MPF/AM entra com ação por escolas em comunidades indígenas

Denúncia feita por vereadores mostra que as escolas estão em situação de precaridade em mais de 30 comunidades do município
O MPF/AM entrou com uma ação civil pública na Justiça Federal para que a União, o Estado do Amazonas e o município de Uarini adotem as medidas necessárias para ofertar a educação básica aos indígenas do município, distante 565 quilômetros da capital. A ação inclui pedido de liminar para que as providências sejam adotadas no prazo de 30 dias.
A denúncia da precaridade das escolas foi feita por quatro vereadores de Uarini que visitaram 31 comunidades indígenas localizadas às margens dos rios Copacá, Uarini e Solimões. Os vereadores filmaram, fotografaram e entrevistaram moradores sobre as irregularidades das escolas. Durante a coleta de provas, foi constatado o estado extremamente precário das escolas municipais, sem as mínimas condições de higiene e segurança para alunos e professores, sem fornecimento de merenda escolar, sem combustível para gerador de energia elétrica e transporte, com poucos professores e pagamento descontinuado daqueles que ainda atuam. Em muitas comunidades, as irregularidades das escolas provocaram a interrupção do programa escolar há meses. De acordo com um líder comunitário da região, as aulas em algumas comunidades estão suspensas desde novembro de 2015 e o gestor municipal não está adotando providências para a retomada do ensino.
A ação pede para que sejam adotadas medidas de construção de escola ou reforma, disponibilização de transporte, contratação de professores, fornecimento de merenda escolar, disponibilização de gerador de energia elétrica e prestação de auxílio aos moradores afetados pela última cheia do rio.
As escolas referentes ao pedido fazem parte de comunidades do rio Copacá: Bom Jesus, Santa Maria, Santa Rosa, Alegria, Saturnino, Nova Esperança 1 e Nova Esperança 2; de comunidades do rio Uarini: Caitana e Tapereira; e de comunidades do rio Solimões: Aiucá, Barroso, Bate Papo, Boa Vista, Boca do Mamirauá, Boca do Cauaçú, Bom Sucesso, Costa do Envira, Ilha do Machado, Jaquiri, Maguary, Mari Mari de Baixo, Nova Colômbia, Novo Horizonte, Novo Viola, Pirarara, Porto Braga, Porto Praia, Santa Domícia, São João, Tabuleiro do Ferro e Vila Pentecostal, todas pertencentes ao município de Uarini.
O MPF pede que a Justiça Federal determine à União, ao Estado e ao município de Uarini a adoção das providências necessárias imediatas para que crianças, jovens e adultos das comunidades indígenas ribeirinhas da localidade tenham efetivo acesso à educação infantil, ao ensino fundamental e ao ensino médio -inclusive de forma articulada com a educação profissional técnica.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email