Arthur ameniza críticas ao PSDB

Semanas depois de anunciar que deixaria o PSDB, caso a direção nacional do partido se posicionasse contrária aos interesses amazonenses, na votação que garantiu unificação gradual das alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para operações interestaduais, o prefeito de Manaus, Arthur Neto, adotou um tom mais amistoso.
Em entrevista concedida na tarde desta quarta-feira (24), Arthur evitou prolongar a polêmica iniciada pelos senadores tucanos por São Paulo Aloysio Nunes Ferreira e Álvaro Dias, que em discurso na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do senado na última terça-feira, fizeram duras críticas contra o modelo Zona Franca de Manaus (ZFM).
Ao garantir que cada parlamentar da legenda iria adotar posicionamentos independentes e sabendo que o Amazonas não conta com o voto dos paulistas, Arthur Neto pediu a união de seus correligionários do Norte, Nordeste e Centro-Oeste em prol da Zona Franca de Manaus e garantiu que vai fiscalizar os votos – tanto dos colegas de partido como dos representantes de outras siglas.
“Ninguém vai votar contra ou a favor da Zona Franca de Manaus. Vão, sim, votar todos a favor de suas regiões e, portanto, uns vão votar contra nossos interesses. O senador Suplicy, que é do PT (de São Paulo) vai votar igual ao senador Aluísio Nunes, que é do PSDB. Então eu espero que as bancadas do PSDB nas regiões mais próximas de nós que votem a favor da proposta do senador Delcídio Amaral (PT-MS). Eu vou ficar de olho nos votos das pessoas do meu partido e, claro, um pouco de olho nos votos das pessoas de outros partidos”, garantiu.

Projeto “possível”

Mas apesar de defender a proposta do senador sul-mato-grossense, que prevê redução das alíquotas de ICMS de 12% e 7% para 4% até 2021, o prefeito de Manaus levantou dúvidas sobre os benefícios que o projeto, que tem o objetivo de eliminar a chamada Guerra Fiscal entre os Estados, traria ao Amazonas. Além disso, ele defendeu uma reestruturação do modelo ZFM. “Eu não sei o que se ganha de verdade a longo prazo com este projeto. Tenho sérias desconfianças de que ele pode não resolver o problema. Quando eles dão 7% a quem não tinha, não há dúvidas de que essa região se torna mais competitiva. Pernambuco já concorre conosco no polo de duas rodas sem os 7%. Com os 7% como é que fica?”, questionou.
O texto foi aprovado, na tarde de ontem (24), na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal.

Prefeito anuncia pacote de obras

Na coletiva de imprensa, o prefeito de Manaus anunciou também um pacote de obras e ações que deverão ser iniciadas a partir do mês de junho para aproveitar o verão amazônico. Entre as prioridades estão infra-estrutura, reordenamento do centro e preparação para a Copa de 2014. Segundo palavras do próprio Arthur Neto, a partir desta data a Secretaria Municipal de Infraestrutura, comandada pelo vice-prefeito Hissa Abrahão (PPS) será o “carro-chefe” da gestão.
Entre as metas estão o recapeamento –com asfalto reforçado com brita –de pelo menos 55 Km de vias de Manaus em apenas seis meses. Com um orçamento inicial avaliado em R$ 150 milhões, a ação foi classificada pelo secretário Hissa Abrahão como “a maior operação de recapeamento urbano de todas as gestões em um período de seis meses”.
Também fazem parte do cronograma a implantação do BRS (Bus Rapid System), um corredor exclusivo para ônibus ao longo das avenidas Torquato Tapajós e Constantino Nery e reforma das plataformas do sistema Esxpresso(orçados em R$ 1,48 milhões), reforma de três terminais de ônibus (R$ 6 milhões) e construção de pelo menos mais 100 abrigos para ônibus.
De acordo com o prefeito Arthur, o objetivo da administração municipal é conseguir as verbas por meio de PPPs (Parcerias Público-Privadas).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email