Cesta básica avança 3,31% em março

Manaus continuou, pelo segundo mês consecutivo, a ocupar a sexta posição no ranking das capitais com a cesta básica mais cara do país (R$ 231,31). É o que indica a pesquisa da Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) para março, que aponta o valor como o mais alto registrado pela entidade desde outubro de 2008. Em comparação ao mês anterior, contudo, a variação da cesta foi uma das mais baixas (3,31%) do Brasil.
Os principais itens responsáveis pelo aumento na capital amazonense foram o tomate (12,53%), a banana (8,70%) e a farinha de mandioca (3,21%). Em contrapartida, o açúcar, que teve alta em 12 capitais brasileiras, obteve uma variação negativa em Manaus (-3,76%).
“Geralmente o tomate já tem uma grande variação e nessa época de chuva a qualidade do fruto ainda tende a cair”, explicou a economista e supervisora técnica da Dieese/AM, Alessandra Cadamuro.
Já o presidente da FCDL/AM (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Amazonas), Ralph Assayag, atribui o alto valor da cesta da capital ao frete. Como Manaus só produz 10% do que consome, os outros 90% acabam vindo de fora do Estado, principalmente de São Paulo. “O frete triplica a cesta básica de Manaus. Esses produtos fazem um longo caminho até chegar aqui. De São Paulo para Belém, em caminhões, e de Belém para Manaus, a viagem é feita em balsas, onde os produtos são acondicionados em câmaras frigoríficas. Isso, além da avaria, que é de mais de 20%”, ponderou.

Baixa qualidade

No Amazonas, assim como no restante do país, o principal responsável pela alta da cesta em março foi o tomate. Além do preço elevado, o vegetal está com baixa qualidade. As condições climáticas adversas desorganizaram a produção, e tornaram necessário o replantio nas principais regiões produtoras. Os aumentos mais expressivos foram notados em Curitiba (75,39%), São Paulo (73,13%), João Pessoa (67,78%) e Rio de Janeiro (64,31%).
O preço da cesta básica aumentou em todas as 17 capitais pesquisadas pelo Dieese em março, no comparativo com o mês anterior. Os dados divulgados apontam aumentos significativos em São Paulo (10,49%), Recife (9,74%), João Pessoa (9,49%) e Brasília (9,00%). Por outro lado, as menores variações foram verificadas em Natal (2,91%), Fortaleza (3,13%), Manaus (3,31%) e Vitória (3,33%).
A cesta básica mais cara continua sendo a de Porto Alegre, que subiu 7,8% no mês (R$ 257,07), seguida de São Paulo (R$ 253,74), Rio de Janeiro (R$ 240,22), Brasília (R$ 236,41), Vitória (R$ 232,23), Manaus (R$ 231,31), Curitiba (R$ 231,30), Florianópolis (R$ 229,80), Belo Horizonte (R$ 224,37) e Belém (R$ 215,72). Os menores custos foram registrados em Aracaju (R$ 181,70) e Fortaleza (R$ 182,43).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email