Falta de armazéns afeta o Estado

Com prejuízo de mais de 60% sobre a safra deste ano por falta armazéns certificados para estocagem, a Cooperativa Mista Agropecuária de Manacapuru tenta renovar suas esperanças a partir da audiência realizada ontem, em Brasília, que tratou da falta de depósitos específicos para a manutenção da produção, a fim de que esta, não seja perdida.
Entre os presentes estavam o diretor de Operações e Abastecimento da Companhia Nacional de Abastecimento e o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Neri Geller, convidados pelo deputado Afonso Hamm (RS), integrante da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop). Para a presidente da Coomapem, Eliana Medeiro do Carmo, sem a falta de locais para estocagem, que sejam certificados e reconhecidos pela Conab, quem mais sofre são os produtores, que ficam desmotivados.
“De 2.000 toneladas estimadas para colheita este ano, apenas para 800 conseguimos fechar negócios. Se no ano que vem a situação persistir, teremos uma baixíssima produção. Isso, sem contar no material que ainda temos estocado e que não foi perdido pelos cuidados que temos tido para que não sejam afetados pela umidade”, enfatizou. Eliana disse que o maior gargalo para comercialização da juta e da malva é a inexistência de armazéns certificados no Amazonas, onde não existe nem mesmo um que seja reconhecido pela Companhia Nacional de Abastecimento. No início deste mês, eles a Companhia havia disponibilizado recursos da ordem de R$ 3,7 milhões para comprar a produção de 2.000 toneladas, mas por não contarem com armazém certificado, a negociação não foi fechada.
“Nós vendíamos para São Paulo, Pará, mas não conseguimos vender este ano. A Cooperfibras fechou. Só para a Brasjuta vendemos 300 e outras 500 toneladas para a Companhia Têxtil de Castanhal (CVC). Estamos trabalhando com muito esforço, sacrifício mesmo”, revelou.
O material que ainda não foi vendido pelo Coomapem permanece no único depósito da cooperativa, que mede 60 metros por 25 metros.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email