70 anos do meu herói

Agradeço a DEUS por mais um ano de vida que meu pai, Plínio Jorge Teixeira, completou no último dia 26 de janeiro. 70 primaveras. Se tem uma palavra que pode defini-lo é Milagre. Papai tem experimentado o Milagre de DEUS em sua vida desde muito cedo. Homem batalhador, cresceu em um lar humilde, mas jamais deixou de lado princípios e valores que são inegociáveis. Arrimo de família, sempre batalhou para suprir sua casa. 

Estudou, passou na antiga Escola Técnica Federal do Amazonas (atual IFAM – Instituto Federal do Amazonas); depois foi aprovado no curso de Engenharia Civil da Universidade de Tecnologia da Amazônia (UTAM, atualmente EST-UEA). Lá, ele se formou e depois tornou-se servidor desta renomada instituição.

Como engenheiro, trabalhou em diversas empresas do Distrito Industrial de Manaus, tendo se consolidado como profissional em sua área de atuação, tanto na engenharia civil, quanto na engenharia de segurança do trabalho, área esta em que se tornou especialista. 

No magistério também deu a sua contribuição significativa como professor de ensino médio (nas áreas de física e matemática) e do ensino superior, em Engenharia. Sempre demonstrou amor pelo ensino e pelo convívio com os seus alunos, fato este que até hoje é elogiado por todos aqueles que o encontram e reconhecem a contribuição que ele teve como mestre em suas vidas, como o professor Sylvio Puga, atual reitor da Universidade Federal do Amazonas, que foi aluno do papai em sua adolescência, no antigo Colégio Christus (CIEC).

Também teve uma brilhante trajetória na área de comunicação, tendo passado pelas grandes rádios locais, como locutor esportivo, repórter e noticiarista, e participado de grandes coberturas do esporte regional. Seu jeito autêntico, ousado e desinibido sempre ajudou a abrir-lhe as portas por onde quer que passasse.

Sem nunca parar de se qualificar, tornou-se perito trabalhista do Tribunal Regional do Trabalho e foi incumbido da missão de resguardar direitos e prerrogativas constitucionais, jamais deixando de cumprir sua função com retidão, seriedade e intensidade.

Homem de família, casou-se aos 28 anos de idade com minha mãe, Liliam Maria Said Teixeira e como resultado deste matrimônio, tiveram dois filhos: meu irmão Plínio Jorge Teixeira Júnior e eu, Lisandro Mamud Said Teixeira. Este casal construiu sua história com base no amor, na dedicação mútua e na sinceridade. Neste ano, com a graça de DEUS, completarão 43 anos de casamento em uma linda história de amor (Bodas de Azeviche).

Mas como nem tudo na vida são flores, teve um AVC hemorrágico aos 43 anos de idade, tendo sido desenganado pelos médicos de Manaus e em São Paulo, chegando a receber como diagnóstico 12 horas de vida. Ficou completamente cego durante 1 ano e meio, em virtude do aneurisma cerebral que sofreu, tendo ficado também 5 anos e meio esquecido. Mas DEUS já tinha um propósito e transformou algo que parecia ser uma tragédia, em bênção. Minha mãe é e sempre foi uma companheira incansável ao seu lado. Papai ficou completamente curado, voltou a trabalhar, a dirigir e hoje conta este testemunho em todas as oportunidades que tem. Há quase 30 anos atrás ele nasceu de novo.

Enfim, faço questão de frisar esta bela história de vida, de um vencedor; alguém que jamais deixou de lutar e mesmo com tantos percalços pelo caminho, nunca desistiu de se superar e ultrapassar os próprios limites, com sabedoria, direcionamento e garra. Parabéns pelos seus 70 anos meu Pai, meu Herói!

Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário