Quarentena: Crie uma rotina de atividades para o seu melhor amigo

Já pensou, esta época de quarentena deixa mesmo qualquer um exausto, sem ter o que fazer o dia inteiro. A ansiedade explode, os nervos ficam à flor da pele, afetando o humor, a tolerância, a paciência, com os que nos rodeiam. Assim também acontece com os pets.

Para fugir do coronavírus, que causa a Covid-19, muita gente optou pelo confinamento. Afinal, ninguém quer morrer. E tampouco nossos amiguinhos, que dependem de nós diretamente para se proteger e não servirem, eventualmente, de transporte do micro-organismo, que pode nos contaminar.

Então, a melhor opção é criar uma rotina de atividades junto com o nosso melhor amigo. Exercite-se diariamente com eles, brinque, use sua criatividade para queimar as calorias dos pets. Mesmo dentro de casa, é possível submetê-los a brincadeiras que possibilitem extravasar essas energias, tão características nos cães.

Da mesma forma, acontece com os gatos. Eles também precisam se exercitar. Diferentemente dos caninos, os felinos não são tão efusivos, brincalhões, mas dá para improvisar e levá-los a praticar alguma atividade saudável para aliviar o estresse.

Tão conhecida de quem ama os pets, a velha e antiga bolinha funciona eficazmente nas brincadeiras dentro de casa. Eles costumam responder aos comandos satisfatoriamente. Saltam, vão e vêm, rodopiam, ficam serelepes, explodindo em alegrias, afagos, carinhos, aproximando-se mais ainda dos donos.

Os gatinhos gostam de correr atrás de cordas e de arranhar paredes. É instintivo. E se esbaldam quando o tutor lança mão desses recursos. Improvise algo em locais específicos de casa, motivando-os a atividades lúdicas. 

Nessa onda de confinamento, a improvisação deve extrapolar os limites para deixar os nossos amiguinhos sempre ocupados, entretidos, já que as recomendações das autoridades sanitárias é evitar ao máximo sair de casa, só em casos de extrema necessidade.

As lojas pets têm diversas opções de brinquedos para entreter o seu amigo. E se você não quiser gastar, recorra então à sua criatividade. Nada de passeios nas praças, parquinhos, onde haja grandes aglomerações de pessoas e de outros animais de estimação. 

E se tiver que sair com os pets que foram condicionados a fazer xixi e cocô nas ruas, não se demore. E, em seguida, faça a higienização das patinhas com água e sabão.

Jamais use detergente e álcool gel, de espécie alguma, pois eles são extremamente nocivos para os nossos amigos. Tenha bom senso, nada de pânico ou muita neurose, com o medo de que os pets podem causar a Covid-19.

Vale sempre lembrar. A OMS (Organização Mundial de Saúde) assegura que ainda não existem evidências científicas de que os pets podem transmitir o coronavírus.  Como mencionado antes, o vírus pode ficar contido nas patas, pelos, focinhos etc., e chegar a infectar alguém que leve a mão à boca, nariz, enfim, tocar a região do rosto, após afagar os pets. Se tiver que fazer isso, recorra aos cuidados básicos. Lave as mãos imediatamente com sabão ou use álcool gel.

Cuide bem de você e de seu amiguinho. Só assim, poderemos vencer a doença letal que faz diariamente milhares de vítimas em todo o mundo.

POR DENTRO

. Comedouros interativos: o animal conta com ‘obstáculos’ para conseguir se alimentar. 

. Jogar a bolinha: a mais tradicional brincadeira com os cães é também uma das que mais gasta energia, promovendo a corrida e uma super empolgação, visto que é uma das brincadeiras que eles mais gostam. É ótima para fortalecer a ligação entre o dono e o animal.

. Adestramento: além de manter o pet ativo, pode ser um aprendizado mental para ele, como também fortalecer a relação com o dono.

. Esconde-esconde: o faro dos cães é altamente potente, então provavelmente ele te encontrará em segundos. Porém, não deixa de ser uma brincadeira que despertará muito a curiosidade do pet e o fará se envolver rapidamente com muita animação.

DICA ANIMAL

Crédito: Divulgação

Ele solta muito pelo!

Muitos tutores reclamam que o pet solta muito pelo. E não sabem a razão de tudo isso. Bem, o problema pode estar no tipo de alimentação ou até de ordem sistêmica, genética, envolvendo distúrbios hormonais, renais, enfim, até de metabolismo.

Ou ainda motivado por picadas de pulga, carrapatos, ácaros etc. Frango, pão, doces, entre outros alimentos derivados de trigo, costumam causar alergias nos pets. 

E ainda:  alguns tutores costumam dar a mesma comida que ingerimos diariamente, muito temperadas. Condimentos são muito nocivos a animais alérgicos.

Então, se a causa da dermatite não for a alimentação, é bom investigar, pois pode esconder outras doenças e se manifestar como um problema secundário.

Fonte: Marcelo Peres

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email