8 de dezembro de 2021
https://www.jcam.com.br/Upload/images/Noticias/2020/1%20SEM/01%20Janeiro/13/cpro%20722.jpg
num casarão na rua da Instalação, o paraense João Batista de Figueiredo Tenreiro Aranha instalou a província do Amazonas

Uma data importante para o Amazonas, mas nunca comemorada devido às festas pela chegada do novo ano é o 1º de janeiro. Numa sessão especial, em 1852, num casarão na rua da Instalação (a rua recebeu este nome em homenagem ao ato histórico que ali ocorreu) o paraense João Batista de Figueiredo Tenreiro Aranha instalou a província do Amazonas. Na ocasião, Tenreiro Aranha tomou posse como o primeiro presidente (hoje governador) da província (hoje estado) junto com seus cinco vice-presidentes, além de outros funcionários que iriam compor o corpo administrativo.

Seis meses antes, em 7 de junho de 1851, D. Pedro II assinara a carta de nomeação de Tenreiro Aranha e, nove meses antes, a província do Amazonas fora criada pelo decreto imperial n° 582, de 5 de setembro de 1850, esta data sim, comemorada até os dias de hoje. O paraense foi defensor árduo da criação da província amazonense, estando envolvido nos atos revolucionários de 1832, que tentaram por um momento criar a província do Rio Negro, mas sem sucesso.

Tenreiro Aranha saiu de Belém a 10 de dezembro de 1851, chegando a então cidade de Nossa Senhora da Barra do Rio Negro, hoje Manaus, no dia 27. Veio com sua comitiva a bordo do navio Guapiaçu, o mesmo que, em 28 de julho de 1843, inaugurou a navegação a vapor nos rios do Amazonas, com o trajeto Belém-Manaus.

Tenreiro era um visionário. É de sua autoria a ‘Planta da Cidade de Manaós’, que mostra com detalhes a geografia de nossa cidade naquela época, mapa este que está guardado no Arquivo Nacional, doado pelo seu filho Bento Aranha. Como uma das medidas para impulsionar o desenvolvimento da região, Aranha elaborou um projeto que deu origem à lei que estabelecia a navegação a vapor no Amazonas, abrindo o comércio da província para outros países.

O presidente teve de lutar contra os senhores do comércio. Tentou implantar a pecuária, estabelecer a lavoura do café, cacau, algodão e outros. Incentivou a imprensa com a criação do primeiro jornal amazonense, o ‘Cinco de Setembro’, usando o jornal como veículo para as notícias e assuntos do governo provincial. Augusto Aguiar, presidente da província do Pará, teria dito a Tenreiro, “atente bem as minhas recomendações especiais uma vez que será preciso fazer-se de tudo, pois pouco há nessa região, ou quase nada”.

Tenreiro Aranha exerceu o cargo de presidente por poucos meses, de 1º de janeiro de 1852 a 27 de junho do mesmo ano, tempo insuficiente para aplicar as grandes mudanças que pensara e planejara para a nova província, mas deixou um ideal plantado, para que seus sucessores pudessem fazer com que a província e depois Estado do Amazonas prosperasse. Aranha teve uma trágica morte, em Belém, vitimado por um incêndio que consumiu o lugar onde repousava, isso no ano de 1861, mas seu nome, seus feitos e seu ideal não serão esquecidos na terra pela qual lutou, estando eternizado no monumento em sua homenagem na praça 5 de Setembro, popularmente conhecida como praça da Saudade.

*Adriel França, autor do projeto ‘Guerreiros do Amazonas’

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email