Tesouro Nacional registra queda de 1,71% no primeiro mês de 2008

O resgate de títulos reduziu a dívida pública interna em 1,71% no mês de janeiro na comparação com dezembro. A queda significou uma redução de R$ 20,9 bilhões no estoque total, que chegou ao fim de janeiro totalizando R$ 1,204 trilhão.
De acordo com o Tesouro Nacional, o resgate líquido –resgate superiores às emissões de novos títulos– foi de R$ 34,4 bilhões. Esse valor compensou os juros incidentes sobre a dívida, que somaram R$ 13,4 bilhões.
Já a dívida pública total, que inclui também a externa, passou de R$ 1,333 trilhão em dezembro do ano passado para R$ 1,311 trilhão em janeiro de 2008, uma queda de 1,68%.
O PAF (Plano Anual de Financiamento) projeta que a dívida pública federal irá variar neste ano entre R$ 1,480 trilhão e R$ 1,540 trilhão.

Queda
observada

Como ocorre em quase todo início de trimestre, a parcela da dívida interna que é prefixada encolheu do percentual de 37,31% em dezembro para 34,92% no mês passado.
O desempenho é característico do período porque o Tesouro Nacional concentra nesses meses os vencimentos desses papéis.
Os títulos prefixados dão maior previsibilidade para a administração da dívida pública, já que o Tesouro sabe antes o quanto vai desembolsar em cada vencimento.
Já a dívida indexada a índices de preços subiu e passou de 26,26% em dezembro para 27,22% no mês de janeiro.
A dívida pós-fixada, que é atrelada à taxa de juros Selic, subiu de 36,63% para 38,02%. Essa exposição leva em conta as operações de “swap”. A administração da dívida pública trabalha para reduzir a participação desses papéis, já que eles dão menos previsibilidade na hora do pagamento.
Sem considerar as operações de “swap”, a dívida pública pós-fixada passou de 33,39% para 34,77%.
A dívida interna, que é corrigida pela taxa de câmbio, também levando em conta as operações de “swap”, passou de negativa em 2,29% em dezembro para negativa em 2,28% em janeiro. A participação negativa significa que o governo tem créditos a receber em dólar.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email