Dólar alto prejudica indústria da ZFM

Valorização acumulada da moeda estadunidense vem atingindo as atividades da indústria

Mesmo fechando em leve queda pelo terceiro dia consecutivo, a cotação do dólar acumula alta de 1,46% em agosto frente ao real. Na semana passada, a queda acumulada foi de 0,71%. Mas no ano, a alta chega a 30,98%. A valorização acumulada da moeda estadunidense vem atingindo as atividades da indústria, que sofre com a importação de insumos, equipamentos, máquinas e tecnologias, que acabam encarecendo os preços para o consumidor final. Ontem, a moeda fechou em queda de 0,48%, cotado a R$ 3,466.
Wilson Périco, presidente do Cieam (Centro das Indústrias do Estado do Amazonas), explica que na indústria os impactos da alta do dólar são sentidos diretamente nos custos dos insumos que as empresas importam. Com custo de produção mais elevado, no fim da linha, quem acaba pagando por esta variação cambial é o consumidor final. Ele explica que a subida do dólar não pode ser responsabilizada, sozinha, pela queda no consumo, mas que, somada à falta de confiança do consumidor por conta do cenário econômico atual, pode contribuir ainda mais com a estagnação da economia de modo geral.
“A falta de confiança se reflete, economicamente, com a redução do consumo. Ou seja, a pessoa que está desempregada, ou não sabe se vai conseguir manter o emprego, retrai o consumo. À retração do consumo soma-se a variação cambial, que faz com que os produtos fiquem mais caros, o que reflete na queda da atividade industrial que nós já estamos sentindo”, explicou.
Dados do Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) referentes ao acumulado de janeiro a julho de 2015 demonstram que o PIM (Polo Industrial de Manaus) importou US$ 5,9 bilhões. A grande maioria em insumos, máquinas e equipamentos destinados aos setores da indústria eletroeletrônica e de duas rodas.

Comércio
Já para o comércio, a valorização da moeda americana frente ao real pode ser encarada como uma faca de dois gumes. De acordo com o presidente da Fecomércio/AM, José Roberto Tadros, o real desvalorizado contribui com as exportações de produtos, principalmente de produtos agrícolas. Segundo ele a produção de grãos foi é o único setor da economia que deverá apresentar crescimento no país este ano, com um total de 205 milhões de toneladas de grãos produzidos. Para Tadros, a exportação destas matérias-primas poderá ajudar a equilibrar a Balança Comercial brasileira.
“Em economia tudo sempre tem os efeitos positivos e negativos. Por um lado, facilita as exportações, porque elas ficam mais baratas. Com o dólar altamente desvalorizado como estava estávamos exportando cada vez menos. Os saldos de nossa balança comercial foram minguando. Só para termos uma ideia, chegamos a ter, no governo Sarney, US$ 40 bilhões de saldo positivo na balança”, lembra o empresário.
Por outro lado, Tadros também destaca que ficou mais caro importar e isso se transfere para os custos de produção. “A indústria importa peças, equipamentos, máquinas e tecnologias e tudo isso está muito mais caro, o que encarece também os preços para o consumidor final. Com isso surge a inflação”, acrescenta. Apesar de enumerar os efeitos positivos da alta do dólar, o presidente da Fecomércio acredita que a alta acumulada de 31% só em 2015, como consequências de más decisões políticas do governo federal, prejudica a imagem do país perante os investidores internacionais.
“Uma desvalorização da moeda de forma tão acentuada, inclusive perante os Brics, é um descrédito internacional para o país. Tivemos uma perda brutal e isso é consequência do desarranjo da economia e da visão individualista de querer ganhar eleições”, finaliza Tadros.

Lucas Câmara
[email protected]

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email