Decisões para a carreira

Muitos profissionais realizam muito menos do que poderiam, simplesmente porque se distraem e deixam a vida profissional ir fluindo ao sabor do vento. Vão fazendo as coisas, sem se preocupar em traçar um rumo para sua carreira e sem assumir o comando de suas ações.

Muitas pessoas passam a vida de braços cruzados, reclamando dos pais que não lhes deram a criação adequada, da escola que não lhes ensinou, da empresa que não os coloca como CEO. 

Reclamar e lastimar não resolver nenhum problema!

É possível entender que algumas pessoas ainda não se deram conta de que suas carreiras são de responsabilidade única e exclusivamente de si mesmas. Não podemos responsabilizar ninguém pelas escolhas profissionais, pela estagnação no trabalho, pelas faltas de perspectivas, por sonhos frustrados.

Certamente, você pode ter começado na vida profissional por uma recomendação dos pais ou próximos, mas permanecer nela, é sua escolha. 

Você pode fazer parte de um quadro de funcionários de uma empresa sem oportunidades, mas planejar e arriscar um novo emprego ou ficar paralisado esperando que a organização mude é sua decisão. 

Você pode estar emaranhado em dificuldades por ausência de competências, por falta de networking ou por qualquer outro motivo, mas destravar sua carreira é uma opção sua.

Não é mesmo uma tarefa fácil, mas no que diz respeito ao plano de carreira os itens tem que ser analisados como uma estratégia de visão de cenário para identificar suas forças, fraquezas e também as ameaças e oportunidades tendo dois aspectos como direção: Os relacionamentos aos objetivos, e, potencial e relacionados ao ambiente.

Infelizmente a maioria das pessoas tem procedimentos decisórios viciosos nas suas escolhas profissionais e isto acaba comprometendo a qualidade de suas escolhas e suas infindáveis queixas. Será que foi ou é assim com você? 

Alguns destes vícios podem ser destacados:

1 – Decisão por puro conforto: tentar fazer o que é mais fácil, mais rápido ou que gere menos esforço para manter-se confortável. Quando falamos de ter uma carreira confortável e agradável não significa que ela manterá na zona de conforto. Não precisa ser uma zona de risco, mas certamente, para construí-la e mantê-la haverá um conjunto de sacrifícios indispensáveis para conquista-la. 

Lembro ainda que a cada novo nível, novo degrau. Tudo bem se você continuar subindo. Tudo bem se desejar parar. No entanto, não sobre o preço da frustração.

2 – Decisões com base na ignorância: não ter a visão apropriada do cenário. Não possuir informações adequadas sobre o contexto. Não entender o ambiente da rotina. Estes são alguns pontos que fazem muitos embarcarem em uma verdadeira aventura profissional completamente desprevenidos para os riscos e perigos existentes em toda e qualquer profissão. 

3 – Decisões dirigidas pelas emoções: algumas pessoas agem orientadas pelo medo, outras pela necessidade de conquistar o amor e admiração das pessoas, algumas por suas experiências de vida e querem “vingar-se” com a profissão escolhida. 

Uma escolha profissional não precisa ser para o resto da vida. Podemos ter 5 ou mais profissões ou ocupações profissionais ao longo da existência, mas iniciar uma jornada de trabalho embalado apenas por emoções pode tornar a escolha cansativa, de tempo curto até para aproveitar os benefícios da nova carreira, bem como gerar mais cansaço do que desempenho.

É preciso pensar sobre as escolhas, compreender os sentimentos envolvidos no momento, buscar dados e informações sobre o terreno que pretende pisar, gerar algum conhecimento prévio para entender mais sobre como é cumprir uma semana, um mês, um ano cumprindo estas atribuições.

Com um pouco mais de senso de realidade e menos romantismo, podemos avaliar as próprias circunstâncias de competências, interesse genuíno, gosto pelo trabalho e assumir com mais responsabilidade ao se lançar para sair do generalista e se aprofundar para especializar-se neste campo. Desta forma, estará mais propenso para as oportunidades existentes em toda e qualquer carreira.

Mesmo se você pense que não tem tantas possibilidades ou não conseguirá dinheiro, será sempre possível atrair oportunidades, como – se mostrando ao mercado, ampliando sua rede de contatos nesta área, manter relacionamentos de qualidade para que possa ser indicado, participando de feiras e eventos, ser ativo nas redes sociais sobre o assunto desta atividade e tantas outras que certamente você pode criará ao abrir a mente de que o sucesso é você quem faz.

Sua carreira é sua responsabilidade! Não conseguiremos controlar os outros, torna-los adequados às nossas expectativas, então, é bom não ficar esperando por eles. 

Cintia Lima

Psicóloga, Mentora de Líderes e Master Coach

@psi.cintialima

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário