17 de maio de 2021

30% dos brasileiros vai usar 13º para pagar dívidas

No ano em que o endividamento das famílias atingiu o pico da série histórica do Banco Central, quase um terço dos recursos da segunda parcela do décimo terceiro (30,3%) recebida por parte da população deve ir direto para o pagamento de dívidas, segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC).

O pagamento da segunda parcela foi realizado pelos empregadores até o último dia 20, a quatro dias do Natal. O abono natalino, porém, não deve alavancar tanto o comércio como nos anos anteriores.

O pagamento do 13º aos aposentados e pensionistas foi antecipado, e terminou de ser pago em junho. Além disso, trabalhadores que tiveram contratos suspensos pelas empresas também receberão um valor menor de décimo terceiro neste ano.

Segundo a CNC, a injeção ano foi menor este ano. Em 2019, o montante pago na forma de 13º salário foi de R$ 216,2 bilhões na economia. Em 2020, serão R$ 211,3 bilhões.

Além da inserção menor na economia, o resultado do estudo indica que a renda da população ficou comprometida este ano, o que diminui a margem para gastos com bens (30,2%) e serviços (29,4%) e dificulta a poupança de recursos, em que apenas 10,1% do valor da segunda parcela do benefício deverá servir para gastos futuros.

Segundo dados do Banco Central , o endividamento das famílias atingiu 48,9% em agosto. É o maior patamar de endividamento desde o início da série histórica, em 2005.

“Houve um impacto na renda das famílias por conta da pandemia, e agora elas tendem a direcionar o décimo terceiro para dívidas porque o nível de endividamento foi alto”, explica Fabio Bentes, economista-chefe da CNC, responsável pelo estudo.

Com parte do abono comprometido com o pagamento das contas atrasadas, o consumidor deve comprar menos presentes de Natal . E o varejo, que eliminou as perdas provocadas pela pandemia e cresceu 0,6% em novembro, segundo o IBGE, perde fôlego na reta final.

De acordo com o CDLRio e o SindilojasRio, que juntos representam mais de 30 mil lojistas da cidade, o crescimento esperado de 3,5% não deve acontecer, já que os comerciantes ainda não sentiram o aumento das vendas. Entre os motivos estão o aumento de casos da Covid-19 , o desemprego alto e a queda na renda das famílias.

“As pessoas que não perderam o emprego têm medo de perder, e o comércio, que já não vinha bem, deve fechar as vendas do Natal no negativo esse ano”.

Inadimplência deve subir no primeiro trimestre

A lenta retomada do mercado de trabalho em 2021, por conta das incertezas da Covid-19, somado ao fim do auxílio emergencial , devem fazer com que a inadimplência suba no primeiro trimestre. De acordo com a Serasa Experian, o número de inadimplentes foi de 61,9 milhões em novembro. É a terceira queda consecutiva, mas as incertezas expressas sobre o ano que vem pressionam.

“Ainda estamos tendo um grande movimento de renegociação das dívidas e isso tem a ver com o uso do auxílio emergencial para quitações e com a taxa de juros básica mais baixa”.

Mas a recomposição do mercado de trabalho é o que dá sustentação para diminuir a inadimplência, porque se ficar só em cima da Selic emergencialmente baixa e da vigência de um auxílio, mesmo que desidratado no ano que vem, não resolve.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email