14 de abril de 2021

Trabalho apresenta crescimento de 6,2% no período de um ano

É o que mostra estudo sobre o mercado de trabalho paulista elaborado pelos pesquisadores Celma Baptistella

A mão-de-obra ocupada nas principais atividades agrícolas no Estado de São Paulo cresceu 6,2%, para 1,117 milhão de pessoas, em novembro de 2006 em relação ao mesmo período do ano anterior (1,052 milhão). É o que mostra estudo sobre o mercado de trabalho paulista elaborado pelos pesquisadores Celma Baptistella, Maria Carlota Vicente, Carlos Fredo e Vera Lúcia Francisco, do IEA (Instituto de Economia Agrícola da Secretaria de Agricultura e Abastecimento).

Foram estimados 628,7 mil trabalhadores não-residentes nas propriedades rurais (56.3% do total) em novembro de 2006. As categorias mais representativas são os trabalhadores volantes, com 37,5% (235,75 mil), seguidos dos assalariados (administrador, mensalista, diarista e tratorista), com 28,8% (181,28 mil) e dos proprietários, com 25,3% (158,89 mil).

As estimativas sobre ocupação de mão-de-obra em atividades rurais não-agrícolas (industriais, administrativas e serviços) em novembro de 2006 indicaram ligeiro acréscimo (1,0%) em relação a novembro de 2005. As médias anuais de ocupação foram de 106.700 e 116.934 pessoas em 2005 e 2006, respectivamente. A principal empregadora tem sido a atividade industrial, atingindo 78,1% (76.960) do total ocupado em novembro de 2006.
Na atualidade, o crescimento da demanda pelo etanol da cana-de-açúcar em função da opção, em termos mundiais, pelo uso de energia renovável, resultará em grande expansão da área de plantio desse produto agrícola. Entre as discussões inerentes a esse fato, inserem-se as questões relativas ao mercado de trabalho.

“Apesar da expansão do setor, por conta da proibição da queima de cana na colheita e da consequente mecanização dessa operação, serão os trabalhadores volantes, cortadores de cana, os mais afetados nesse processo.

Há de se ressaltar que a operação de plantio também se encontra em processo de mecanização, reduzindo ainda mais o emprego na época de entressafra. Portanto, é para a categoria de trabalho volante que são esperadas alterações mais representativas no contexto do mercado de trabalho rural paulista”, alertaram os pesquisadores.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email