Ducati Monster 1200S chega em julho

A Ducati Monster 1200S, naked topo de linha da fabricante italiana no Brasil, ganha uma nova opção de cor para a linha 2020. A partir de julho, as concessionárias da marca passam a oferecer o modelo na cor preta, além do vermelho tradicional da fabricante de Borgo Panigale. O preço sugerido da Ducati Monster 1200S é de R$ 89.990, em ambas as configurações.

A Ducati Monster 1200S é equipada com um bicilíndrico Testastretta em “L” de 1.198 cc, que entrega 150 cv e 12,8 kgfm. Na parte de eletrônica, a naked conta com três modos de pilotagem, ABS atuante em curvas, controle de tração, antiwheelie (anti empinamento) e quickshifter bidirecional para o câmbio de seis velocidades. Os freios da naked esportiva são Brembo e o conjunto de suspensão, com garfo invertido na dianteira e monoamortecedor na traseira, é da Öhlins e permite ajuste.

O Ducati Traction Control (controle de tração), tem 8 níveis, desde praticamente sem intervenção eletrônica até o controle total, ideal para pista molhada. Além de tudo isso, os três modos de pilotagem Esportivo, Turismo e Urbano, que podem ser selecionados durante a pilotagem, fazem uma combinação dos sistemas ABS, DTC e DWC e ainda atuam na potência do motor. No modo Urban, a potência da Monster 1200S não passa dos 100 cv.

Quanto ao quickshifter, da  Ducati Monster ele permite que se faça trocas de marchas ascendentes sem precisar acionar a embreagem ou mesmo soltar o acelerador, garantindo trocas mais rápidas e precisas. Por fim, vem com o painel de instrumentos com tela TFT colorida multifuncional, luzes de LED e DRL.

Volkswagen planeja esportivo elétrico ID.3 R em 2024

Elétrico ID.3 deve ganhar nova versão

A Volkswagen está planejando lançar uma versão esportiva do compacto elétrico ID.3 por volta de 2024, segundo o site britânico Autocar. A montadora alemã ainda discute o caso, mas fontes internas dizem que a ordem está perto de ser assinada.

Já comentado pela marca, a proposta do ID.3 elétrico é tratada como uma possibilidade, mas sem confirmação oficial. Frank Welsch, chefe de desenvolvimento de produto da VW, disse: “Gosto da ideia, mas temos que decidir se o mercado está pronto para aceitar esse modelo”.

A proposta, segundo indicação do próprio Welsch seria apenas para um ID.3 R. O motivo parece bem lógico, uma vez que o ID.3 comum já tem desempenho de esportivo, indo de 0 a 100 km/h em 7,6 segundos.Então, lançar uma proposta de “GT” apenas com tração traseira não parece viável. Contudo, um ID.3 R teria o pacote do ID.4 X/Cross, por exemplo, com motor elétrico dianteiro de 102 cavalos e o traseiro padrão de 204 cavalos.

Aí, o ID.3 R teria não só a tração AWD (4Motion) da linha R, assim como também a potência dessa linha de esportivos da Volkswagen. Porém, Welsch indica que isso não irá acontecer. Ele chegou a dizer que a tração nas quatro rodas não aconteceria na primeira geração do monovolume.

Citroën prepara novos modelos de baixo no Brasil

Modelos fabricados no RJ não vão concorrer na Argentina

Depois da fábrica argentina de El Palomar, agora é a vez de a PSA Peugeot Citroën dar um novo passo rumo à fabricação de carros sobre a base modular CMP também no Brasil. Recentemente, a empresa anunciou que produziu a primeira unidade da nova plataforma na fábrica de Porto Real (RJ), em mais um estágio do processo de modernização da unidade industrial, iniciado no ano passado, com um investimento de R$ 220 milhões.

Revelada na Europa em 2018, a plataforma CMP foi desenvolvida para uso em modelos médios e compactos, prevendo inclusive o uso de motorização elétrica. Além do novo Peugeot 208, a base é empregada atualmente também na nova geração do SUV Peugeot 2008, nos Opel/Vauxhall Corsa e Mokka e no DS3 Crossback, SUV compacto de luxo produzido pela submarca de luxo da Citroën .

A questão que fica é qual será o modelo escolhido pela empresa francesa para estrear a produção da plataforma modular CMP por aqui. Sobre o assunto, Patrice Lucas, presidente Brasil e América Latina e membro do Comitê Executivo do Groupe PSA , dá algumas dicas no comunicado sobre a produção da primeira base CMP em Porto Real. “Os produtos fabricados em Porto Real e em Palomar tendo como base a CMP serão complementares e distintos, sendo que cada unidade continuará tendo sua importância na produção para os mercados locais e para exportação”.

Com base nessas informações, já podemos descartar a produção local dos novos Peugeot 208 e 2008, já que ambos passarão a ser importados da Argentina. O rumor mais forte é que os primeiros CMP brasileiros devem ser os substitutos dos veteranos Citroën C3 e Aircross. Na Europa, ambos os modelos estão uma geração

na frente, mas ainda são baseados na antiga plataforma PF1 e devem ganhar a CMP apenas a partir de 2023.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email