Sucessivos fracassos

Os sucessivos fracassos na articulação política do atual governo se constituem em fatos aguardados; em razão do presidente escolhido pelo TSE  estar com os olhos vendados sobre a situação do cenário político atual.   “O governo está entre o ruim e o pior” na visão da comentarista de economia Míriam Leitão.

Bem pior foi o presidente se calar diante da agressão sofrida pela repórter da Globo,  que levou um soco no peito dado por um  segurança do ditador  Maduro, isso ocorreu no Palácio do Itamaraty. Soco não foi na jornalista, mas na imprensa. E o que fez o presidente: nada — foi conivente com o ato covarde. Já sabemos não haver diferença entre Maduro e Lula — ambos são comunistas.  Lula tenta impor uma ditadura no Brasil, caso isso ocorra será um país de miséria: o desemprego crescerá; as exportações despencarão e o Real será desvalorizado no mercado internacional.

A narrativa do presidente foi vergonhosa, além de mentirosa; tanto que foi  refutada pelo presidente do Uruguai. E o que dizer do cancelamento do jantar que seria oferecido aos presidentes de países vizinhos? Todos perceberam a “armadilha” arquitetada pelo Pai dos Pobres e pularam fora. Ademais, todos lembram que Lula foi chamado de “anão diplomático” no último encontro do G7 no Japão — uma  vergonha! Porém, dizer que a jornalista agredida simulou a agressão foi um golpe baixo.

A Venezuela é um vexame internacional porque: não existe eleição livre,  liberdade política,  direito de expressão e nem de imprensa — Maduro sucedeu Chávez há 10 anos. O país vive uma ditadura política, inexistindo democracia; são 27 milhões de venezuelanos que deixaram o país. Aqui no Brasil, um ex-presidiário  que saiu da prisão para reestruturar o socialismo, recorre à mentira para destruir o país.  É lamentável o que acontece, atualmente: o aumento da pobreza e a concentração do poder nas mãos de um presidente comunista que destrói  a democracia  e tenta acabar com o direito de propriedade.

Por último, diante da situação caótica que ocorre na fronteira, 10 militares venezuelanos cruzaram a divisa e abandonaram  seu país. Por quê? Fome, miséria e futuro inexistente…

E, o que dizer da nomeação do advogado de Lula  para o STF? Míriam Leitão, comunista de carteirinha disse: “Escolha de  Zanin quebra o princípio da impessoalidade” — quebra também o princípio da moralidade.

Manaus,  06 de junho de 2023

JOSÉ ALFREDO FERREIRA DE ANDRADE

Ex-Conselheiro Federal da OAB/AM nos Triênios 2001/2003 e 2007/2009 – OAB/AM 

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário