Prefeitura quer BNDES em projetos

PMM quer que técnicos do BNDES conheçam ações relativas à coleta seletiva de lixo

Técnicos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) estão em Manaus para conhecer as ações da Prefeitura Municipal relativas à coleta seletiva e ao fomento às atividades de Associações e Núcleos de catadores de resíduos locais. O objetivo é apresentar ao banco as políticas públicas municipais voltadas para esta classe e viabilizar novos projetos para fortalecer a atividade de coleta seletiva de lixo em Manaus.
Recebidos pelo secretário Municipal de Limpeza Pública, Paulo Farias, o assessor da Presidência do BNDES, Luiz Antônio Pazos e a engenheira técnica, Simone Almeida Moraes, visitaram as instalações de quatro galpões viabilizados pela Prefeitura de Manaus para uso dos catadores. “Estamos mostrando para os representantes do banco, o que a Prefeitura de Manaus está construindo dentro deste universo da coleta seletiva local. Temos 4 galpões viabilizados pela prefeitura e que já estão sendo utilizados pelos catadores. Mas, a meta do prefeito Arthur Virgílio é aumentar essa estrutura”, avaliou Paulo Farias.
A Prefeitura de Manaus já apresentou um projeto ao BNDES para apoio na construção de novos galpões próprios para organizar o trabalho de outras associações de catadores e aguarda a liberação dos recursos do banco. “É impressionante esse início de estrutura que vem sendo consolidada em Manaus em torno da coleta seletiva e é de interesse total do BNDES apoiar projetos desse porte. A Prefeitura de Manaus certamente terá o apoio necessário para a continuidade dessa obra”, disse Simone Moraes.

Galpões
A Semulsp já entregou quatro galpões destinados à atividade de segregação de resíduos para a reciclagem, entre o ano passado e o começo deste.
Ao todo, são 17 associações que estão se dividindo nos galpões localizados na avenida Itaúba (24 catadores), Jorge Teixeira (28 catadores), Santa Etelvina (25 catadores) e Centro (mais de 50 catadores). “Com esses galpões cedidos pela Prefeitura de Manaus, não temos mais a despesa do aluguel dos espaços que usávamos para segregar. Agora temos um local devidamente equipado e que nos permite aumentar a nossa capacidade”, disse Raul Lima, presidente da Arpa (Associação de Reciclagem e Preservação Ambiental) que foi contemplada e já movimenta 40 toneladas de resíduos por semana.
Raul Lima explica que a Arpa funcionava antes no bairro Novo Reino e do pouco lucro que tinham pagavam um aluguel de R$ 1.500. “Neste espaço, vamos dar continuidade aos trabalhos com plástico, papel e papelão. A população do bairro que quiser colaborar com a coleta seletiva, pode vir até aqui e descartar seus resíduos recicláveis no novo galpão”, lembrou o coordenador da Arpa. “A prefeitura está trabalhando para promover a inclusão social e produtiva dos catadores de materiais recicláveis nas políticas públicas municipais. Isso inclui a melhoria das instalações dos catadores e o apoio à atividade de coleta de resíduos”, afirmou.
O galpão da Itaúba (zona Leste) que abriga o trabalho de 24 catadores, já movimenta 12 toneladas de papelão por semana. “Viabilizar esses galpões para nossa classe é mais do que ajudar os catadores. É ajudar a fortalecer um importante mercado que é a reciclagem. A Prefeitura está criando uma nova realidade para os catadores”, disse Alzenira Rodrigues Silva.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email