Pesquisar
Close this search box.

Recuperação da BR-319: direitos, riscos e benefícios 

Compartilhe:​

A rodovia BR-319, que liga Manaus a Porto Velho na Amazônia Ocidental, tem sido o centro de um debate intenso e contínuo, envolvendo questões de recuperação e preocupações ambientais. Inaugurada em 1976, a rodovia é fundamental para a ligação terrestre entre Manaus e Porto Velho, mas enfrenta desafios significativos. Como avançar? 

Por Lúcio Flávio Morais de Oliveira

[email protected]  – Follow-up 

É preciso debater o isolamento rodoferroviário de dois grandes estados da Amazônia Ocidental, Amazonas e Roraima, que compromete substancialmente o desenvolvimento de projetos sustentáveis que reúnam defesa da propriedade social vinculada ao princípio da sustentabilidade. O encaminhamento desse embaraço de infraestrutura remete ao princípio segundo o qual a proteção dos estoques ambientais supõe a implantação de atividades econômicas sustentáveis. Não temos outro caminho. 

Por um lado, existem esforços para a recuperação da rodovia, incluindo a pavimentação de trechos que estão em condições precárias há décadas. Em 2020, por exemplo, o governo federal iniciou obras de asfaltamento em parte da rodovia. Estes esforços visam sempre melhorar o transporte e a logística na região, trazendo potenciais benefícios econômicos e de integração para as comunidades locais, bem como para a base econômica do polo industrial de Manaus.

Por outro lado, há intensas preocupações ambientais e sociais. Ambientalistas alertam para os riscos de desmatamento e impactos negativos na biodiversidade da Amazônia, especialmente se a rodovia facilitar o acesso a áreas até então preservadas. A pavimentação da BR-319 pode estimular o desmatamento e a grilagem de terras, além de afetar comunidades indígenas locais que não foram adequadamente consultadas no processo de licenciamento. Essas preocupações são reforçadas pelo fato de a rodovia estar rodeada por várias unidades de conservação ambiental.

Em resumo, a história recente da BR-319 é marcada por um equilíbrio delicado entre a necessidade de desenvolvimento e recuperação de infraestrutura e os imperativos de proteção ambiental e social. O debate continua, refletindo as complexidades e os desafios enfrentados na gestão de recursos e desenvolvimento na Amazônia Ocidental, A rodovia que liga Manaus a Porto Velho está praticamente intrafegável há mais de 30 anos. Os estudos de impacto ambiental relacionados à rodovia BR-319 revelam preocupações significativas e variadas. Um dos principais focos é o potencial aumento do desmatamento e seus efeitos na biodiversidade, bem como o impacto social nas comunidades locais.

Um estudo encomendado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), em 2020, reconheceu possíveis efeitos negativos da repavimentação da BR-319, incluindo um impacto imediato na fauna e na flora da região. Foi estimado que a repavimentação poderia quadruplicar o desmatamento no Amazonas, afetando não só a vegetação nativa, mas também os serviços ambientais como a regulação de chuvas, essenciais para outras regiões do Brasil, especialmente para o agronegócio.

Estudos realizados pelo Idesam (Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia), em 2018, analisaram a evolução do desmatamento e também os impactos socioeconômicos na região. Foram observadas mudanças nos indicadores como PIB e IDH, mostrando tanto progressos quanto desafios contínuos, incluindo altos níveis de desigualdade na distribuição de renda.  

Há uma demanda contínua por avaliações mais aprofundadas e monitoramento dos impactos da rodovia. O Observatório da BR-319, por exemplo, se dedica a divulgar informações e conteúdos estratégicos sobre a área de influência da rodovia, incluindo desmatamento e focos de calor. 

Outros estudos e um acervo monumental de artigos, debatem a reconstrução da BR-319, alvo de debates intensos, envolvendo ambientalistas, indigenistas, representantes do governo e engenheiros. Questões como a legalidade da ocupação de terras, a grilagem e o impacto nas comunidades indígenas também estão no centro das discussões. Uma série de reportagens da Rede Amazônica, de 2016, revela os conflitos, paradoxos e contradições no gerenciamento deste embaraço, incluindo a revelação das imagens que confirmam explosões com dinamite na Terra do Meio, trecho de mata virgem, claramente destinadas a comprometer sua recuperação. 

Esses estudos e debates evidenciam a delicadeza das problemas desta conexão rodoviária. Uma das ilações mais recorrentes remete ao desinteresse da União com um investimento de alto custo e uma taxa de retorno discreta, não compensatória. Outras alegam o custo ambiental extremo comparado ao benefício de ir e vir da população posto que a rodovia não suporta a movimentação de cargas de mercadorias com tonelagem expressiva. Essa complexidade dos impactos ambientais e sociais relacionados à reconstrução da BR-319, destacando a necessidade de um equilíbrio cuidadoso entre desenvolvimento e conservação, precisa responder a uma pergunta essencial: proteger a floresta é mais fácil com a pavimentação da rodovia ou sua manutenção no estado atual, intrafegável durante 8 meses por ano. 

A questão de proteger as florestas através da pavimentação ou manutenção de estradas em seu estado natural é complexa e depende de vários fatores. Por um lado, estradas bem construídas e mantidas podem, em teoria, facilitar o monitoramento e a fiscalização das florestas, potencialmente ajudando na proteção contra o desmatamento ilegal e outras atividades prejudiciais. Um curso organizado pelo Instituto Floresta Tropical (IFT) e WWF-Brasil no Pará mostrou que é possível construir estradas em áreas florestais minimizando os impactos ambientais. Isso inclui a abertura de estradas para manejo florestal sustentável, o que requer planejamento cuidadoso para gerar o menor impacto possível aos ecossistemas.

No entanto, a construção de estradas em florestas tropicais úmidas, como na Amazônia, traz desafios significativos. Estudos mostram que as estradas, sem planejamento de monitoramento e fiscalização adequadas, podem levar a um aumento do desmatamento, fragmentação de habitats, caça predatória e exploração madeireira ilegais. Adicionalmente, os custos de manutenção podem ser muito altos devido aos desafios impostos pelo clima e terreno, muitas vezes superando os benefícios econômicos iniciais. A manutenção inadequada das estradas pode levar à degradação e erosão, piorando as condições da floresta ao redor.

Em suma: a rodovia BR-319, que liga Manaus a Porto Velho na Amazônia Ocidental, tem sido o centro de um debate intenso e contínuo, envolvendo questões de recuperação e preocupações ambientais. Inaugurada em 1976, a rodovia é fundamental para a ligação terrestre entre Manaus e Porto Velho, mas enfrenta desafios significativos. Como avançar?

Lúcio é advogado, administrador de empresas, empresário e presidente-executivo do CIEAM

Coluna Follow-up é publicada às quartas, quintas e sextas feiras no Jornal do Comércio do Amazonas, sob a responsabilidade do CIEAM e coordenação editorial de Alfredo Lopes, consultor da enti

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar