29 de janeiro de 2022
Escritor, consultor do CIEAM e editor-geral do portal BrasilAmazoniaAgora
Escritor, consultor do CIEAM e editor-geral do portal BrasilAmazoniaAgora

Alfredo Lopes

A rodovia Manaus-Itacoatiara está imprestável – Parte I

Nelson Azevedo Decididamente, são múltiplas as vocações de negócios daquele município, o que determina o papel vital da lendária rodovia, construída no mandato de três governadores nas décadas de 50 e 60, a saber, Plinio Coelho, Gilberto Mestrinho e Arthur Reis. O leque de negócios promissores tem uma lista que é robusta onde todos os itens se reportam às demandas de infraestrutura, a começar pela recuperação e duplicação da Rodovia AM-010. A primeira e mais simbólica conexão rodoviária do Amazonas está intransitável e isso precisa de uma intervenção urgente! Os gritos de insatisfação vem de todos os lados. Os usuários

Novas cadeias globais de valor e o fim do PPB

Por Nelson Azevedo*  Na verdade, toda crise esconde uma janela de oportunidades. Aliás, a palavra crise, da qual se origina a palavra crítica – no sentido do discernimento e análise de um fato – nos remete ao ato de distinguir, interpretar, avaliar e decidir, de acordo com cada ocasião. Neste contexto, a despeito da tragédia mundial causada pela pandemia da Covid-19, e suas variações, perdas de vidas e graves sequelas, a crise aí embutida nos trouxe lições preciosas, descobertas de problemas e o imperativo inteligente de múltiplas saídas nas janelas escancaradas de oportunidades. Precisamos debater exaustivamente essas questões pois aí

O rio comanda nossas vidas

Thiago Terada(*)  O manauara tem uma relação umbilical com as águas. A cidade é cercada pelo rio Negro, cortada por igarapés e conta com um dos pontos turísticos naturais mais impactantes do mundo, o Encontro das Águas. Fenômenos como a cheia e a vazante transformam a rotina da cidade ao longo do ano e, entre um banzeiro e outro, os laços entre a população da capital amazonense e as águas seguem inabaláveis.  Desde a chegada do grupo Aegea por aqui, há três anos e meio, observamos esse relacionamento intenso entre o manauara e as águas. E estamos contribuindo para que

Qual o lugar da Amazônia na agenda dos presidenciáveis?

Por Nelson Azevedo O mundo passou a nos olhar com desejo desde a busca das famosas e preciosas “ervas do sertão”, uma demanda da Europa carente de conservantes para sua segurança alimentar. A Amazônia, assim, passou a ocupar um lugar de destaque na agenda econômica mundial. Com o debate da equação meio ambiente e desenvolvimento, acirrado no início dos anos 90 – com a preparação da Conferência da ONU, realizada no Brasil, a Rio 92, sobre o tema – nossa região ficou no centro da discussão nesta querela recorrente entre meio ambiente e aquecimento global. Mesmo assim, tema prioritário no debate planetário, a Amazônia

JCAM, a manchete que antecipou a Bioeconomia na Amazônia

Como celebrar o aniversário 117º aniversário do Jornal do Comércio sem visitar a história que este matutino registrou em suas páginas centenárias? Com várias décadas sob a direção do historiador e jornalista Vicente Reis, pai do governador do Amazonas, Arthur Reis (1964-1967), o jornal vive desde suas origens o dia-a-dia dos paradoxos de nossa economia amazônica, sempre marcada por altos e baixos da presença tímida do Brasil em seu planejamento e gestão. Recomendo, a propósito , o acesso fácil de sua memória cotidiana no acervo digital da Biblioteca  Nacional disponível de forma organizada e com boa qualidade de leitura na web.

Manaus, a perene ilusão do Fausto

Manaus 351 anos… a capital do Amazonas que registra duas oportunidades históricas de experimentar a prosperidade socioeconômica para sua gente. A primeira foi oferecida pela Árvore da Fortuna, a seringueira, de 1880 a 1910. O Brasil se limitou a exportador do produto in natura e a se abastecer seus cofres federais a maior parte do apurado da ocasião. Na segunda oportunidade, o programa Zona Franca de Manaus, com 53 anos de resistência, padece a voracidade da compulsão fiscal do país, que seguiu tratando a capital do Amazonas como seu paraíso fiscal, um verdadeiro Baú da Felicidade tributária. Por isso, seria