Pesquisar
Close this search box.

Engolidos pela inovação

Compartilhe:​

Largamente utilizados no passado, os cheques foram engolidos pela inovação que acontece a cada dia. Hoje, poucas empresas e correntistas usam a opção em transações financeiras, ao contrário de outras épocas. O mundo digital revolucionou o mercado, obrigando a adoção de novas alternativas tecnológicas.

Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), o número de cheques usados pelos brasileiros em 2023 apresentou queda de 17% em relação ao ano de 2022. No ano passado, foram compensados 168,7 milhões de cheques. Na comparação com 1995, início da série histórica, quando foram compensados 3,3 bilhões de cheques, a queda registrada é de 95%. As estatísticas têm como base o Compe (Serviço de Compensação de Cheques).

“Os dados também apontam redução no volume financeiro dos cheques e no número dos documentos devolvidos e nos devolvidos sem fundos na comparação desde 1995. Naquele ano, o volume financeiro dos cheques compensados totalizou R$ 2 trilhões. Em 2023 o valor passou para R$ 610,2 bilhões, uma queda de 70,18%. Na comparação com 2022, houve redução de 8,5%, quando o montante atingiu R$ 668,8 bilhões”, informou, ontem, a entidade.

No ano passado, foram devolvidos 18 milhões de cheques, o que representou 10,67% no total de cheques compensados no país, e uma queda de 7,9% na comparação com 2022, quando foram devolvidos 19,5 milhões de documentos. Os cheques podem ser devolvidos por motivos como não terem fundos, por irregularidades ou erro de preenchimento, lembra a Febraban.

A entidade disse ainda que em relação aos cheques devolvidos sem fundos, o total caiu de 15 milhões, em 2022, para 13,6 milhões no ano passado, uma redução de 9%.

Na comparação com 1997, quando esses dados começaram a ser registrados, o número de cheques devolvidos sem fundo foi de 56,8 milhões.

A Febraban credita a diminuição no número de cheques devido ao avanço de meios de pagamento digitais, como internet e mobile banking, e a criação do Pix em 2020.

“A pandemia estimulou o uso dos canais digitais dos bancos e, hoje, quase 8 em cada 10 transações bancárias realizadas no Brasil são feitas em canais digitais, como o mobile banking e internet banking (77%). Soma-se a isso a preferência dos brasileiros pelo Pix, que vem se consolidando como o principal meio de pagamento utilizado no país”, afirma Walter Faria, diretor-adjunto de Serviços da Febraban.

Em relação aos pagamentos, a Febraban destaca que apesar da redução no volume de transações, o tíquete médio do cheque aumentou no último ano: passou de R$ 3.257,88 em 2022 para R$ 3.617,60 em 2023. Segundo a entidade, isso pode ser explicado como uma escolha dos brasileiros para as transações de maior valor

Nota abre Perfil

Turbinando a indústria

Uma nova bolha promete turbinar a economia brasileira. Ontem, o presidente Lula anunciou um pacote de investimentos de pelo menos R$ 300 bilhões para a indústria, hoje extremamente estagnada e sem fôlego para dar a contrapartida exigida pelo mercado nacional e internacional diante de um cenário muito competitivo. Na verdade, as atividades industriais do País convivem com condições adversas. Tecnologias estão obsoletas.  Gargalos tributários engessam iniciativas que poderiam impulsionar o setor.

A mão-de-obra não acompanha a qualificação necessária a um mundo globalizado para operacionalizar a inovação tecnológica. São apenas alguns fatores de centenas existentes atualmente, que demonstram o quanto estamos distantes de sermos mais competitivos. As novas medidas reeditam políticas de antigas gestões petistas ao prever o aporte de recursos em financiamentos e subsídios ao segmento, até 2026, além de um novo viés em obras e compras públicas, com incentivo ao conteúdo local, como a exigência de fornecedores brasileiros.

Subsídios

As verbas de incentivo à indústria são irrigadas principalmente pelo BNDES, que mobiliza R$ 250 bilhões dos R$ 300 bilhões previstos em créditos subsidiados no novo pacote de medidas para impulsionar a indústria nacional. Deste total, R$ 77,5 bilhões já foram aprovados em 2023, sendo R$ 67 bilhões do banco de fomento e R$ 10,5 bilhões da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A nova política industrial foi anunciada no Palácio do Planalto por Geraldo Alckmin, vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços.

Subsídios 2

O caminho está livre. Uma das linhas já disponíveis é o Programa Mais Inovação, que concede crédito cobrando a variação da Taxa Referencial mais um adicional de 2%. Segundo o Palácio do Planalto, trata-se dos “menores juros já aplicados para financiamento à inovação no País”. Outros R$ 20 bilhões virão da Finep por meio de recursos não-reembolsáveis, ou seja, que não precisam ser devolvidos e que serão distribuídos por meio de chamadas públicas e editais. É o fomento tão esperado.

Críticas

Nem todos, porém, veem com bons olhos o novo pacote de medidas do governo central. Economistas são críticos ao formato e avaliam a iniciativa como um “vale a pena ver de novo”. O economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale, afirmou que a política é uma “velha roupagem de coisas que a gente já conhece: uma velha política industrial baseada em usar recursos públicos”, disse ele. Ele se refere ao estímulo à industrialização do primeiro governo Lula, que elegeu empresas de setores específicos.

Defensiva

Velho conhecido da política brasileira, o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, rebateu as críticas e defendeu a volta do investimento estatal, alegando que outros países também estão nessa trilha. “Precisamos fazer um debate franco. Eu quero perguntar a esses que escrevem todos os dias dizendo que estamos trazendo medidas antigas: me expliquem a China? Por que a China é o país que mais cresceu no mundo nos últimos 40 anos? Me explique a política econômica americana”, argumentou.

Amazônia

Novas oportunidades. A Sudam aprovou o financiamento de 60% do valor do projeto de Usinas Termelétricas e Gás Natural, da empresa Eneva, com capacidade instalada de 360 MW, localizadas no município de Silves, no Amazonas. Segundo anunciou a estatal, os novos recursos serão subsidiados pelo Fundo de Desenvolvimento da Amazônia. O aporte de R$ 626 milhões será liberado ao longo deste ano para construção e instalação de infraestrutura de um complexo composto de gasodutos.

Piscicultura

O governo do Amazonas impulsiona a piscicultura. Ontem, o governador Wilson Lima entregou 100 mil alevinos de tambaqui, 8,7 mil mudas de café e citros (laranja e limão), 45 toneladas de alimentos e 101 Cartões do Produtor Primário, entre outros itens que beneficiam mais de 420 produtores rurais de Manaus e da Região Metropolitana. A ação aconteceu no recém-inaugurado Parque Multiuso Dr. Eurípedes Ferreira Lins, no quilômetro 2 da BR-174, que abrigou 45ª Expoagro em dezembro de 2023.

TCE

O TCE-AM investe em maior transparência. Nesta terça-feira (23), a 1ª Sessão Ordinária do Tribunal Pleno será transmitida ao vivo pelas redes sociais da Corte de Contas. Conselheiros irão debater e decidir sobre uma ampla gama de assuntos relacionados às suas competências. Julgamento de contas de gestores, análise de processos financeiros, orçamentários e patrimoniais, apurações de irregularidades, emissão de pareceres, são alguns dos temas que compõem as pautas a serem apreciadas.

Mandato

Ontem, Pauderney Avelino (UB) assumiu, oficialmente, o cargo de deputado federal em substituição a Fausto Júnior, hoje secretário de Estado do Amazonas. O parlamentar fez questão de registrar o momento em que prestou o juramento para assumir o mandato, publicando um vídeo em seus stories no Instagram. No breve pronunciamento, ele expressou seu compromisso com o serviço público e a representação dos interesses da população amazonense. Esperamos que não seja apenas retórica.

FRASES

“Setor primário representa grande força”.

Wilson Lima (UB), governador, ao beneficiar produtores rurais.

“Não tem como rever a indústria sem uma nova relação de Estado”.

Aloízio Mercadante, presidente do BNDES.

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar