Da teoria do cansaço histórico (04)

Bosco Jackmonth*

Nos textos imediatamente anteriores (01/03) postos nesta mesma coletânea de escritos semanais, citou-se o vocábulo CANSAÇO como causa de extinção das guerras, ao invés de rendição ou outras da espécie quem sabe acaso colhidas dos andaimes do mundo, tudo na dissertação da cultura lulista, dissemos ali, que sempre se põe a flertar com o anedotário, quem sabe mesmo o internacional, pouco faltando para tanto. Ora, a guerra extinguindo-se pelo cansaço! Aonde já se viu? Mesmo curtindo-se a cultura do “abc paulista”. Credo! 

Dadas as circunstâncias, logo busca-se na História os contornos dos diversos conflitos mundiais do gênero, a ver se divisa-se alguma ranhura de tal. Quem sabe? Resta-nos debruçarmo-nos na tarefa, ainda que longamente estudando os embates por volta dos tempos, pelo menos os mais notórios, para afastar, aí, sim, o cansaço de quem nos lê. Pelo menos resta-nos envolver pelos tempos das aulas de história ministradas quando no exercício do magistério. Ali já disse que se colhe deste estudo a Coordenação de Max Savelle posta na coleção História da Civilização Mundial, Edição Itatiaia, 1968, do título original norte-americano A History Of World Civilization Copyright 1957 por Henry Holt and Company, Inc., Nova York- Milton Amado.

Aqui, a partir da página 36 segue-se que, consoante o já adiantado, a luta degenerou, do outono de 1914 à primavera de 1918, em guerras de trincheiras na frente ocidental, mas sem sucesso para qualquer dos lados, apesar de que na frente russa vastas forças iam e vinham pela planície do Leste Europeu, em vão. E assim seguia-se. Contudo, arrastava-se o conflito espalhando-se por outras frentes europeias caracterizando-se numa evidente guerra mundial. Pronto, aí estava o desenho, salvo a Itália que repudiara suas obrigações de aliança de 1914, até que em 1915 concordara em juntar-se à coligação anglo-francesa, mediante vantagens territoriais prometidas à custa da Áustria e outras.

Segue-se, nos Balcãs os austríacos conseguiram por fim avassalar a Sérvia, em 1915, quando o rei sérvio, com seu exército, foram forçados ao exílio, não ao cansaço, diga-se. Compondo-se, Bulgária e a Turquia entraram na guerra em 1914 ao lado das potências centrais, fechando assim os Dardanelos a qualquer ajuda aliada à Rússia, restando, ne entanto, que a última da nações balcânicas foi a Romênia a entrar no conflito, que se juntou a lado aliado em 1916, mas imediatamente foram abatidas por um exército alemão restando que no princípio de 1918 assinaram um tratado ditado, que deveria fazer da Romênia um apêndice econômico da Alemanha.

Chegamos ao Japão e China, já que a guerra espalhara-se pela África e pela Ásia, assim como pela Europa, pois o império alemão era boa caça para os aliados. Deu-se que as colônias africanas foram gradativamente conquistadas por pequenas forças enviadas por possessões francesas e britânicas vizinhas. Já no Extremo Oriente, os australianos e japoneses se apoderaram dos despojos germânicos. A propósito, o Japão entrou na guerra em agosto de 1914, porque queira as ilhas alemães do Pacífico e o porto de Quiaochau, na Chiana, arrendado aos alemães. Conquistado, perderam o interesse pela guerra na Europa, exceto quanto à oportunidade que esta lhes dava para a expansão de sua influência na China.(Continua).

Adv.(OAB/AM 436). Ex-func.B.Brasil. Curs.Jorn. [email protected]. 99155340

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário