Pesquisar
Close this search box.

Economia e demagogia

Este ano a semana da Pátria foi totalmente fora dos padrões tradicionais e quebrando as expectativas de todas as vertentes existentes no nosso país. Eu sempre gostei, desde meus antiquíssimos tempos de criança, de acompanhar as cerimônias do Dia da Independência, com as paradas militares, os voos da esquadrilha da Fumaça, os tanques e toda a parafernália que cada estado e cada corporação buscava superar.

No entanto tivemos uma verdadeira guinada, quando houve esta troca de parada militar por manifestação democrática, convocada quase um mês antes, com as paradas militares substituídas pelo povo nas ruas pedindo de volta seus direitos. Do outro lado, grupos de esquerda apoiados por uma imprensa marrom fazendo de tudo para desmerecer o movimento, chamando de antidemocrático e de “Golpe”, taxando à sua vã necessidade cada imagem que lhes interessava. 

Poucas vezes o povo brasileiro se dispôs a ir à rua lutar por seus direitos, principalmente tendo a consciência destes direitos e geralmente o resultado destas lutas foram mudanças bastante significativas para o nosso país. No cenário atual, temos um governo que desbancou uma ditadura de esquerda que tomou conta do Brasil por mais de duas décadas, depois de ter fracassado na mesma tentativa na década de 60, quando o povo nas ruas legitimou as Forças Armadas a impedir João Goulart a assumir o governo e implantar um regime Socialista em nossas terras. 

Infelizmente, antes que pudesse implantar sua pauta de medidas práticas, o governo Bolsonaro teve que enfrentar a pandemia, que obrigou a um desvio de verbas para a saúde, deixando a brecha que muitos dos antigos queriam para roubar o povo com os superfaturamentos, compras fantasmas e até obras desnecessárias e superfaturadas. O próprio escárnio sobre a desgraça social e humana, realizado por quem se acostumou a simplesmente depenar o erário em todas as esferas, sem ser importunado. O mais absurdo de tudo é quando se vê e ouve este grupo que luta pela volta da roubalheira, falar em democracia e defesa da população e da ética política, coisas que passam longe de seus pensamentos e atos. 

A demagogia em seu mais alto grau vem provocando seus estragos em uma população já sofrida e tão carente de bons políticos, que se acostumou a acreditar que o governo poderia ser a salvação de suas vidas, quando na verdade sempre foram os escravos destes governos. Grupos e pessoas que lutaram como militantes guerrilheiros em 64 para manter o socialismo no Brasil, explodindo bancos, sequestrando aviões, roubando e matando, chegaram ao poder e até mesmo à presidência de nosso país, comandando uma reforma constitucional que promoveu a pior das constituições que o Brasil já teve desde a sua descoberta, a de 1988. 

As consequências que hoje amargamos, sem reservas para investimentos na infraestrutura, com valores que foram mandados ilegalmente para outros países, para construção de pontes, portos, refinarias, hidrelétricas e outras coisas mais, fazem muita falta em plena pandemia para a construção de hospitais e compra de remédios e vacinas. Parece que uma boa parte da população já conseguiu se conscientizar da amplitude deste processo, sem olhar apenas para os problemas atuais, sem medir os fatos errados que aconteceram nas duas décadas de engano político-ideológico imposto ao nosso povo. Falta ainda entender o quanto a pandemia impediu que se realizasse a verdadeira mudança que estava prevista, para resgatar a dignidade de nosso povo. 

Com todas as críticas, o Brasil vai seguindo na vacinação de sua população, mesmo com aqueles “imbirrentos” que não querem tomar a segunda dose, ou que não aceitam usar a máscara para ajudar a vencer mais rapidamente este inimigo invisível. O tempo mais seco que se tem notícias, atinge parte do território brasileiro, na Chapada dos Veadeiros ou mesmo em parte de Minas Gerais ou São Paulo, deixando a imprensa marrom chateada por não poder falar que a Amazônia está se extinguindo. No mundo inteiro as queimadas estão ameaçando cidades e países por conta do tempo seco, tirando do Brasil o foco desta desgraça natural.

Vamos esperar os acontecimentos para conferir se mais uma vez a interferência popular com o peso que esta teve, assim como as outras de tempos passados, vai ser suficiente para colocar certos anti-patriotas em seu devido lugar e fazer as mudanças acontecerem. É O QUE EU ESPERO.

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar