Sesi, indústria e qualidade de vida

Além de promover a capacitação para quem busca uma vaga nos quadros da indústria brasileira e para quem já está inserido no mercado de trabalho, o Sesi (Serviço Social da Indústria) também tem ações voltadas a cultura e a qualidade de vida de industriários, um serviço social que se estende aos dependentes. Na capital amazonense, cultura, saúde e lazer são oferecidos nas unidades Centro e no complexo do Clube do Trabalhador.

Ações para a comunidade e a indústria
No campo cultural, por exemplo, a mais recente ação foi a primeira edição do Flics (Festival Literário e Cultural Sesi Amazonas), que em três dias de evento no mês de julho, buscou a democratização da cultura em todas as suas linguagens. O Flics promoveu debates, um deles com um dos maiores expoentes da literatura amazonense, o escritor Milton Hatoum (que também foi o principal homenageado) e exposições, atrações musicais e muita diversão.

No Flics, entre os eventos diários mais concorridos, estava o Flicshow, um talk-show com plateia, banda e convidados. Em duas ediçõs diárias e ao vivo, o talk-show abordou temas como literatura, quadrinhos, filmes, séries, música, empoderamento feminino e jornalismo.

Também recentemente, em abril, e desta vez voltado a indústria mais com um viés em qualidade de vida, o Sesi-AM promoveu o Dia Mundial da Segurança e Saúde do Trabalhador, com palestras e debates, no Clube do Trabalhador. A ação da entidade teve a parceria da SRT (Superintendência Regional do Trabalho) e Seconci (Serviço Social da Construção Civil).

De acordo com o Ministério do Trabalho, o Amazonas registrou 8.984 acidentes ou doenças do trabalho em média nos últimos cinco anos, o que motivou a ação, conta o supervisor de Segurança e Saúde no Trabalho, do Sesi Amazonas, Cláudio Palheta. “A ideia é proporcionar às indústrias soluções efetivas para que tenham um ambiente de trabalho mais seguro e que isso se reflita na qualidade de vida do trabalhador”, afirmou.

Animando o PIM
Ainda para a indústria, com foco no PIM (Polo Industrial de Manaus), o Sesi-AM promove quatro atividades fixas comuns em eventos do Sipat (Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho): o Teatro Socioeducativo, composto por peças teatrais, showlestras (palestras lúdicas utilizando personagens e recursos teatrais), performances e corpo a corpo (diálogos diretos com o trabalhador na produção) desenvolvidos sob encomenda de acordo com a temática solicitada pelo cliente.

O Videokaraokê é um serviço oferecido para interagir e animar os eventos com músicas de cantores diversos, conforme a demanda da indústria. Para manter a animação ainda é realizado a Gincana Cultural e a Animação Cultural. A primeira atividade conta com organização de provas de conhecimentos gerais, caça-palavras e provas musicais com o tema do evento. Já a segunda utiliza animação e dinâmicas com crianças e adultos através de personagens ou palhaços utilizando recursos teatrais através do humor. Para receber as ações, as empresas podem enviar propostas para o telefone (92) 3216-1037.

Dança no Sesi-AM
A prática da dança é uma das mais requisitadas pelos industriários e dependentes, por abranger várias faixas etárias. No Sesi as aulas de jazz são direcionadas para o público infanto juvenil e adulto. Já o Ballet Clássico tem três diferentes turmas: balé clássico iniciante, experiente e adulto. Consistindo em um curso de adaptação, onde as crianças serão trabalhadas nas práticas lúdicas, de lateralidade, musicalidade, coordenação motora, socialização e na parte emocional, o ballet Baby Class está dividido em Baby Class Iniciante e Baby Class Experiente.

Já as oficinas de Dança, consistem em aulas de dança com curta ou média duração, podendo ser realizadas nas dependências das empresas, abrangendo várias modalidades. As oficinas promovem o contato e aprendizado de movimentos e ritmos das diversas técnicas de danças existentes. Ideal para os mais variados eventos e para o intervalo dos trabalhadores, onde podem usufruir de momentos de integração e melhoria da qualidade de vida. Nas Oficinas são ensinadas: danças de salão (bolero, forró, salsa, merengue, soltinho), balé, jazz e ritmos variados. Destinadas aos trabalhadores da indústria, seus dependentes e comunidade em geral. As oficinas são indicadas para todas as idades a partir de quatro anos.

Como se inscrever
Para se inscrever e poder participar de qualquer uma das atividades, basta se dirigir a Central de Atendimento do Clube do Trabalhador. Para titular é necessário levar RG, CPF, comprovante de residência, último contracheque ou carteira de trabalho, todos originais, tanto industriários como não industriários. A Central de Atendimento funciona de segunda a sexta, de 7h15 às 20h15; sábados, de 9h às 12h. Mais informações: (92) 3248-0468 / (92) 3216-1030.

Na categoria Dependente, para cônjuge pede-se certidão de casamento ou declaração de união estável, RG e CPF. Para filhos, certidão de nascimento ou RG. Os valores de matrícula são de R$ 8 para industriários e R$ 10 para não industriários. As atividades têm como foco principal os trabalhadores do Polo Industrial de Manaus, mas as vagas também são abertas a comunidade em geral.
Os industriários pagam R$ 50,00 e os não-industriários pagam R$ 90,00.

O que é o Sesi?
Criado em 1º de julho de 1946, o Sesi (Serviço Social da Indústria) é uma instituição aliada das empresas no esforço para melhorar a qualidade da educação e elevar a escolaridade dos brasileiros. Também ajuda a criar ambientes de trabalho seguros e saudáveis e a aumentar a qualidade de vida do trabalhador.

O Sesi atua nos 26 Estados e no Distrito Federal. Em todos esses anos, tem se dedicado a atender as demandas da indústria com ações que aumentam a produtividade e a competitividade e promover o bem-estar do trabalhador.

A instituição realiza suas atividades por meio do Departamento Nacional e das unidades regionais presentes em todos os Estados brasileiros. O Sesi promove diversos programas nas áreas de Educação e Qualidade de Vida, eventos, cursos, prêmios e mantém parcerias com várias instituições, empresas e organismos internacionais.

A década de 1940 significou para o Brasil um período de adaptação às mudanças no cenário interno e externo: a deposição do presidente Getúlio Vargas, o fim da Segunda Guerra Mundial e o fortalecimento da industrialização do país. Foi uma época com perspectivas de liberdade e democracia, quando afloraram novos desafios relacionados à mudança do modelo econômico exportador de matérias-primas e de base agrária para o modelo de substituição de importações, com forte tendência à urbanização. Esse período foi marcado por revindicações relacionadas à criação de políticas sociais, à universalização da educação, melhoria do atendimento à saúde e dos sistemas de transporte e habitação.

Entre os empresários brasileiros havia o consenso de que o Brasil precisava de um instrumento de ação social, que complementasse a atuação do Estado. Em 1946, o Decreto-Lei nº 9.403, assinado pelo presidente Eurico Gaspar Dutra, atribuiu à CNI (Confederação Nacional da Indústria) a tarefa de criar, organizar e dirigir o Sesi.

Para isso, foi decisiva a liderança dos empresários Roberto Simonsen, em São Paulo, e Euvaldo Lodi, no Rio de Janeiro, que se mobilizaram em torno da bandeira da promoção e integração e a solidariedade entre capital e trabalho.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email