Desempenho produtivo do PIM eleva receita da indústria em 3,3%

O Amazonas teve o pior desempenho na produção industrial do país ao apresentar crescimento de 0,2% no primeiro semestre do ano, num quadro comparativo ao mesmo período de 2006, conforme a pesquisa conjuntural da indústria feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgada ontem. O resultado, embora positivo, ficou abaixo da média nacional, de 4,8%, registrada pelo órgão de pesquisa.
Esse fraco desempenho produtivo fez a receita de vendas das indústrias locais apresentarem também uma leve variação positiva, de 3,35%, nos seis primeiros meses do ano num quadro comparativo ao mesmo período do ano passado.
De acordo com os indicadores econômicos da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus) o PIM (Pólo Industrial de Manaus) atingiu no período um faturamento de US$ 11.50 bilhões, ante os US$ 11.13 bilhões faturados no mesmo período do ano passado.
Para os próximos meses de 2007, os representantes de entidades empresariais do Estado projetam resultados melhores para as indústrias locais, que nos primeiros seis meses teve a concorrência dos importados, como um dos principais entraves de mercado.
O presidente da Aficam (Associação das Indústrias e Empresas de Serviços do Pólo Industrial do Amazonas), Antônio Carlos de Lima, avaliou que as medidas anunciadas pelo Ministro do Mdic (Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior), Miguel Jorge, de conter as importações, devem ser viabilizadas ainda este ano. “Dentre quinze dias estarão vindo a Manaus técnicos do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial) para realizar estudos técnicos e assim equiparar parâmetros de medida padrão entre produtos importados e o nacional”, disse.
Outra medida para conter as importações, anunciada pelo ministro na semana passada, é a definição de limites aos produtos mais importados pelo mercado brasileiro. Para Antônio Carlos de Lima, medidas como essa irão trazer novo alento para as indústrias. “Acreditamos que essas ações serão implementadas ainda este ano e isso irá contribuir para termos um fim de 2007 melhor para o setor industrial”, informou.
Essas medidas de barreiras às importações estão sendo consideradas uma solução eficaz ao avanço dos produtos importados no Amazonas, que está aumentando cada vez mais no país, principalmente nos dias atuais de manutenção da cotação do dólar abaixo de R$ 2.
O diretor executivo da Fieam (Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), Flávio Dutra, avaliou que o aumento da entrada desses produtos no país é um dos principais problemas enfrentados pela indústria nacional nos últimos anos. De acordo com ele, a cotação em torno de R$ 1,90 do dólar nos dias de hoje prejudica o setor industrial. “Embora muitas indústrias tenham uma redução de custos na compra de insumos importados, um dólar muito baixo como está agora é uma desvantagem porque estimula o aumento da competição entre produtos nacionais e estrangeiros”, explicou oempresário.
Flávio Dutra comentou que nesses últimos meses do ano, os resultados produtivos na indústria sempre superam os obtidos no primeiro semestre, mas disse que ainda é cedo para avaliar se irá superar o desempenho obtido nos mesmos meses do ano passado.
“No segundo semestre as vendas sempre são melhores devido à comemoração do Natal; nos meses próximos a essa data as indústrias trabalham a todo vapor para atender os pedidos”, disse o executivo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email