A inclusão estratégica e a exclusão desastrosa

Somos um País que utilizamos em maior grau a exclusão do que a inclusão em todos os sentidos. Profissionais e pessoas sentem isto de modo significativo e muito é feito de equivocado neste contexto. Ter pouca experiência profissional pode ser prejudicial, assim como muita experiência pode ser discriminado e colocado a margem dos acontecimentos. A busca do primeiro emprego é algo extremamente angustiante e em contrapartida a idade avançada mesmo com experiência é um grande limitador para uma recolocação no mercado. Um pequeno movimento tem sido feito referente aos profissionais com muitas experiencias e uma melhor idade. As oportunidades aparecem e desaparecem de modo muito rápido para os não articulados em compensação para uma pequena minoria articulada as oportunidades são em número maior e com uma duração muito superior. Muito precisa ser feito para balancearmos tal situação de inclusão e exclusão, mas há jeito.

A inclusão profissional e pessoal em nossa realidade nos mostra que devemos melhorar muito em relação ao pensamento estratégico global para podermos perceber a necessidade de uma participação inteligente e responsável na evolução histórica de nossa sociedade. Não podemos apenas discriminar, precisamos evoluir a ponto de ter consciência daquilo necessário para o bom andamento do processo existente. Precisamos trabalhar a fim de reduzirmos a exclusão com planejamento, organização e controle próprio para cada situação existente. A generalização exagerada não é um ato saudável para realizarmos em um país em desenvolvimento. Devemos ter visão global, todavia, agirmos de modo específico e assim trazermos novos momento decisivos para todas as pessoas e processos. O equívoco da exclusão deve ser substituído pela sabedoria da inclusão.

O início da vida profissional e o fim são dois momentos demasiadamente delicados e cheios de estresses desnecessários, pois, o que deveria acontecer era como primeiro emprego pensarmos no grande potencial daquele profissional para colaborar no engrandecimento das organizações enquanto que para o termino da vida profissional deveríamos ter a sensação do trabalho cumprido com nossa participação positiva no processo. Nada disso ocorre devido à falta de envolvimento adequado de todos os atores do processo profissional. Profissionais e empresas se encarregam de dificultar ainda mais o processo de entendimento dos interesses existentes no processo normal do capitalismo criando momentos de tensões sem nenhuma finalidade justificada, mas criadora de dificuldades e exclusões prejudiciais para todos. 

Acertos e erros fazem partem do processo de busca da perfeição e devemos procurar um maior número de acertos para justificar as tentativas futuras. Torna-se necessário definirmos de modo estratégico como queremos ver nossas empresas funcionarem, mas, isto já até estão sendo feito, todavia, precisamos nos especializar em administrar pessoas e fatos de modo sábio buscando equilíbrio entre as diferenças e respostas com os envolvidos diretamente no processo, pois assim, certamente, será mais fácil entendermos as próprias dificuldades e as dos outros. Não devemos continuar achando que somos melhores pelo simples fato de possuirmos experiências e estarmos em alguma posição de comando. Devemos sim, ter inteligência suficiente de ver, analisar, planejar, articular, desenvolver, pôr em prática, acompanhar, modificar e humanizar o que for necessário transformando a realidade para melhor crescer em todos os sentidos e assim conseguirmos acabar com o equívoco de que pouca ou muita experiência faz mal e com isso enxergarmos a grande verdade que é sermos profissionais capacitados de sabermos colocar e até realocar as pessoas nas organizações de modo que elas estejam no local certo para demonstrarem o real potencial existente em si com alta performance.   

Vamos refletir sobre isto?

Flávio Guimarães é Mestre em Engenharia de Processos pela UFPA, Diretor da Guimarães Consultoria e Treinamento Empresarial Ltda., Diretor de Educação da ABRH, Administrador de Empresas, Especialista em Empresas Públicas e Privadas, Pós Graduado em Gestão Estratégica de Negócios, Consultor Empresarial, Pós Graduado MBA Gestão e Docência do Ensino Superior, Professor Universitário (Estácio Amazonas), articulista do Jornal do Commercio e da Amazon Play TV digital e Coordenador de MBA Executivo e dos Cursos de Logística, Qualidade e Recursos Humanos e do LPG – Laboratório de Práticas em Gestão da Faculdade Estácio do Amazonas.

E-mail: [email protected], [email protected]

Jornal do Commercio de 01.08.2023.

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário