Produção da substância ameaça direito à alimentação, diz relator da ONU

O relator da ONU (Organização das Nações Unidas) contra a Fome, Jean Ziegler, acusa o Brasil de estar “desmatando a Amazônia e acabando com o Centro-Oeste” com a plantação de cana-de-açúcar para a fabricação do etanol.
Em Genebra, na última quinta-feira, o relator das Nações Unidas convocou a imprensa internacional para denunciar os biocombustíveis como uma das principais ameaças ao direito à alimentação nos próximos anos no mundo e pedir uma moratória de cinco anos na produção do etanol.

“A transformação das terras agrícolas para o cultivo de produtos que servirão para o etanol é uma catástrofe”, disse. “Até 2010, as estimativas são de 26 milhões de hectares de terras no mundo estejam plantadas com cana, milho ou outro produto usado no etanol”, disse.

No dia 25, Ziegler apresenta à Assembléia Geral da ONU sua avaliação sobre o etanol e uma votação sobre o documento poderá ocorrer. Além disso, o relator quer que o tema seja alvo da atenção mundial no próximo dia 16, quando a ONU comemora o dia internacional do direito à alimentação.

“O etanol não gerou desenvolvimento no Brasil nos últimos 30 anos”, afirmou. O governo já havia respondido às acusações, alegando que a tese de Ziegler não era correta. “Eu insisto: o etanol gera menos postos de trabalho que a agricultura familiar.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email