A REALIDADE QUE SE DESEJA VIVER

Nílson Pimentel (*)

“Freedom of expression includes the freedom to express your opinion and even not to have an opinion about everything: non-opinion is part of freedom of expression. Not formally participating in democratic life, in the general context of the lives of individuals, can be rational. It does not in itself mean a lesser attachment to the democratic project, it can often result precisely from its consolidation. Non-participation may not be a perversion. Difficult to accept for a society that is still often held hostage by idealism of enlightenment, in which everyone has the time and the obligation to learn about everything or almost everything. The prosperous society of services, entertainment and leisure often chooses to express itself only about the essential and the next. This non-participation is a challenge for democracy, but it can be, paradoxically, a sign of social health. Especially when, precisely, the world of entertainment and communication promotes extreme and militant pluralism, or while it does so. Despite the public pains of political elites, the original sin of representative democracy is not the lack of participation of the represented, but the lack of scrutiny of the representatives. This scrutiny depends on more and better, not less, pluralism, come this pluralism of the networks or the traditional press. We may be choosing between a complacent self-censorship with power, in the mainstream press, and an immoderate sincerity on the networks. The alleged benevolence of polite capitulation to fashion’s intolerances competes today with the unbridled pluralistic virulence of the networks’ stupidity”. (José Tavares – Professor Catedrático na Nova School of Business and Economics e Research Fellow no Centre for Economic Policy Research, de Londres). 

E como diz o sábio “O fanatismo, a insensatez e a inteligência não moram na mesma casa”! O fato já comprovado que o povo em geral, ou como se pode identificar, parcela da sociedade costumam brincar com fogo ou pagar para ver! Em tempos de incertezas, deveis vigiar mais, a conscientização é primordial nessas ocasiões, pois não se pode deixar levar pela massa ignara, sem conhecer os meandros de tal situação ou de fatos ocorridos e intenções daqueles que querem manipular as mentes de menor poder de raciocínio. Parece-nos que está a existir ou pairam sinais que se vive momentos assim, haja vista o acontecido recentemente no Brasil. Não se pode levar a crermos que parcela da sociedade brasileira não tenha tido conhecimento dos fatos e realidade ocorridos e em fatos ocorridos em países fronteiriços ao Brasil, tipo Venezuela, Argentina, Chile, para nomear somente alguns. Acredita-se que o Brasil seja um país cristão, nacionalista, que acredita na família e nos valores da moral cristã e valores patrióticos. Não se quer desrespeitar a crença ideológica de ninguém, desde que suas escolhas não comprometa o futuro da outra parcela da sociedade. Por isso que se apela à conscientização e à observação crítica dos fatos ocorridos em passado recente no próprio Brasil. Acredita-se não ser possível se tergiversar com o passado de crimes e acreditar que os mesmos criminosos voltando à cena do crime não irão mais cometê-los? Como dizem os sábios, o quê você dirá à sua descendência? Que o crime compensa? Que a desonestidade é correta? Que a corrupção compensa pela tomada do poder pelo projeto de poder da facção? Que valores morais os pais irão ensinar à suas crianças? Que não existe ética e que os valores morais são secundários? O que será de nosso futuro como sociedade? O que as crianças irão pensar de seus pais? Que mentir, roubar é válido? Que a sociedade perdeu a vergonha de ser honesta?  Acreditem na Verdade! Tenham Fé no futuro, que os valores morais são essenciais à civilização! Digam não aos ‘valores levianos da mentira’! O povo brasileiro é maior daquilo que pregam os arautos do caos, dos que pregam o quanto pior, melhor! Digam não os que querem manipular e implantar ideologias esdrúxulas à sociedade brasileira! O povo brasileiro não será presa fácil a essa ideologia nefasta que querem nos impor! Tudo se desfaz perante a Verdade! Não acreditem nessas estórias, pensem em seus filhos que irão sofrer! Não sejam sem-vergonhas, embusteiros! Vejam o exemplo de outros povos que caíram nesses engodos! Não brinquem com a insensatez, vós chorarão por vossos filhos! Nenhum descondenado se tornou livre para governar esse país! Nenhum malfeitor se torna bonzinho contra seu próprio povo! Não paguem para ver e sentir a desgraça! O que eles pregam vai de encontro com seu modo de vida atual, bem ou mal ainda se vive com liberdade! Acreditem! Ninguém deixa de ser corrupto por ter sido eleito!  Caso contrário, o façam conscientes que estarão comprometendo o futuro de toda a sociedade! E, chega-se ao estágio atual, como discutem os pesquisadores do CEA – Clube de Economia da Amazônia, que a hora de pensar o futuro da democracia chegou, não propriamente dela, mas o futuro, pois os fatos ameaçam ou estimulam a democracia, para se analisar seu funcionamento, no sentido de se verificar seus mecanismos sociais, à frente, no futuro, pois a democracia é eficaz a desencorajar revoluções e violências, mas é a forma mais perfeita para preparar e cuidar do bem estar da sociedade. Assim, não permite dar saltos ou outros subterfúgios, se tem um preço a pagar pela inclusão e pelo respeito às diferenças. Apesar de incertezas, se pode antever um futuro nefasto ou positivo, mas se prefere acreditar que a democracia dita liberal deva continuar como tradução dos interesses diversos dos indivíduos em sociedade, para o bem comum de todos. Sem embargo de outras analises, se acredita na propriedade privada, nas instituições democraticamente estabelecidas, na defesa da cidadania, nas condições da prosperidade, na mobilização social interclasses, nas leis de mercado processado pela troca de bens e serviços, no mercado de trabalho e pelo ir e vir das pessoas. Contudo, para aqueles que nunca assim raciocinaram, os possíveis problemas que poderão advir no futuro da democracia, deve ligar a prosperidade, o bem estar e a liberdade do povo, como não sendo condições excludentes de democracia. Pois, as mais abertas visões da democracia permite que se admita o equilíbrio entre a participação popular e o pluralismo, sendo a direção suprema pela vontade geral de um povo. Acreditem no Brasil! Tenham Fé na democracia! Vejam o que aconteceu com os irmãos venezuelanos! Não provoquem isso para o Brasil e para os brasileiros!   

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário