Usineiro alagoano poderá ter seus sigilos quebrados a pedido de Renan

Na opinião do presidentedo Senado Renan Calheiros, o usineiro é um “ressentido” que resolveu direcionar sua artilharia para ele depois de sair derrotado nas eleições para o governo do Estado de Alagoas no ano passado.
“Eu quebrei meu sigilo, abri as minhas contas, era importante que esse João Lyra fizesse isso antes de dizer qualquer coisa. Ele, ressentido, perdeu eleição com 350 mil votos, atribui a mim grande parte desse derrota, perdeu a liquidez, obtém mais de três mil títulos protestados. O que ele disser em relação a mim será sempre suspeito”, afirmou.
Renan disse estar tranqüilo em relação ao depoimento que Lyra prestará hoje, em Alagoas, ao corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP). O peemedebista afirmou, no entanto, que o usineiro não merece “nenhuma palavra” sua desde que tornou públicas as denúncias. “Eu não quero tratar desse rapaz. Ele tem várias execuções da Receita Federal, é acusado de vários homicídios, inclusive de crime de mando, é uma pessoa que não merece uma resposta minha porque não tem nenhuma qualificação”.
Na opinião de Renan, os senadores vão concluir ao final das investigações que ele não está envolvido em irregularidades. “O que vai haver no Senado, qual o desfecho da crise, isso não importa muito. O que importa para mim é a verdade, é sair de cabeça erguida, de espinha ereta, andar pelo Brasil e demonstrar que eu sou inocente. Em relação ao Senado, eu tenho absoluta confiança, na sua isenção. No final a verdade vai preponderar”. Renan disse que mantém com os senadores “o melhor relacionamento e respeito de todos” ao negar que tenha feito ataques nos bastidores a colegas favoráveis ao seu afastamento do cargo – com supostas ameaças veladas.
“Eu nunca ataquei ninguém. Vocês acham que tive 52 votos para a presidência do Senado como? Eu tive 52 votos porque sempre tive com o plenário o melhor relacionamento e o respeito de todos, da mesma forma que eu respeito a todos”, afirmou.
Renan disse estar disposto a prestar depoimento ao Conselho de Ética do Senado, na semana que vem, no processo a que responde por quebra de decoro parlamentar. “Eu vou a qualquer lugar que seja necessário levar a verdade, inclusive o Conselho de Ética”, disse.
Outra representação contra Renan, que já chegou ao conselho, vai investigar a acusação de que ele teria beneficiado a Schincariol junto ao INSS depois que a empresa comprou fábrica por preço acima do mercado de seu irmão, Olavo Calheiros (PMDB-AL).
A Mesa Diretora do Senado também decide, hoje, se encaminha uma terceira representação contra Renan ao conselho para investigações sobre a denúncia do suposto uso de laranjas na sociedade com Lyra. O usineiro afirma que Renan investiu R$ 1,3 milhão no negócio, firmado em sociedade oculta, sem declará-los à Receita Federal.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email