Comissão encerra fase de debates

Membros da Comissão Especial de Revisão do Plano Diretor do Município se reuniram nesta segunda-feira (26), na CMM (Câmara Municipal de Manaus), para o encerramento do ciclo de debates junto aos técnicos dos órgãos competentes, sobre as principais mudanças que a Legislação de Planejamento Urbano sofrerá. Além disso, os vereadores também definiram o calendário das Audiências Públicas que tratarão do tema.
Foram discutidas, nesta segunda-feira, em caráter técnico, as propostas de alterações do Plano Diretor contidas nos projetos de lei nº 321/2013 – que trata da AEIS (Área Especial de Interesse Social) e nº 323/2013 -que trata do Perímetro Urbano do Município. A votação e definição do calendário de realização das Audiências Públicas que tratarão do Plano Diretor junto à população, que seriam realizadas nesta terça-feira (27), foram antecipadas e aprovadas na mesma reunião.
Anteriormente, entre os dias 20 (terça-feira) e 22 de agosto (quinta-feira), a Comissão Especial debateu as principais mudanças propostas pelas leis que compõem o Plano Diretor de Manaus, entre as quais: o projeto de lei complementar (PLC) nº 001/2013 (do Executivo Municipal, que define, entre outras coisas: as áreas públicas, de preservação, além da nomenclatura das ruas); nº 002/2013 (Código de Obras e Edificações); nº 003/2013 (Parcelamento de Solo Urbano) e PLC nº 004/2013 (Código de Posturas). Além disso, foi discutido o conteúdo do projeto de lei nº 322/2013 (Normas de Uso e Ocupação do Solo). O anteprojeto do Plano Diretor de Manaus é composto por quatro projetos de leis complementares (PLC) e três projetos de lei (PL).
Além dos vereadores Sildomar Abtibol (PRP) – presidente, Felipe Souza (PTN) – vice-presidente, Elias Emanuel (PSB) – relator; Amaury Colares (PSC), Dr.Alonso Oliveira (PTC), Everaldo Farias (PV), Waldemir José (PT), Rozenha (PSDB), Professor Bibiano (PT) e Marcel Alexandre (PMDB), compareceram à reunião a vice-presidente do Implurb (Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano), Cristiane Sotto Mayor; a arquiteta do Implurb, Cláudia Brito; a diretora-técnica da Semmas (Secretaria Municipal de Meio-Ambiente), Aldenira Queiroz e a procuradora municipal, Ellen Larissa Frota, representando a PGM (Procuradoria-Geral do Município).
Dos dois projetos de lei que foram analisados nesta segunda-feira, o único que causou questionamentos aos vereadores foi o que trata da Área Especial de Interesse Social (AEIS – PL nº 321/2013) no que diz respeito à construção de edifícios.
Atualmente, o Plano Diretor só permite que sejam construídos, sem elevador, empreendimentos de até quatro andares. Com a nova proposta, prédios de até cinco andares poderão ser construídos sem elevador, desde que a distância entre o piso do térreo e o piso do último andar não seja superior a 11 metros, ou seja, o empreendimento só poderia ter altura máxima de 2,5 metros por andar, ou total de 12,5 metros de altura.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email