Fraudes mancham futebol brasileiro

Compartilhe:​

Nem o futebol brasileiro, que encanta tantos países em todo o mundo, escapa das fraudes no Brasil. Algo que só contribui para prejudicar ainda mais a imagem de um esporte que turbinou a divulgação do País, favorecendo aliados políticos no cenário internacional, além de empreendimentos que possibilitaram prosperidade econômica, gerando empregos e renda.

Ontem, o ministro da Justiça, Flávio Dino, determinou que a PF (Polícia Federal) instaure inquérito para investigar indícios de manipulação de jogos. “Diante de indícios de manipulação de resultados em competições esportivas, com repercussão interestadual e até internacional, estou determinando hoje (ontem) que seja instaurado Inquérito na Polícia Federal para as investigações legalmente cabíveis”, publicou Dino em seu perfil em uma rede social.

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) também se pronunciou sobre o assunto nessa quarta-feira (10), informando, por meio de nota que o presidente da entidade, Ednaldo Rodrigues, “enviou ofício à Presidência da República e ao Ministério da Justiça, solicitando que a Polícia Federal entre no caso, com o objetivo de centralizar todas as informações a respeito dos casos em investigação”.

Além disso, a entidade máxima do futebol brasileiro afastou qualquer possibilidade de interromper a edição 2023 do Campeonato Brasileiro e afirmou que trabalha “em conjunto com a Fifa e outras esferas internacionais para um modelo padrão de investigação” do caso.

O anúncio do Ministro da Justiça foi feito um dia após o MP-GO (Ministério Público de Goiás denunciar à Justiça 16 pessoas por fraudes para manipular resultados de 13 partidas de futebol (oito do Campeonato Brasileiro da Série A de 2022, uma da Série B de 2022 e quatro de campeonatos estaduais de 2023) para favorecer apostas esportivas.

Segundo nota da assessoria de imprensa do MP-GO, a denúncia, assinada por promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e da Promotoria de Combate ao Crime Organizado, é resultado da Operação Penalidade Máxima II.

“Trata-se de atuação especializada visando ao aliciamento e cooptação de atletas profissionais para, mediante contraprestação financeira, assegurar a prática de determinados eventos em partidas oficiais de futebol e, com isso, garantir o êxito em elevadas apostas esportivas feitas pelo grupo criminoso em casas do ramo, como www.bet365.com e www.betano.com. O grupo se vale, ainda, de inúmeras contas de terceiros para aumentar seus lucros, ocultar reais beneficiários e registra a atuação de intermediadores para identificar, fornecer e realizar contatos com jogadores dispostos a praticar as corrupções”, declararam os promotores.

Entre os denunciados está o zagueiro Eduardo Bauermann, afastado pelo Santos a partir da última terça-feira (9), de forma preventiva, “diante dos novos desdobramentos divulgados na Operação Penalidade Máxima II”.

Também foram denunciados os jogadores: Gabriel Tota (Ypiranga-RS), Victor Ramos (Chapecoense), Igor Cariús (Sport), Paulo Miranda (Náutico), Fernando Neto (São Bernardo) e Matheus Gomes (Sergipe).

Nota abre Perfil

Efeito bumerangue

A deputada estadual Joana Darc (UB) foi protagonista no caso da capivara Filó, que teve repercussão mundial. Foi à luta, enfrentou o Ibama, onde invadiu deliberadamente o seu espaço, vociferando que tinha autoridade para tal atitude. Empenhou-se tanto em suas ações, que foram transmitidas ao vivo em live, arrebatando grandes seguidores à sua bandeira em defesa dos animais. Tremendo misancene. E acabou conseguindo uma ação favorável da Justiça que permitiu devolver Filó para o influencer digital Agenor Tupinambá, acusado de maus-tratos e também de se aproveitar da espécie para se projetar nas redes sociais.

Porém, agora vem o efeito bumerangue de toda essa ‘árdua luta’, segundo conceituou a política durante sua militância para fazer valer o que, na sua opinião, era correto, por uma boa causa.  Ontem, ambientalistas e outras lideranças do segmento entraram com uma petição junto à Comissão de Ética da Assembleia Legislativa pedindo que investigue a parlamentar por quebra de decoro. São mais de mil assinaturas que referendam o documento, embasada principalmente no episódio sobre a invasão à sede do instituto, sem permissão. Provavelmente, tal ato (tão espetacularizado) caminhe para uma possível cassação de mandato.

Violação

A reeleição do deputado Roberto Cidade (UB) para a presidência da Assembleia antes de terminar o atual biênio ainda é motivo de contestação. Ao alegar os princípios da moralidade pública, o professor e jurista Weslei Machado ingressou com Ação Popular na Vara da Fazenda Pública Estadual do Tribunal de Justiça do Amazonas para impedir o terceiro mandato do parlamentar, hoje um dos políticos na linha de frente da bancada governista na Casa. Para ele, a medida “violou a necessidade democrática”.

Cobrança

Nada de iniciativas do governo federal. Ontem, o deputado Roberto Cidade voltou a cobrar esclarecimentos por parte do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes quanto às obras de recuperação dos trechos da BR-319 que foram impactados pelo desabamento de duas pontes, uma sobre o rio Autaz Mirim e outra no rio Curuçá. Os convites da Assembleia encaminhados para ouvir o DNIT foram encaminhados ao superintendente regional do órgão, Luciano Moreira de Souza Filho.

Municípios

O Amazonas pode contar com mais cidades. Claro, isso só será possível se houver contrapartida a uma proposta do deputado Sinésio Campos (PT). Ontem, ele voltou a usar a tribuna da Assembleia para defender a aprovação do Projeto de Resolução Legislativa 35, que institui a Frente Parlamentar em Defesa da Criação de Novos Municípios. “Temos a matéria, e gostaria que fosse o mais rápido possível ser colocada em votação pelo plenário”, disse. No entanto, a atual legislação proíbe a iniciativa.

Propaganda

A Amazonas Energia mantém a propaganda na mídia que classifica como defensor do crime quem é contra a instalação dos novos medidores elétricos. A Câmara Municipal de Manaus sustentou que tem legitimidade judiciária para pedir a suspensão da peça publicitária da concessionária por entender como uma afronta à população usuária. Hoje, existe um movimento que tem apoio de políticos e de vários atores sociais que se opõem à implantação do sistema. O impasse voltou a tramitar no Supremo.

Grades

Lula mandou, ontem, retirar as grades móveis de proteção do Palácio do Planalto. A ‘muralha’ permaneceu no local por dez anos. Ele foi conferir de perto os serviços. “O que eu acho é que o Brasil não precisa estar cercado de grades. Deixa livre para a democracia, ela não precisa de muros”, disse o petista a jornalistas ao andar sobre a rampa do prédio. O presidente estava acompanhado da primeira-dama Janja e do ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Paulo Pimenta.

Prisão

Caiu a máscara. O deputado republicano George Santos, filho de brasileiros, foi preso ontem, em Nova York. O político é acusado de cometer fraude, lavagem de dinheiro, desvio de verbas públicas e mentir em declarações no Congresso.  O republicano virou alvo da imprensa e das autoridades nos Estados Unidos por supostamente construir uma rede de mentiras para ser eleito no ano passado. Santos está detido, sob custódia do tribunal federal de Long Island. A oposição exige punição rigorosa.

Multa

A polarização continua impactando o cenário político nacional. O Tribunal Superior Eleitoral decidiu multar em R$ 5 mil o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) pela divulgação, em 2022, de um vídeo com informações supostamente falsas contra o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Postado por Flávio nas redes sociais, o material acusa o petista de ter “relação com o demônio”. Por maioria de votos, os ministros entenderam que o objetivo foi prejudicar a imagem do postulante à Presidência, hoje n o cargo.

Vacinação

Após casos de poliomielite em regiões fronteiriças, o governo federal corre para vacinar pelo menos 6 mil indígenas nos municípios de Envira, Eirunepé, Ipixuna, Itamarati e Jutaí, em 62 aldeias do Amazonas. É a segunda fase da Operação Gota 2023, que acontece a partir de hoje (11), estendendo-se até 30 de maio. A ação é do Ministério da Saúde e conta com o apoio do Ministério da Defesa por meio das Forças Armadas. O suporte logístico dos militares é fundamental para chegar a áreas remotas.

FRASES

“Parlamentar cometeu assédio e ameaça contra servidora pública”.

Abaixo-assinado, sobre atitude da deputada Joana Darc no caso da capivara Filó.

“A democracia não precisa de grades”.

Lula (PT), presidente, após mandar retirar equipamentos de proteção do Planalto.

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário