Pesquisa identifica área para manejo florestal

A ideia da pesquisa intitulada: “Sistema de Informação Geográfica Aplicado no Manejo Florestal de Unidades de Conservação” é contribuir para a criação de um banco de dados geográfico contendo informações sobre essas comunidades, para que seja possível ajudar na tomada de decisão de políticas públicas.
O mapeamento das 28 áreas destinadas ao manejo florestal comunitário parte da identificação dos setores que mais pressionam o recurso florestal e deve fazer parte do trabalho de doutorado a ser desenvolvido pela Mestre em Geografia Marilene Alves da Silva, que é vinculada ao Ifam (Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas).
A pesquisadora apresentará os dados da pesquisa em Curitiba (PR), no mês de outubro, no 9º Seminário de Atualização em Sensoriamento Remoto e Sistema de Informações Geográficas Aplicadas à Engenharia Florestal, com a ajuda da Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas), por meio do Pape (Programa de Apoio à Participação em Eventos Científicos e Tecnológicos).

Tecnologia SIG

“O projeto de pesquisa consiste em demonstrar o emprego do SIG (Sistema de Informação Geográfica) como uma ferramenta extremamente importante e essencial para o monitoramento e manejo florestal em Unidades de Conservação, pois o mesmo possibilita o gerenciamento de informações e suas respectivas análises geográficas com alto nível de precisão e confiabilidade”, explicou a pesquisadora.
Segundo Silva, a pouca aplicação da geotecnologia e sua inconstante atualização foram consideradas um dos grande desafio quanto à capacitação técnica em manipular os aplicativos do SIG, um sistema que requer técnicas computacionais sofisticadas e profissionais especializados.
“Para alcançar os resultados, foram realizados treinamentos em instituições de ensino e pesquisa, como o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas – Campus Zona Leste, Universidade Federal do Amazonas e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, localizado no Estado do Amazonas, na região do Médio Solimões, a cerca de 600 quilômetros a oeste de Manaus.
Dentre os procedimentos utilizados na pesquisa, Silva destaca a aplicação do SIG na Unidade de Conservação Mamirauá. Ela explicou que por meio de estudos, tanto biológicos, quanto socioeconômicos realizados sobre a exploração de madeira, foi possível chegar a resultados importantes.
“O mapeamento das áreas de manejo florestal foram digitalizados em um software com base no mosaico de imagens de satélite sensor TM (Thematic Mapper) do Landsat-5 da área da reserva, o trabalho permitiu a realização dos levantamentos de coordenadas geográficas por meio do Sistema de Posicionamento Global (GPS) em áreas de uso florestal”, afirmou Silva.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email