22 de julho de 2024
Pesquisar
Close this search box.

Brasil BioFuels investe em biocombustíveis com nova refinaria em Manaus

Compartilhe:​

Empresa 100% nacional, fundada em 2008 pelo CEO Milton Steagall (foto), a Brasil BioFuels se tornou uma potência no ramo do agronegócio sustentável na região Norte do país e que – tão cedo – não pretende abandonar os planos de crescimento. Um deles, inclusive, diz respeito ao lançamento em 2025 de uma biorrefinaria na capital amazonense, mas esse assunto é mais adiante!

O carro-chefe da companhia é a extração do óleo de palma que a empresa utiliza para fins comerciais e de pesquisa. Excelente opção para reduzir a emissão de gases na atmosfera, a substância é comumente utilizada na culinária e pode ser encontrada em biscoitos, cremes, sorvetes e recheios. O óleo de palma representa 72% da destinação para essa finalidade, conforme dados da Associação Brasileira de Produtores de Óleo de Palma (Abrapalma).

Além da indústria alimentícia, o óleo de palma possui outras aplicações nas áreas de higiene e limpeza, fármacos e lubrificantes. Atualmente, é na Amazônia que a palma de óleo  (Palmeira Elaeis guineenses) tem sua maior produção. O CEO cita um estudo feito pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) sobre as áreas de plantio, que identificou na Amazônia 31 milhões de hectares aptos a receber o cultivo da cultura.

“A palma de óleo atinge sua fase adulta em cerca de quatro anos, e a partir de então já é possível colher seus frutos, utilizados na produção do óleo de palma. Possui 10 vezes mais rendimento que a soja na produção de óleo vegetal, são cerca de 4 toneladas de óleo por hectare anualmente. É uma cultura perene e robusta com ciclo produtivo superior há 35 anos. Em maio de 2010, o governo federal publicou um decreto com o Zoneamento Agroecológico da Palma de óleo, que definiu áreas preferenciais e regulares para o cultivo. A iniciativa proíbe a derrubada de floresta para essa finalidade e determina que o cultivo seja feito apenas em áreas previamente aprovadas, que tenham sido desmatadas até 2007. Além de inibir novos desmatamentos, a medida encontrou uma solução para os erros passados. O objetivo é que o equilíbrio ecológico seja reestabelecido nessas áreas.”, explica.

A empresa atua no Pará, Roraima, com áreas de produção e cultivo. No Amazonas, Acre e Rondônia a BBF possui usinas termelétricas para abastecimento de energia nas comunidades locais.

De acordo com dados fornecidos pela corporação, a BBF possui 68 mil hectares para cultivo, sendo 8 mil ha no município roraimense de São João da Baliza e outros 60 mil ha nas cidades paraenses de Acará, Concórdia, Moju e Tomé-Açu.

Ainda conforme a BBF em 2022, a produção bateu 147 mil toneladas do óleo de palma, que foi processado em usinas próprias. A empresa atua no plantio, manejo, processamento e comercialização do óleo. Ao todo, a BBF emprega 6 mil funcionários diretos e outros 18 mil indiretos.

Com sede em Belém/PA, a empresa possui planos de entrada na Zona Franca de Manaus até 2025 com a construção de uma biorrefinaria para atender ao mercado regional. O investimento gira em torno de R$ 2,2 bilhões e as instalações terão capacidade produtiva anual de 500 milhões de litros, em dois focos de atuação: o Combustível Sustentável de Aviação (SAF) e o Diesel Verde (HVO).

A empresa pretende contratar 120 pessoas para atuarem  nas atividades da planta na capital amazonense. Segundo Steagall, a entrada no polo fabril amazonense ampliará as iniciativas voltadas para o desenvolvimento econômico e de preservação no meio ambiente. “A BBF tem atuado na descarbonização da Amazônia, concentrando suas atividades no Norte do país e, ao mesmo tempo, gerando emprego e renda. Nosso modelo de negócio demonstra que a própria região nos oferece as soluções sustentáveis para substituir os combustíveis fósseis. A biorrefinaria é mais um novo passo nessa direção”, cita.

(FOTO)

Biotech levanta R$ 10 milhões e foca na produtividade agrícola sustentável

É quase impossível a gente não se deparar diariamente com notícias e informações referentes à preservação ambiental, soluções para mitigar impactos no meio ambiente ou mesmo ações de sustentabilidade que promovam o desenvolvimento da economia verde e a segurança ambiental do planeta. Não há como ser diferente! E a Symbiomics, startup que produz alternativas sustentáveis aos agrotóxicos, não está de brincadeira.

A biotech foi criada em 2021 e já promete fazer a diferença vencendo alguns dos maiores desafios na agricultura, desenvolvendo soluções que elevem a produtividade do campo de forma sustentável, evitando impactos ambientais. Pra isso, a startup utiliza produtos biológicos de nova geração que contêm microrganismos novos e tecnologias disruptivas.

Os recursos foram captados através dos fundos MOV e Baraúna Venture Capital que participaram da primeira rodada de investimentos. A startup já havia recebido um aporte da Vesper Ventures em 2022.

Pesquisa viabiliza produção de Pirarucu em lata

Salmão, sardinha e caranguejo são algumas proteínas que podem ser conservadas em latas. A ideia de conservar alimentos dessa forma não é de hoje. Em 1809, um francês, a pedido de Napoleão Bonaparte, deu o jeito dele e, conforme pedido do líder militar, conseguiu levar comida em conserva para enfrentar o período de batalhas. De lá pra cá, a gente já conhece o rumo dessa história! Agora é a vez do querido e saboroso peixe Pirarucu deitar-se graciosamente numa latinha e fazer a alegria de muita gente.

A pesquisa sobre o peixe amazônico em conserva foi desenvolvida por pesquisadores da Embrapa Amazônia Oriental (PA)  e da Embrapa Agroindústria de Alimentos (RJ), que querem ampliar geograficamente a comercialização do filé do Pirarucu e movimentar o mercado, agregando valor, fortalecendo a bioeconomia e tornar-se uma opção saudável de alimentação.

 Essa é uma ótima saída para escoar um produto que – na forma fresca – conserva alguns desafios, como estocagem e resfriamento, o que precisa da figura do atravessador, encarecendo muito o produto.

Agora, com a tecnologia disponível as empresas interessadas podem dar continuidade e seguir adiante com a produção em escala.

RÁPIDAS & BOAS

O Lappa Vieiralves recebe no sábado (28/1), a partir das 21h, o cantor Chrigor, ex-Exaltasamba. Na ocasião, o palco do Lappa também receberá o grupo Agora é Noiz e o cantor Uendel Pinheiro. Os ingressos custam R$ 40 e podem ser adquiridos na bilheteria da casa de show. Outras informações pelo telefone (92) 9 9402-6680.

**************************************************

A Mentorama, escola online focada nas profissões digitais mais procuradas e pioneira em oferecer aulas com mentores no Brasil, irá realizar webinar gratuito intitulado ` UX Design: por que essa profissão passou a ser tão importante?´. O encontro será na quarta-feira (1º/2), às 19h (horário de Brasília). Informações e inscrição estão disponíveis pelo link (https://bityli.com/w04h4).

**************************************************

O Programa Prioritário de Bioeconomia (PPBio), coordenado pelo Idesam, promove a 1ª Oficina de Bioeconomia da Amazônia, que acontecerá nos dias 1º e 2/2, na cidade de Tefé, no interior Amazonas. O evento será realizado na sede da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, localizada na Rua Getúlio Vargas, nº 21. Na ocasião, haverá a seleção de um projeto para receber o aporte de R$ 500 mil pelo PPBio.

**************************************************

Na sexta-feira (3/2), a partir das 9h30, irá ocorrer no Auditório Belarmino Lins, na Assembleia Legislativa do Amazonas, o lançamento do livro “Do Planejamento à Tática para as Melhores Práticas: Case Presidente Figueiredo – Am”, este é o título da obra do deputado estadual e comandante DAN. O lançamento será aberto ao público.

Cristina Monte

Cristina Monte

Cristina Monte é articulista do caderno de economia do Jornal do Commercio. Mantém artigos sobre comportamento, tecnologia, negócios.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:​

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar