Aprendizagem, uma necessidade constante

Como profissionais e pessoas precisamos duvidar mais, criticar mais, planejar mais, determinar mais, agir mais e nos planejar mais. Os dados adquiridos devem ser transformados em informações reais e confiáveis para facilitar nossa tomada de decisão e criar o conhecimento. O desenvolvimento pessoal e profissional deve ser seguido sempre do senso crítico e da capacidade de identificar, analisar e solucionar problemas. Muitas organizações possuem miopia em relação a conceitos como custo, investimento, necessidade iminente e com isso criam problemas dificultando o aprendizado organizacional. A comunicação, o trabalho em equipe, a orientação para processos, resultados e o próprio aprendizado acaba muito comprometido quando a empresa não analisa da forma profissional como deveria. Isto acaba por criar barreiras intransponíveis dificultando com isso a chegada ao sucesso.

O senso crítico é algo extremamente necessário para podermos iniciar um processo de desenvolvimento profissional e pessoal, pois, não podemos aceitar tudo e todos pelo simples fato de já existirem, precisamos pôr em dúvida estruturas, processos e tudo relacionado às organizações que vivemos, e assim poderemos analisar, criticar, criar, desenvolver, melhorar, manter e, também, buscar a perfeição naquilo proposto por nós e por nossas organizações. Precisamos melhorar significativamente e nos capacitar para identificar, analisar e solucionar os problemas existentes. Assim, poderemos fazer a diferença e caso contrário estaremos deixando para trás sucessos que poderíamos compartilhar.

O trabalho em equipe é a base para um sucesso consistente e duradouro nas organizações. A comunicação e a expressão fazem a diferença quando buscamos o melhor entendimento referente a necessidades e facilidades de nossas organizações, pois uma comunicação com muitos ruídos poderá deixar sequelas em todo o processo de difícil resolução prejudicando até mesmo a forma de liderar, atingir metas e objetivos traçados. O trabalho individual egoísta pensando somente em si ainda continua sendo realizado em grandes proporções em nossas organizações e como resultado temos profissionais egocêntricos possuidores de pouca ou nenhuma sensibilidade para o coletivo. Com isso aumenta exponencialmente a necessidade de buscarmos chefes com perfil de líderes para tentarmos resolver tal desequilíbrio em caráter de urgência. A dificuldade é marcante para trabalharmos a formação de uma equipe. Falta foco nas pessoas e nos processos necessários o que cria limitações quando da necessidade de tomadas de decisões.

Muito pode ser feito para melhorarmos o aprendizado organizacional, podemos iniciar pela ação da dúvida, pois assim certamente conseguiremos perceber que cada dia pode ser um novo aprendizado. Criticar pode criar o equilíbrio necessário para buscarmos novos rumos e ideais a fim de transformarmos nossa gestão organizacional em referência para outros. Com certeza o fazer sempre trará como vantagem estarmos, pelo menos entre os melhores, pois o agir sempre fará a diferença e caso estejamos capacitados do modo correto com boa orientação para gerir as pessoas, os processos e os resultados, ultrapassaremos as barreiras aparentemente intransponíveis das dificuldades com dados, informações e conhecimentos suficientes para atingirmos o sucesso.

Flávio Guimarães é Mestre em Engenharia de Processos pela UFPA, Diretor da Guimarães Consultoria e Treinamento Empresarial Ltda., Diretor de Educação da ABRH, Administrador de Empresas, Especialista em Empresas Públicas e Privadas, Pós Graduado em Gestão Estratégica de Negócios, Consultor Empresarial, Pós Graduado MBA Gestão e Docência do Ensino Superior, Professor Universitário (Estácio Amazonas), articulista do Jornal do Commercio e da Amazon Play TV digital e Coordenador de MBA Executivo e dos Cursos de Logística, Qualidade e Recursos Humanos e do LPG – Laboratório de Práticas em Gestão da Faculdade Estácio do Amazonas.

E-mail: [email protected], [email protected]

Jornal do Commercio de 15.08.2023.

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário