesk-pag em janeiro

Agora em janeiro, a mais nova investida de Edney e Jordana será a inauguração de um pesk-pag com capacidade para dez mil peixes. Hoje a fazenda abriga dez criatórios onde vivem tambaquis, matrinxãs e pirarucus.

No Amazonas, segundo dados da Suframa, estima-se que existam 411 piscicultores. As espécies mais cultivadas são o tambaqui (em policultivo e monocultivo) com área alagada de 693 ha, o matrinchã, com 27 ha e o pirarucu com 21 ha. O Estado conta com quatro estações de piscicultura em produção, destacando-se a de Balbina, em Presidente Figueiredo, com capacidade instalada de 5.000.000 de alevinos. Existem mais três estações no Estado produzindo, no conjunto, cerca de 260.000 alevinos, localizadas em Manaus, Manacapuru e Itacoatiara.

“O pesk-pag’ da Santa Rosa será uma atração a mais para os visitantes que gostam de passar algumas horas de lazer pescando, e teremos outras espécies de peixes, além das três que já criamos hoje”, adiantou Edney.

A Fazenda Santa Rosa recebe visitantes nos finais de semana e feriados, das 10h às 17h. As visitas das escolas acontecem de terça a sexta-feira. Informações e reservas: 9 9114-9982.  

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email