De quem é a culpa?

Certa vez, um empresário de meia idade entrou numa aventura ao desconhecido, de caráter duvidoso com muitas expectativas e pouca experiência, esse foi o lance da virada da chave, sabe aquele momento em que nada dá certo e tudo acontece?  Mas claro, é aprendizado a todo instante, aí vem momento de curiosidade, desespero, medo e angústia, porque envolve várias pessoas no qual não deveriam estarem envolvidas, coisa de louco mesmo e por aí segue essa pequena historinha ao redor do inesperado.

O empresário havia saído do seu emprego anterior com uma sensação de liberdade e autoestima elevada, com muita vontade de fazer diferente no mercado, e planejou abrir uma empresa de calçados, dizendo ele que as pessoas precisam sempre de novos sapatos, com isso, acordou em uma bela tarde, de um dia qualquer e contou a versão a sua esposa, dizendo que precisaria viajar ao redor do país, para aprender muitas cosias sobre as pessoas e que quando morresse, não morreria ignorante e com uma empresa segura que deixaria para o filho Pedro, com toda bagagem que aderira com a viagem espetacular.

Diante disso, passou três meses guardando dinheiro para a viagem, com seu pensamento totalmente voltado para o que seria sua mudança de vida e prosperidade, com a correria do dia a dia na sua empresa, pouco tempo tinha para se planejar melhor, mas aos finais de semana em encontro com amigos sempre afirmava que sua empresa estaria em crescimento, mas claro, sabia ele e sua esposa que nada dito ali era de suma verdade.

Reunindo-se com sua família, resolveu contratar pessoas para ajudá-lo e veio a idéia de Pedro seu filho pedir ao pai para contratar o Joaquim o seu primo, está a bastante tempo fora do mercado e precisava de emprego, Joaquim feliz com a notícia já foi falando que queria ser seu braço direito devido sua experiência em ter passado por diversas empresas em sua vida.

(O funcionário que gira por diversas empresas em pouco espaço de tempo não tem experiência e nem conhecimento valorizado pois não houve uma estabilidade para resultados).

Com a indicação fantástica de Pedro iniciou-se uma jornada na sua empresa, sabendo que sua viagem estava próxima de se iniciar e meio preocupado, aconselhou-se com sua esposa para colocar uma pessoa de confiança a gerir as outras áreas da sua empresa. Sua esposa muito experiente nos serviços domésticos, afirmava que suas características como dona de casa também iriam influenciar no dia a dia na empresa, porque ela sabia mandar nas pessoas.

Diante as expectativas que antecede a viagem o empresário ainda preocupado em deixar a empresa, mas satisfeito em colocar pessoas de sua confiança na direção da empresa com total responsabilidade na sua ausência e partiu para sua aventura de conhecimento. Durante os dias que se passavam, começou a ligar para a esposa perguntando como estavam as coisas na empresa, e ela prontamente afirmava que estavam boas e que ele não se preocupasse, ligava para o filho e sempre que lembrava afirmava ao filho que a empresa era dele para seu futuro e seu filho afirmava também de sua responsabilidade, como também informava sobre Joaquim que estava tudo sob controle. 

Cada cidade visitada pelo empresário ele conhecia um pouco mais de como gerir uma empresa com responsabilidade e assim fazia sua autoanálise diante dos fatos que ocorriam em sua jornada. Com seus conhecimentos aflorando cada vez mais sobre seu negócio, e diversas informações positivas de cada ligação que fazia para sua família, veio atentando a uma certa desconfiança, porque escutava que obter uma empresa sempre iria lidar com diversos problemas e não era isso que ele recebia de respostas das ligações.

A ideologia empresarial de querer ser empresário é realmente uma jornada de aprendizado constante, pessoas devem ser treinadas e capacitadas para assumir qualquer função séria e com responsabilidade, para uma empresa ser gerenciável na ausência do dono, as pessoas devem ser qualificadas com pensamento empreendedor e o dono em constante aprendizado, confiando sim na equipe, mas, preparada e apostando no crescimento. 

Recrutar pessoas com profissionais treinados, porque esse não é o papel de um dono de empresa, cada um no seu lugar exercendo com qualidade e sendo cobrado pelo resultado esperado, esse é o principal fator dentro de uma organização, seja ela do tamanho que for.

O consultor vem para direcionar o melhor caminho a ser percorrido dentro das características internas, com metodologias estratégicas para otimizar tempo, maximizar resultados e reduzir custos. O empresário deve ter uma mente aberta para aceitar os fatos equivocados de uma gestão ultrapassada e buscar inovar com uma mentalidade inteligente de negócios com profissional capacitado.

O empresário voltou de sua incrível viagem de aprendizado após três meses e com muita ansiedade em mudar muitos parâmetros de melhoria para sua empresa crescer muito, infelizmente se deparou com alto nível de dividas, empresa sem planejamento adequado, desgovernada, pessoas despreparadas, alto índice de rotatividade de empregados e fornecedores com negociações de dívidas. Com isso iniciou-se uma nova jornada de recuperação e controle, perdendo tempo e dinheiro. De quem é a culpa da situação da empresa?

Essa foi uma história de milhões.

Giovanni Montini

Empresário, Consultor Empresarial e Financeiro, Palestrante, Autor literário de Gestão&Negócios

Tel.: 92 99234-5952

Instagram: @giovanni_gestaoenegocios 

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário