Orkut vira aliado na hora de sondar mercado de trabalho

Quem pensa que o Orkut é apenas um ponto de encontro de amigos e uma forma de retomar contato com antigos colegas está muito enganado. Perfis, depoimentos, recados e comunidades podem dizer muito sobre você e, inclusive, decidir o seu futuro profissional.

Segundo Eliane Sarcinella, executiva de recursos humanos e diretora da TGR (empresa especializada em assessorar jovens no início de carreira), muitas empresas utilizam esta rede de relacionamento para saber o que o candidato pensa e o que pensam sobre ele, através de informações pessoais, dados acadêmicos e profissionais.

Por meio deste moderno canal de informação, os recrutadores conseguem identificar com mais profundidade a essência do candidato. Erros de português, interesses profissionais, culturais e ampla rede de amigos, são estes os principais quesitos observados pelos selecionadores.
Em contrapartida, eles evitam profissionais que depreciem o trabalho, participando, por exemplo, de comunidades do tipo “Eu odeio trabalhar” e “Detesto meu chefe” ou que demonstram um comportamento reprovador: “Eu bebo até cair” e “Eu só assisto à TV”. Apesar de engraçadas, essas comunidades passam a idéia de superficialidade que não condiz com a realidade de muitas empresas.
Na maioria das vezes, tais informações são decisivas na hora da contratação porque esclarecem pontos fundamentais para o empregador. Normalmente, seria omitido pelo candidato e só viria a ser descoberto com a convivência e após já contratado.

“O currículo e a entrevista são determinantes para a contratação, mas consultar a página pessoal do Orkut também é válido para complementar o perfil do candidato. Através das comunidades virtuais os internautas registram detalhes de sua vida pessoal e demonstram preferências e aversões”, relatou Eliane.

A profissional ressaltou que nem tudo deve ser levado em consideração, como por exemplo, um candidato que integra a comunidade “eu odeio acordar cedo”, não significa que ele chegue atrasado ao trabalho, mas de qualquer forma, cabe uma avaliação do empregador.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email